Visualizações de página do mês passado

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Dilma e a Rede Cegonha & Dilemas de Dona Lô...




Fátima Oliveira

“Não sei se chamo uma coletiva de imprensa ou se faço uma cartinha pra Dilma. Ô dilema cruel!”
Era o que pensava Dona Lô ao sentar em sua cadeira de balanço na calçada de sua casa na Chapada do Arapari. Parecia agoniada, fadigada... Muitas coisas fora do seu controle. Situação horrível para quem está acostumada a ter nas mãos as rédeas de tudo que lhe compete.
Primeiramente porque Maria Helena, filha de Memélia, a mocinha que substituiu Gracinha – “aquela sim era de forno e fogão e ainda de troco um latão” – era lenta que só uma lesma. Boazinha, é verdade, mas pra virar uma Gracinha, bote tempo! E Dona Lô não parecia lá muito disposta a esperar tanto... Falta de paciência mesmo.
Ela sabe que “O que não tem remédio, remediado está”.
‘‘C’os diachos essa invenção de Gracinha de não se aguentar e andar mijando de tiquim por Zé Vaqueiro! E a lesa aqui nem ter percebido, nadica de nada, oxente! Imperdoável, viu, Lô! De besta aqui só eu mesma. Até Cesinha disse! Depois desdisse, mas deu sua opinião”. Era o que passava em sua cabeça...
E remoía... “Como se a vida estivesse em céu de brigadeiro, aparece Dilma toda porloche na TV anunciando, nada mais e nada menos, do que o minimalismo das ações em saúde da mulher, falado em programa de campanha eleitoral. O mais cristalino retrocesso”. É o que dizem as pessoas entendidas no assunto. E sou forçada a reconhecer que elas têm toda a razão do mundo. Estou com elas e não abro!
Na época Dona Lô não deu muita bola. Imaginou que era o escape possível do acirramento do fundamentalismo do Serra. Tudo para venerar as mães e, por tabela, condenar o aborto. Pois sim, santificando as mães os contras vão entender que não se apoia aborto. Ô raciociniozinho tacanho, fulerim, fulerim... Bem, ali era a campanha eleitoral no momento do “Vai ou racha e quem for podre que se arrebente”. Até compreensível. Era, sim! Mas aquilo era promessa pra ficar só no discurso meu Deus do céu! Tu bem sabes meu Deus!
... Se bem que aquela feminista que é médica, espertíssima, como de costume cantou a pedra, bem antes do segundo turno. Mas ficou por isso mesmo... Eu, Lô, até achei que ela estava radicalizando, que era um exagero, pois Dilma daria continuidade às políticas de Lula na saúde da mulher que, na prática não foram nenhuma brastemp, mas eram bem intencionadas. Quem é especialista no assunto, por profissão ou por militância, concordava, pois ajudou a elaborar aquela política anos a fio até chegar ao que está documentado. Logo, eu nem “Seu Souza” para a implicância da Dra. Fátima Oliveira! É sério. Achei que era um preciosismo, uma inticância dela.
Pois não é que a danisca foi bem na ferida que agora sangra? Ela escreveu: "Numa olhada de relance nos discursos das campanhas à Presidência, a concepção de mulher-mala (mãe e filho) foi o tom das propostas para a saúde feminina. Foi de amargar... Ai, meus sais! Voltaremos ao tema."... ["Algumas ausências que foram paradigmáticas no debate eleitoral"]
E olhe que ela escreveu o que estou lembrando agora foi no dia 5 de outubro de 2010! Não é profetisa, não! Apenas analista criteriosa da conjuntura e de pés bem fincados no chão. Mas não dei pelotas. E olhem que ela é uma mulher com Dilma desde a primeira hora! Comprou a briga em defesa do nome de Dilma nas entranhas do movimento feminista! Foi um bom artigo aquele "Não serve ao feminismo tentar nivelar ideologias díspares".


Já na calçada, bem acomodada em sua cadeira de balanço, ficou a olhar com indisfarçável ternura, a meninada a brincar no adro da capela... E com as pernas inquietas, em petição de miséria, sem achar lugar pra elas, decidiu: “Vou assuntar com Estela. É hora de assuntar mesmo. O bicho, ou melhor, a bicha, que é a cegonha, tá pegando e grudou que nem chiclete... E com razão... Precisava disso não, minha gente! Parece que estou vendo aquela meninada zanzando e estribuchando pra agradar a presidenta. Pura falta de expediente! Donana, minha mãe, dizia que a derradeira disgrota da vida é uma pessoa sem expediente, pois o mundo engole quem não tem expediente!”
E resmungava, falando sozinha: “Só mesmo falta de expediente explica que depois do sucesso do Programa ‘Saúde não tem preço’, o governo de Dilma tenha caído numa esparrela sem tamanho com a tal cegonha! Espiem só, no dia 04 agora, de abril, no Café com a Presidenta, ela falou que o Programa ‘Saúde não tem preço’ já atendeu quase 3,5 milhões de pessoas em dois meses de funcionamento!



Disse a presidenta: “‘Nos primeiros 45 dias, quase 3,5 milhões de pessoas receberam de graça seus remédios para diabetes e pressão alta. É quase o dobro do que a rede ‘Aqui Tem Farmácia Popular’ distribuía quando os remédios tinham que ser pagos. Isso indica que a nossa campanha sobre a importância do tratamento está no caminho certo”, afirmou. “Queremos que todos os diabéticos e hipertensos possam fazer o tratamento direito, sem interrupção... O problema é que essas doenças, se não forem tratadas, levam a complicações muito graves, que podem até matar. Daí a importância da prevenção, com uma vida saudável, uma alimentação saudável e exercícios físicos, desde que o médico controle e receite. E, além disso, o tratamento com os medicamentos corretos”.




“Hemhem, sem dúvida, uma ação bola dentro que concretiza o direito humano ao remédio. Ai, que agonia nas pernas! Fico assim sempre que estou agoniada. Nunca descobri pucardiquê. C’os diachos que Estela não atende ao telefone!” Fincou pé e insistiu em falar com a afilhada, enquanto se deixava encharcar da sensação de agradecimento pela tarde de brisa suave e por aquelas crianças bem vestidas brincando, saltitando, alegres e felizes... Em outras eras, numa horinha dessas estavam todas nas roças, no cabo do enxadeco. Agora, não! Todo mundo na escola, feito gente! Nem sempre foi assim. A melhoria de vida daquela gente se deu mesmo foi com Lula...


– Ô Maria Helena, minha filha, ligue aí de dentro pra casa de Estela e peça que telefone aqui. Preciso falar com ela! É conversa demorada. Não dá pra ficar de lero em celular, não! Tá caro demais! Depois chame a meninada que está ali brincando e dê umas frutinhas pros bichins, viu? Sim, banana prata! Ah, e aquela bandeja de ata madurinha. Há muitas atas e bananas aí que trouxeram da Matinha hoje. Dê o tanto que elas quiserem, a folote mesmo. Se a gente não comer logo vão estragar. Melhor dar pros bichins.
– ...
– Né brinquedo, não Estela! “O programa tem atualmente 15.097 farmácias credenciadas, além de 548 unidades do governo. Para receber gratuitamente os remédios de diabete e hipertensão, o paciente precisa apresentar no posto autorizado a receita médica, o CPF e um documento com foto”. Melhor do que isso cheirosa, nem maná caído do céu! E agora, o que eu faço, hein Estela? Não se sei chamo uma coletiva de imprensa ou se faço uma cartinha pra Dilma.
– Como assim Dindinha? Deixe de maluquice, senhora! Não disse que está aposentada? Tem um montão de organizações feministas que precisam dar o ar da graça nessa refrega, dando o tom e dizendo como é que a roda gira. Praticamente ainda não fizeram nenhum barraco. Tem de haver barraco! Saiu só uma notinha e a entrevista da Rede Feminista de Saúde, que eu considero de alto nível, pois é uma abordagem filosófica, técnica e política da visão da saúde integral da mulher. O feminismo falou e disse! Agora é a vez do ministro Padilha se explicar. Olhe que hoje já é dia 7 de abril. O frege está armado. É isso! No centro, o debate sobre atenção integral à saúde da mulher.
– Como dizia uma amiga feminista, a médica Ana Reis, saúde integral é como o arroz com casca e tudo... Fica facim, facim de entender o que se quer dizer quando se fala em saúde integral, é só pensar em arroz com casca.



– Taí, gostei! É preciso lembrar tal comparação para o ministro Padilha.
– A presidenta lançou o Programa Rede Cegonha dia 28 de março... De lá mesmo de Belo Horizonte ela se mandou pra Portugal, depois voltou na maior carreira, que morreu Zé Alencar... Se a mulherada que entende do riscado ainda não foi pra cima, aí fica difícil mesmo...
– ...

– E o que faço, hein Estela? É que estou vendo a vaca ir pro brejo. Ir, não! Está atolada no brejo... Boto a boca no trombone ou no ouvido da mulher? Me diga!
– O bom senso, ético e político, manda que a senhora faça uma carta, uma coisa pessoal. Da senhora pra Dilma, abrindo os olhos dela, ôche! Deixe o embate político, quero dizer, o grande embate, para quem tem a obrigação de fazê-lo... Por mais irada que esteja com a cegonha... E eu pensava que a senhora gostava de bicho...
– Estela, vamos por partes! Gostava, não! Gosto. Fui uma criança cercada de bichos por todos os lados... Menos de cegonha rsrrsrsrsrsrsrs, bicha que nem tem no Brasil. A bicha ainda por cima, é estrangeira, oxente! Importada, Estela! Cegonha no Brasil só importada, minha rosa!
–...
– Só não tive gato e cachorro. Não podia porque era asmática e mamãe dizia pra nem chegar perto de pelo de gato e de cachorro... Coisa da sabedoria do povo, que parece ser certa. Mas criei de tudo: curica, papagaio, periquito, paca, cotia, jabuti, tatu... Em meu tempo de criança, sempre tive minhas galinhas, meus patos e até um pavão! Sem falar nos cabritinhos e carneirinhos enjeitados, quando a mãe morria, que papai trazia pra casa pra que eu cuidasse deles. Dava leite na mamadeira pros bichinhos. Nunca morreu um! Papai dizia que criança aprende a respeitar a natureza é cuidando de bichos! Portanto, toda criança precisa ter um animal de estimação... Nem que seja só um! Pode ser até peixe em aquário...
– Ave-Maria Dindinha, zoológico é pouco, hein?
– Acontece Estela, como li num comentário na internet, que a meninada que está no Ministério da Saúde é crua e inocente, inocente – pra não dizer coisa que agrave Seu Ninguém. Só inocência mesmo, pois nem o beabá da cartilha da continuidade de um governo essa gente se deu ao trabalho de ler. Sequer sabem que a pólvora foi descoberta faz é tempo! Estão gostando de puxar a mãe do corpo da presidenta... Só pode, ôche! É um surto de puxa mãe do corpo! Se Dilma fosse homem, seria surto de puxa saco!
– Hemhem... Como assim? Pucardiquê?
– Como assim e pucardiquê? Num tá acompanhando não, minha rosa?

– Médio... Li o artigo da professora Clair Castilhos “As cegonhas vão parir… tudo está resolvido!!” O veio é bom; e o estilo gozador é perfeito! Uma delícia de leitura. Por alguns comentários, percebe-se que muita gente interessada no assunto não entendeu direito que o buraco é bem mais embaixo. Tem muita gente achando que as feministas gostam mesmo é de encrenca. E não é nada disso. Vai ser preciso popularizar a linguagem pra que as pessoas entendam do que se trata. Ah, isso vai!
– ...
– Por exemplo, o Pedro, no Azenha, no blog Vi o Mundo, disse: “Ela criticou somente o nome? Porque não vi nenhum argumento contra o programa em si”. Houve um que escreveu: “Durante a campanha ela já falava ‘Rede Cegonha’. Portanto, o nome não foi invenção de alguém do Ministério sem consultá-la (João Sérgio). Até separei os comentários que li sobre o assunto, tanto no Azenha, quanto no Saúde com Dilma...
– Aaaaaaaah, e foi? Pois leia aí Estela! Vamos apreciá-los juntos.
– ...
– Tudo, não! Só os mais representativos... Quer dizer, que confirmam a sua hipótese de que muita gente não está entendendo direito que esse tal de Programa Rede Cegonha enterra ou faz sombra à  Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher”...


Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, “investiremos em toda a rede de serviços que devem assumir o cuidado à gestante e à criança, desde o pré-natal até os dois anos: começa pela unidade básica de saúde, passa pelos exames do pré-natal, pelo transporte seguro, até o parto nos leitos maternos do SUS “. Estimativas apontam que o Brasil tem cerca de três milhões de gestantes no momento, sendo que mais de dois milhões são assistidas exclusivamente pelo SUS.


– O Luís Alberto Furtado, aquele contista do Site Lima Coelho que inventou a personagem Dona Luisinha, no Saúde com Dilma, assim se expressou: “Um texto que soube brincar com as coisas sérias de modo a chamar a atenção pros problemas. Parabéns professora Clair. Concordo com tudo que você escreveu. A presidenta Dilma foi enganada pelos seus assessores (leia-se ministro Padilha e seu imediato Helvécio Magalhães), pois nenhum dos dois entende de Saúde da Mulher, pois se entendessem teriam dito: ‘Peraí presidenta, isso tudo de dinheiro é pra ir para a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher' ... E não para ficar inventando retrocesso, como é o caso dessa tal Rede Cegonha. Que vergonha! Ou esse dois senhores sentam suas digníssimas bundas nas cadeiras que ocupam para ouvir e aprender com os movimentos sociais, ou não vão dar conta do recado e levarão a presidenta pro buraco. No caso da Política de Saúde Indígena, o bicho também tá pegando”. (03/04/2011 www.saudecomdilma.com.br/).
“O programa Rede Cegonha é uma resposta pela vida de que a atenção integral à saúde da mulher e da criança é prioridade absoluta no governo da primeira presidente mulher da história do Brasil”, disse o secretário de Atenção à Saúde do Ministério, Helvécio Magalhães, durante coletiva de imprensa realizada neste domingo (27) na capital mineira.
– E olhe que Luís Alberto é danado de inteligente. Um sábio! Um feminista... É casado com uma feminista que entende do assunto e sabe muito bem que nós, feministas, contrapomos ao Programa Rede Cegonha uma política mais ampla e bem elaborada, que já existe, que é a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM), uma política de governo, elaborada no Governo Lula, na qual a mortalidade materna está devidamente contemplada e é uma das áreas, que está sendo efetivada bem. Inclusive o Brasil já recebeu prêmios internacionais por conta do bom andamento da ação. Há o Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal (2005), onde as ações de redução da morte materna e neonatal estão bem desenhadas. É só cumpri-las!
– ...
– Então Estela, o que sobraria para Rede Cegonha? A parte de Assistência Social. Em outras palavras: o apoio às gestantes ditas “carentes” (odeio essa palavra!). Isto é, a parte estritamente de atenção à saúde da gestante, parto, puerpério e quetais já existe no PNAISM e estão detalhadas no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal (2005). E agora, vão jogá-lo fora? Não creio! É maluquice elevada à enésima potência! É deixar com a cegonha a parte de assistência social. Não mais! É, pelo menos pra aproveitar aquele monte de obra de arte doada por Romero Britto. É isso! Não mais! Minto...


– Como mente?
– Minto por estar sendo rasteira, com preguiça de pensar. Mas, deixando a preguiça de lado, vou ser franca. A Rede Cegonha como dizem ser a expressão do sentimento da presidenta de cuidar adequadamente das mulheres que vão ter filhos deveria ter sido pensada como parte de uma política de cuidados. É isso! Seria um programa social de cuidados de grávidas e puéperas, dentro das ações de saúde. Mas como “Quem não sabe assar, queima”... O Ministério da Saúde queimou o sentimento de cuidado da presidenta! Falta de expediente, mesmo!
"Um país deve ser medido pela atenção que dá as mães e às crianças". Presidenta Dilma Rousseff
Apresentador: A senhora está indo hoje a Belo Horizonte, lançar o programa Rede Cegonha, mais uma novidade dirigida às mulheres. A senhora já falou do Rede Cegonha aqui rapidamente, mas gostaríamos de saber mais, pode ser?
Presidenta: Pode sim, Luciano. Você sabe que uma das grandes preocupações do meu governo é assistência à mulher e ao bebê. Um país só pode ser medido pela atenção que dá às suas mães e às crianças. O Rede Cegonha é um programa que vai dar atendimento à mulher do início da gravidez até o segundo ano de vida do bebê. Vamos agir bem cedo, sabe por quê? Porque o futuro de uma criança começa muito antes do nascimento dela, começa na qualidade de vida da mãe, nas condições da gravidez e nas condições do parto. Vamos investir R$ 9 bilhões até 2014 para garantir um atendimento integral.
REDE CEGONHA DARÁ ATENDIMENTO À MULHER DA GRAVIDEZ ATÉ O SEGUNDO ANO DO BEBÊ


– ...
– Um passo além do que era a antiga LBA (Legião Brasileira de Assistência). Lembrando que em saúde “uma política de cuidados exige um novo contrato social e ético a ser celebrado entre governo X profissionais de saúde X instituições de saúde, fundado no respeito ao ser humano, na alteridade e no entendimento de que assegurar qualidade de vida possui um valor moral e um sentido político”.
– Eu também vejo assim. Mas agora ficou mais cristalino que é preciso fazer um escarcéu! Mas vamos a outro comentário: “Professora Clair, a benção! Eu estava muito incomodada com o silêncio das feministas diante dos descasos do Ministério da Saúde para com a Saúde da Mulher, jogando no lixo uma proposta de Política Nacional de Atenção à Saúde Integral da Mulher. Pois sim jogou no lixo. E aparece com Rede Cegonha como se saúde da mulher fosse apenas gravidez e parto e dentro de um olhar antigo: mulher e filho. Pensando bem, esses meninos que estão dando as cartas no Ministério da Saúde são leigos em saúde integral da mulher ou finíssimos bajuladores – quiseram agradar a presidenta que na campanha eleitoral foi mal assessorada de um tanto que a única proposta pra saúde da mulher foi essa tal de Rede Cegonha que, como vemos, ludibriaram a presidenta e ela, leiga, caiu no canto da cegonha. E o ministro da saúde, idem.” (Terezinha Sanches).

– ...
– E há outro excelente comentário de Terezinha Sanches, respondendo ao João Sérgio, que já li bem no começo, que dizia que a Rede Cegonha havia sido falada por Dilma num programa de TV, durante a campanha eleitoral: “Aquilo era uma bobagem da ignorância de quem assessorava a ministra. Ou seja, falar em Rede Cegonha em detrimento de uma política elogiada no mundo inteiro. Engabelaram a candidata e agora a presidenta! Sobre o assunto a Dra. Fátima Oliveira, que entende de saúde da mulher como gente grande, e está nessa luta desde que eu a conheço há mais de vinte anos, escreveu no artigo: “Algumas ausências que foram paradigmáticas no debate eleitoral” (...) (Terezinha Sanches).
– ...
“Ah, a professora Clair Castilho disse bem: a RELAÇÃO DAS CEGONHAS COM OS RECÉM-NASCIDOS NÃO PASSA DE LENDA!!! Eis o conto e o canto da cegonha. Mas pra frente é que se anda. Espero que a presidenta Dilma dê uma puxada de orelha nesses meninos dela que estão no Ministério da Saúde para que aprendam e respeitem a luta feminista brasileira, que vê a saúde da mulher na REAL, sem cegonha... Ôche, nunca vi cegonha no Brasil mesmo... Tudo embromação. (Terezinha Sanches).

As cegonhas (Ciconia spp.) são aves migrantes da família Ciconiidae. As cegonhas têm cerca de 1 metro de altura e 3 kg de peso. O seu habitat é variado e a alimentação inclui pequenos vertebrados. São animais migratórios e monogâmicos. As cegonhas não têm faringe e por isso não emitem sons vocais, emitem sons batendo com os bicos, atividade a que se dá o nome de gloterar.



As cores vibrantes do artista plástico pernambucano Romero Britto vão ilustrar o novo programa do Ministério da Saúde, o Rede Cegonha, que será lançado nesta segunda-feira (28/3), pela presidenta Dilma Rousseff, em Belo Horizonte (MG). Britto doou peças originais que serão a logomarca do plano que amplia a atenção à saúde da mulher, com foco no planejamento familiar, na gravidez, no parto e pós-parto, assim como o cuidado até o segundo ano de vida da criança.
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, apresentou a ideia do modelo de atendimento para o artista, em março, durante uma agenda de Pernambuco. Entusiasmado pela assistência à mãe e ao bebê, Britto se prontificou a doar imagens para ilustrar o plano. “Considerando a importância da melhoria da qualidade da atenção à saúde da mulher e da criança, doei uma série de 10 quadros, de acrílicos sobre tela, produzidos por mim”, explicou o artista, que é considerado um ícone da cultura pop moderna. Os quadros estão avaliados em US$ 800 mil.
Romero Britto doa imagens para ilustrar Rede Cegonha

– ...
– E a Caetana postou a nota que saiu no Estadão, tanto no Azenha quanto no Saúde com Dilma: "Movimento de mulheres critica programa para gestantes lançado por Dilma"
– Dindinha, qual o dia da Semana Santa que a senhora vai fazer o “Bacalhau à espanhola”?
– Ora Estela, no de sempre, na Sexta-feira da Paixão, esqueceu? Increduincruz, só pensa em comer!
– Quêquisso Dindinha, assim a senhora me ofende... Perguntei por perguntar, só pra mudar de assunto. Ah, dá pra mandar pro meu email a receita do “Bacalhau à espanhola”?
– Pucardiquê Estela? Desde quando tu não passas a Semana Santa na Matinha de Dona Lô? Vais inventar moda de ficar em tua casa e cozinhar nos Dias Grandes, é?
– Nããããão e não, Dindinha! Imagina! É que uma amiga minha, que já passou uma Semana Santa aí comigo e mora no Espírito Santo, pediu a receita...
– Aaaaaaaaaah, bem!

Chapada do Arapari, 07 de abril de 2011
 

Maria, Maria
Milton Nascimento

Maria, Maria
É um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece
Viver e amar
Como outra qualquer
Do planeta

Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que rí
Quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida....

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria...

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida....

Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Hei! Hei! Hei! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!...

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria...

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho, sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida

Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Hei! Hei! Hei! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê!...

Bacalhau à espanhola de panela
(receita de Fátima Oliveira)

Ingredientes:  
2 kg de bacalhau do Porto
½ kg de pimentão vermelho
½ kg de pimentão verde
½ kg de pimentão amarelo
1 kg de tomate maduro
1 kg de cenoura
1 kg de batata
1 kg de cebola
250 g de azeitona verde
250 g de alcaparra
1 cabeça de alho de tamanho médio
1 maço de salsa ou coentro (escolher a gosto)
1 maço de cebolinha verde
1 folha de louro
Pimenta do reino moída (a gosto)
Azeite de oliva (a gosto, em média entre 300 a 500 ml) 1 limão
**
Modo de fazer:
1. Deixe o bacalhau de molho de 12 a 24 horas em numa vasilha com cerca de 5 litros de água fria;
. Escorra a água do bacalhau a cada duas horas (em média);
. Após 24 horas escorra o bacalhau e retire as peles e as espinhas;
. Enxugue os pedaços de bacalhau;
. Corte o bacalhau em postas do tamanho e da espessura que desejar;
. Esprema um limão nas postas de bacalhau; passe a pasta de alho (sem sal!), feita com a cabeça de alho; e salpique pimenta do reino moída a gosto (reserve por meia hora).
2. Corte em rodelas os pimentões, as cenouras, as batatas, os tomates e as cebolas (reserve).
3. Pique a cebolinha e a salsinha ou o coentro (reserve).
4. Deixe as azeitonas e as alcaparras de molho em um litro água fria por cerca de meia hora (para retirar o gosto de conserva!).
5. Numa panela grande, preferencialmente de barro ou de ferro, comece a montagem do prato:
5.1. Desepeje um pouco de azeite de oliva na panela e espalhe por ela toda;
5.2. Distribua as verduras em camadas: cebola; tomate; batata; cenoura e pimentões;
5.3. Cubra as verduras com uma camada de bacalhau;
5.4. Despeje azeite de oliva a gosto;
5.4. Salpique as azeitonas, as alcaparras, a cebolinha e a salsinha (ou coentro);
5.5. Faça outra camada de cebola; tomate; batata; cenoura e pimentões;
5.6. Cubra as verduras com mais uma camada de bacalhau;
5.7. Despeje azeite de oliva a gosto;
5.8. Salpique as azeitonas, as alcaparras, a cebolinha e a salsinha (ou coentro);
5.9. Finalize com outra camada de cebola; tomate; batata; cenoura e pimentões...
5.10. Coloque a folha de louro!
6. Tampe bem a panela e leve ao fogo baixíssimo durante 60 minutos;
7. Depois de 60 minutos de fogo baixíssimo, cozinhar em fogo médio por mais 60 a 90 minutos!
**

Observações:
1. Dependendo do tamanho da panela os ingredientes são suficientes para duas ou mais camadas de bacalhau e de verduras; e
2. Finalize com uma camada de verduras! Azeite de oliva a gosto.
Lembretes:
1. Não mexer com colher! Apenas dê “sacudidelas” a cada 15 m para que o sabor se misture por igual e nada grude no fundo da panela!
2. Não colocar água! O bacalhau e as verduras cozinham na água que vai soltando do bacalhau e das verduras!
Sirva com arroz de alho ou à la grega
***
*,**,*** Fotos de La Belle Cuisine 

27 comentários:

  1. Nem encontro as palavras para dizer o que sinto, além de ter a alma lavada depois de ler mais um episódio da coerente Dona Lô! Parabéns Fátima Oliveira

    ResponderExcluir
  2. Salete Mota Moreira7 de abril de 2011 13:05

    Dona LôÔÔô..... ESTOU CONTEMPLADA! EITA SERTANEJA VELHA QUE NÃO NEGA FOGO!

    ResponderExcluir
  3. Jandira Magalhães7 de abril de 2011 14:49

    Não pude conter as lágrimas. E também a revolta. Quem diria que num governo do PT estaríamos num sufoco desses? É uma absurdo sem tamanho.
    Fátima Oliveira, mais uma evz dando uma contribuição decisiva

    ResponderExcluir
  4. A VISITA DA PRESIDENTE
    Publicado no Jornal OTEMPO em 29/03/2

    A primeira visita da presidente Dilma Rousseff a Belo Horizonte depois que assumiu a Presidência da República não passou despercebida a uma grande parte da população. A presidente chegou atrasada e sua passagem paralisou o trânsito, fazendo muita gente andar a pé para não perder seus compromissos.

    A presidente veio lançar um programa nacional de valorização da mulher chamado Rede Cegonha. Por ele, será garantida assistência integral a grávidas e seus filhos. O objetivo é reduzir a mortalidade materna, sobretudo no Norte e Nordeste. Hoje, no país, 60 mães morrem a cada 100 mil crianças nascidas vivas.

    O governo vai investir R$ 9,1 bilhões nesse programa até 2014. Estados e municípios serão parceiros do Ministério da Saúde. Na ocasião, a presidente anunciou uma "parceria histórica" com Minas Gerais. O Rede Cegonha seria um primeiro passo? Por que não o lançou numa cidade do Norte ou Nordeste?

    A visita enseja muitas leituras, alimentadas desde quando a presidente anunciou que montaria um escritório em Minas. A presidente é mineira de Belo Horizonte. Em 2014, se for candidata à reeleição, o ex-governador e atual senador Aécio Neves, tido como candidato potencial a presidente, poderá ser seu competidor.

    O secretário de Ação Básica em Saúde, Helvécio Magalhães, diz que o lançamento do programa em Belo Horizonte é coincidência. Coincidência ou não, ele também se revelou gerente aqui. Na comitiva da presidente, veio também o ministro e ex-prefeito Fernando Pimentel, que quer ser governador do Estado.

    De resto, o programa é auspicioso. Afinal, algo será feito em favor da gestante e do seu filho. Até antes da eleição, a candidata era a favor da legalização do aborto. O debate eleitoral a fez mudar de posição. O Rede Cegonha confirma essa mudança ao deslocar o foco para a assistência à maternidade e ao recém-nascido.

    SINAL DE QUE A QUESTÃO DO ABORTO, ASSUNTO QUE TAMBÉM INTERESSA ÀS MULHERES, CONTINUARÁ A SER POSTERGADA.

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=167070,OTE&busca=%22Helv%E9cio%20Magalh%E3es%22&pagina=1

    ResponderExcluir
  5. Soraia Ferreira Andrade7 de abril de 2011 16:05

    A benção, Dona Lô!

    ResponderExcluir
  6. Essas feministas todas deveriam tomar uma dose de Emulsão de Scottt todo santo dia para eliminar o cérebro .
    Não foi a autora desse texto, Fátima Oliveira quem escreveu o texto aseguir? Pois agora aguente o neófito.

    20 de dezembro de 2010 às 20:54
    Dra. Fátima Oliveira celebra Padilha na Saúde
    por dra. Fátima Oliveira, especial para o Viomundo

    Tenho uma enorme confiança em nossa presidente eleita, e diplomada, uai!, Dilma Rousseff. Também acho que Dilma deve ter liberdade de escolher quem bem lhe aprouver para seu ministério. Pero, também acho que cabe à sociedade civil fazer a disputa ideológica nos cargos mais importantes do governo quando o que temos a indicar faz toda a diferença.

    É o caso do Ministério da Saúde. Alexandre Padilha, que eu sequer conheço pessoalmente, e só recentemente soube que era médico, era um dos indicados do Blog Saúde com Dilma e apoiado pelo Movimento da Reforma Sanitária, credenciais mais do que suficientes, do meu ponto de vista, para que eu celebre a confirmação do seu nome na Saúde .

    Combatemos o bom combate. Foi uma vitória política o Ministério da Saúde estar nas mãos de quem se dispõe ao diálogo franco com tanta gente que há anos peleja na saúde, construindo o SUS.

    ******

    IPIUUUUUUUUUUUUUUUURRA!!! Dilma confirma Alexandre Padilha na Saúde + Luíza Bairros na Seppir!!!

    http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/dra-fatima-oliveira-celebra-padilha-na-saude.html

    ResponderExcluir
  7. Messias de Freitas7 de abril de 2011 18:37

    Dra. Fátima Oliveira, eu sou um apaixonado de Dona Lô, que posso dizer acabei de conhecê-la e só hoje à tarde li três episódios. É uma baita personagem. Também fiquei impressionadíssimo com a sua ideia de criar a personagem em deferência à presidenta Dilma. O seu fazer literário aqui no Tá lubrinando – escritos da Chapada do Arapari é o fazer política com literatura, o que é uma ideia que merece aplausos.
    Meu comentário será complementado por um comentário que fiz à entrevista da secretária-executiva da Rede Feminista no Vi o Mundo, na qual a doutora é citada também (Rede Feminista de Saúde alerta: A Rede Cegonha é retrocesso de 30 anos, da brilhante jornalista Conceição Lemes)
    Vou reproduzir o meu comentário que é uma resposta a outro coemntário porque nele emiti uma opinião que é igualzinha à de Dona Lô, quando ela diz:
    “– Então Estela, o que sobraria para Rede Cegonha? A parte de Assistência Social. Em outras palavras: o apoio às gestantes ditas “carentes” (odeio essa palavra!). Isto é, a parte estritamente de atenção à saúde da gestante, parto, puerpério e quetais já existe no PNAISM e estão detalhadas no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal (2005).”

    MEU COMENTÁRIO NO VI O MUNDO:

    Messias de Freitas • 2 horas atrás
    Cecília Porto o que pegou, não duvido nem um pouco, foi a falta de informação, o desconhecimento da maioria dos comentaristas da políticas existentes sobre saúde da mulher no governo Lula. Aliás eu acho que nem o ministro Padilha domina bem a área, nem os ecretário executivo do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães, que passou uma vida sendo secretátio de saúde de Belo Horizonte e não foi dos melhores.
    Em minha modesta opinião ambos deveriam ter informado à presidenta que o Programa Rede Cegonha deveria ser um programa de assistência social complementar ao Pacto nacional contra a morte materna e neonatal. E aí sim, trabalhar a promessa de campanha da presidenta, Rede Cegonha, um sonho louvável, DENTRO do que já havia nas políticas de saúde para as mulheres e para as crianças.

    Cecília Porto • 5 horas atrás
    Não consegui entender o que pegou, se foi a cegonha, se questões de gênero, se a presença do bispo. Mas a crítica da moça entrevistada não tem pé nem cabeça.

    http://www.viomundo.com.br/entrevistas/rede-feminista-de-saude-rede-cegonha-e-um-retrocesso-de-30-anos-nas-politicas-de-genero-saude-da-mulher-direitos-reprodutivos-e-sexuais.html

    ResponderExcluir
  8. Escrevi ontem no post As práticas zooterapêuticas são fonte de saúde e felicidade :


    Há duas semanas seguidas que Fátima Oliveira fala sobre bichos. Escreveu sobre vaquejada. Agora sobre zooterapia. Mas ainda não se posicionou sobre a Rede Cegonha. Aguardo. Já sei que vem chumbo grosso por ai.
    Pra saber é só ir no blogue do Azenha...

    Rede Feminista de Saúde alerta: A Rede Cegonha é retrocesso de 30 anos
    por Conceição Lemes

    http://www.viomundo.com.br/entrevistas/rede-feminista-de-saude-rede-cegonha-e-um-retrocesso-de-30-anos-nas-politicas-de-genero-saude-da-mulher-direitos-reprodutivos-e-sexuais.html

    QUERO VER É COMO DONA LÔ VAI PULAR ESSA FOGUEIRA...
    5 de abril de 2011 23:58
    .............

    Pois hoje escrevo para dizer que Dona Lô né brinquedo, não! Pulou a fogueira mesmo e não se queimou!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Dona Lô, obrigada pelas aulas. Aprendi muita coisa com suas danações e raivas.

    ResponderExcluir
  10. Eita que Dona Lô foi fundo. Mulher de opinião, tá aqui!

    ResponderExcluir
  11. Acunhou, viu mulher? Gostei demais

    ResponderExcluir
  12. Salete Mota Moreira9 de abril de 2011 11:32

    Fááááááátima do ceú, mulher como tem gente analfabeta funcional nessa internet! Passei a manhã inteira fuçando na internet e escrevi um monte de comentários em outros sites sobre este episódio de Dona Lô porque muita gente não entende quase nada de saúde da mulher e dana a falar água. Um horror!

    ResponderExcluir
  13. Mulher, o episódio é nota dez! Sensacional

    ResponderExcluir
  14. DONA LÔ no TWITTER

    Realtime results for http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/fatima-oliveira-dilma-a-rede-cegonha-e-os-dilemas-de-dona-lo.html

    beattrice_: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô | Viomundo - O que você não vê na mídia http://t.co/KugD0M0 via @viomundo

    about 17 hours ago via Tweet Button maria_fro: Repensar a rede cegonha. Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô |http://t.co/4r1IhVU via @viomundo

    about 20 hours ago via Tweet Button LOZahar: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/ekGm1r >>Luiz Carlos Azenha

    1 day ago via twitterfeed Dilmanews_siga: #POLITICA: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô: Ela está com a Telia N... http://bit.ly/dTVrKF #Dilma #Brasil

    1 day ago via twitterfeed florencio1: RT
    @LulaNews_: #Brasil13 Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/gFfrHu #Brasil13 http://ff.im/-AFH1V

    1 day ago via FriendFeed florencio1: RT @LulaNews_: #Brasil13 Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/gFfrHu #Brasil13

    1 day ago via twitterfeed thf_mktpolitic: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/gFfrHu

    1 day ago via twitterfeed celsohl: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô: Ela está com a Telia Negrão, da Rede Feminista d... http://bit.ly/gFfrHu
    1 day ago via twitterfeed sjodiel_indica: #sjodiel Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/eEDDFX

    1 day ago via twitterfeed sjodiel: Fátima Oliveira: Dilma, a Rede Cegonha e os dilemas de Dona Lô http://bit.ly/icVxjn
    1 day ago via twitterfeed

    ResponderExcluir
  15. Oi, Fátima, sei que estou atrasada. Passei no Blog do Azenha. O Douglas da Mata, possível preposto do Padilha, esteve lá batendo boca. E bateu muita boca! O cabra é tão nó cego que, mesmo concordando com ele em pontos básicos do tema e do comentário, ele pede questão de ordem para retrucar!!!
    Como sou do tipo Dona Lô, que não deixa barato, das duas uma: ou mando o cara procurar o que fazer, ou mudo de assunto. E olha, ele não é burro! Nada disso! Articula bem, diga-se! Daí não entender as razões da implicância com pessoas que estão na batalha há décadas, como se ele, apenas ele, detivesse as linhas mestras que deveriam nortear os planos e programas de saúde da mulher, dos ZERO aos cem anos! O assunto é complexo? É! Vai haver desdobramentos? Vai! Então, por ora, só me resta dizer: Vai pra casa, Padilha!
    Leila Maria

    ResponderExcluir
  16. Bárbara Heliodora Gomes Lins10 de abril de 2011 11:12

    Dona Lô desentalou meu grito da garganta. Sem cabimento esse negócio de voltar aos tempos da dita saúde materno-infantil, coisa que nunca existiu.

    ResponderExcluir
  17. Estou com dificuldade de apoiar a fala de Dona Lô porque acho que a presidenta está pensando mesmo em ajudar as mulheres carentes. Mas também vejo que saúde da mulher não é apenas na gravidez e no parto.

    ResponderExcluir
  18. Percebo a confusão como um baita constrangimento causado pelo Ministério da Saúde.
    Dos dilemas de Dona Lô brota uma saída honrosa, que é “Mas, deixando a preguiça de lado, vou ser franca. A Rede Cegonha como dizem ser a expressão do sentimento da presidenta de cuidar adequadamente das mulheres que vão ter filhos deveria ter sido pensada como parte de uma política de cuidados. É isso! Seria um programa social de cuidados de grávidas e puéperas, dentro das ações de saúde. Mas como “Quem não sabe assar, queima”… O Ministério da Saúde queimou o sentimento de cuidado da presidenta! Falta de expediente, mesmo!
    Cabe ao staf do Ministério da Saúde ter a humildade de admitir que não sabe tudo e nem é obrigado a saber, mas que tem o tino de aprender, e admitir publicamente que o Rede Cegonha é uma ação social NOVA coabitando no seio do Pacto nacional contra a morte materna e neonatal, que por sua vez é uma ação de saúde do Programa nacional de atenção integral à saúde da mulher, da Área Técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde! Revogando também a coisa sem rumo feita pelo Ministro Temporão que, legislando em favor de sua instituição de origem que, no apagar das luzes de sua gestão, na mais absoluta surdina, fez uma Portaria DOANDO a coordenação da área técnica de saúde da mulher para a Fiocruz! Não entendi ainda por que o ministro Padilha não revogou essa coisa.
    /////
    Coemntário que fiz hoje no Blog Saúde com Dilma
    Dani, 10/04/2011 às 12:01 PM
    http://www.saudecomdilma.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Só posso dizer que me encontrei nas falas de Dona Lô. Literariamente bonito e politicamente na mosca

    ResponderExcluir
  20. Os dilemas de Dona Lô são os mesmos meus. Fico chocada com essa besteirada do Ministério da Saúde, a de não ter tido o menor traquejo para resolver e viabilizar um desejo da presidenta sem criar problemas. Para mim é um problemão voltar a misturar saúde da mulher e da criança. Coisa mais antiga!

    ResponderExcluir
  21. Francisco Almeida11 de abril de 2011 19:36

    Não fui convencido pelos argumentos de Dona lô de que o Programa Rede Cegonha tem problemas. Eu acho é que essas feministas especialistas em saúde da mulher são umas puristas e que gostam é de aparecer.
    Quanto ao conto, é muito bom e a personagem Dona Lô é muito simpática.

    ResponderExcluir
  22. Vera Soares Sales12 de abril de 2011 10:27

    Uma tempestade em copo d´água. A presidenta está certíssima!!!!

    ResponderExcluir
  23. Vera, pois eu discordo de você. O Rede Cegonha não deve ser um saco sem fundo. Deve ter seus obsjetos bem claros e sem pegar ações de outras políticas que estão sendo bem desenvolvidas.

    ResponderExcluir
  24. Estou acompanhando os debates. O Ministério da Saúde foi mal. Miou

    ResponderExcluir
  25. Dona Lõ tá injuriada e eu também.Vão procurar o que fazer e mandar essa cegonha para o quinto dos inferno..eitá quanta falta de senso!
    Oxe, quero mesmo é saborear o bacalhau á espamnhola de Dona Lõ, vou perder tempo com cegonha, num sou besta.

    ResponderExcluir
  26. Maria do Amparo Baptista24 de abril de 2011 16:18

    Totalmente de acordo com Dona Lô

    ResponderExcluir
  27. É muito denso, profundo e, sobretudo, fiel à realidade

    ResponderExcluir