Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A ocupação da Seppir por Luíza Bairros significa um novo tempo?

Luiza Bairros

A carta de alforria em benefício do povo negro brasileiro
Fátima Oliveira
Médica - fatimaoliveira@ig.com.br


Leio a indicação da socióloga Luíza Bairros como a carta de alforria da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).


Luíza Bairros não precisou do meu apoio para ser indicada ministra do governo Dilma Rousseff. Nem eu esperava que precisasse. Entendo como prerrogativa presidencial escolher livremente quem ocupa qualquer cadeira de seu ministério, pois ser ministra(o) é cargo de confiança da chefia do Executivo.


Aliás, eu não me dou nenhum milímetro a mais de importância, além da condição de cidadã. E está de bom tamanho. Logo, não me arvoro de querer ser a régua de qualquer escolha do primeiro ou do último escalão da Presidência da República. Todavia, na condição e a partir do meu olhar de cidadã, exerço o direito de externar a minha opinião, inclusive sobre a composição ministerial. Numa boa!


Quem credenciou Luíza Bairros para ocupar a Seppir foi a sua ilibada história de vida, sua dedicação descomunal à luta feminista e antirracista, desde que eu a conheço, nem sei de quando, mas faz tempo... A Seppir está em boas mãos. A notícia é alívio e alvíssaras. Parabenizo a presidente pelo acertado tino da escolha de uma ministra da categoria moral, técnica e política de Luíza Bairros. Ao escolhê-la, Dilma Rousseff fez um gol de placa. Se há um "ministério da Dilma" que será ocupado (e o termo é "ocupação"...) por quem entende do riscado de sua pasta é a Seppir... Ela e Dilma Rousseff são parecidíssimas: firmes como rochas e dotadas da inquebrantável têmpera do bambu.


Se o passado de alguém é parâmetro para especular sobre o futuro, antevejo novos tempos para a Seppir, sobretudo o cumprimento do seu papel original. E nunca mais o vergonhoso e repugnante amontoado de caixinhas de interesses de algumas forças políticas que atuam no varejo e desordenamente; cada uma mandando em sua semana; os deuses e o diabo tomando conta do resto; e servindo de chacota na Esplanada dos Ministérios - não só por racismo em seu sentido lato, mas também pela escassa habilidade técnica e política de grande parte de ocupantes de cargos de DAS não desprezíveis!


A minha expectativa é que o tempo Seppir-gueto-latifúndio está morto e sepultado! E Luíza Bairros sabe perfeitamente do que falo. Se eu a conheço bem, assistiremos a uma refundação da Seppir. Como negra liberta e altiva, de tutano nas pernas e cabelo na venta, dará tchau caso não tenha apoio presidencial irrestrito para mandar em seu pedaço - da escolha de pessoas confiáveis para o provimento dos cargos a não emprestar o prestígio do seu nome para acobertar quem não dá conta do recado, pois a sua reputação não foi escrita nas dunas. Está dada a largada da corrida pelas disputas de cargos na Seppir por quem acha que só perdeu os anéis e quer conservar os dedos. E ela será bruta, sem dó e sem senso de limites. Segura, Luíza!


Das montanhas de Minas, penso que chegou a hora de a Seppir fazer política: mandar convalescer em casa quem teve os dedos decepados e montar uma equipe de excelência para tornar a Seppir um espaço, no Executivo federal, de poder de prestígio que lê a realidade sob a perspectiva antirracista; elabora e propõe políticas de combate ao racismo para os demais ministérios, ao mesmo tempo em que monitora as ações da alçada de cada um. Se o governo Dilma pensa assim, indicou a pessoa talhada para tanto.


Luíza Bairros tem o perfil de quem pode concretizar a carta de alforria da Seppir em benefício do povo negro brasileiro.



Publicado no Jornal OTEMPO em 14.12.2010
FONTE: www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=13722

Leia + comentários em:


Blog da Cidinha
http://cidinhadasilva.blogspot.com/
Combate ao racismo ambiental
http://racismoambiental.net.br/2010/12/a-ocupacao-da-seppir-por-luiza-bairros-significa-um-novo-tempo/
Correio Nagô
http://correionago.ning.com/profiles/blogs/a-ocupacao-da-seppir-por-luiza
Geledés
www.geledes.org.br/fatima-oliveira/a-ocupacao-da-seppir-por-luiza-bairros-significa-um-novo-tempo-14/12/2010.html
Maria Frô
http://mariafro.com.br/wordpress/?p=22263
Site Lima Coelho
www.limacoelho.jor.br/vitrine/ler.php?id=4549
Universidade Livre Feminista
www.feminismo.org.br/livre/index.php?option=com_content&view=article&id=2791:a-ocupacao-da-seppir-por-luiza-bairros-significa-um-novo-tempo&catid=104:politica-geral&Itemid=489
VERMELHO
www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=3688&id_coluna=20
VI O MUNDO
www.viomundo.com.br/voce-escreve/fatima-oliveira-a-ocupacao-da-seppir-por-luiza-bairros.html

24 comentários:

  1. Crônica perfeita! Uma alegria só.

    ResponderExcluir
  2. Uma grande e democrática gestão da Seppir é o que espero de Luíza Bairros.
    Quero dizer também que a presidenta Dilma ACERTOU na escolha

    ResponderExcluir
  3. Os tambores de São Luís/MA rufaram com essa indicação, muito axé a Luíza Bairros nessa nova caminhada!

    ResponderExcluir
  4. Email recebido da pastora Maria do Carmo Moreira Lima14 de dezembro de 2010 12:03

    Data: Tue, 14 Dec 2010 05:12:27 -0800 [11:12:27 BRST]
    De: "Maria do Carmo Moreira Lima"
    Para:
    Assunto: Ocupação da Seppir por Luíza Bairros significa um novo tempo? Fátima Oliveira (O TEMPO,14.12.2010)

    Tão querida Drª Fátima,
    paz com justiça e dignidade!!!
    Com o mais profundo do meu ser me emociono com esta escolha da Presidenta e com suas palavras!
    Sou Revdª, isto é, pastora ordenada pela Ig Metodista, e desde 1993 acompanho pastoralmente a adolescentes privados de liberdade (e seu entorno, entendendo que é um Sistema) no Estado do RJ (mesmo sendo mineira do interior!! Caminhos do/da Sagrado/a!!).

    Realmente precisávamos desta "Carta de Alforria"! Que a Seppir seja um braço do Estado Brasileiro que acolha esta população negra sofrida, ainda abandonada e deixada à sua própria sorte. Fala do lugar que ocupo, não o da instituição Igreja, mas do contato/cuidado com estes jovens privados de liberdade, que vulneráveis utilizam seu potencial de criatividade, beleza, etc. na direção equivocada.
    Que esta "alforria" nos ajude a construir Redes Sociais que permitam a cidadania destes jovens, destas famílias.
    Obrigada por sua coerência (acompanho suas intervenções no grupo...). Obrigada por sua existência!
    Um super feliz ano todo em 2011!

    ResponderExcluir
  5. O BICHO JÁ PEGOU!
    Comentário que fiz no Site Afropress, em resposta a um comentário do Sr. Alexandre:
    PALAVRA DO LEITOR

    Comentário sobre a notícia "Nova ministra foi dirigente do MNU".

    Olhe Alexandre, cresça e apareça para discutir política, meu caro! Deixe de ser mesquinho. Todo o dinheiro do Estado brasileiro é para servir ao povo brasileiro. Ou você acha que só serve para os amigos de quem ocupa cargos na Seppir? ERA! Ainda bem que no PCdoB há muita gente séria e com lucidez para dar e vender. Leu o artigo da Dra. Fátima Oliveira de hoje em O TEMPO? Pois deveria. Dentre outras coisas ela diz com todas as letras: "A minha expectativa é que o tempo Seppir-gueto-latifúndio está morto e sepultado! E Luíza Bairros sabe perfeitamente do que falo. Se eu a conheço bem, assistiremos a uma refundação da Seppir. Como negra liberta e altiva, de tutano nas pernas e cabelo na venta, dará tchau caso não tenha apoio presidencial irrestrito para mandar em seu pedaço - da escolha de pessoas confiáveis para o provimento dos cargos a não emprestar o prestígio do seu nome para acobertar quem não dá conta do recado, pois a sua reputação não foi escrita nas dunas. Está dada a largada da corrida pelas disputas de cargos na Seppir por quem acha que só perdeu os anéis e quer conservar os dedos. E ela será bruta, sem dó e sem senso de limites. Segura, Luíza!" (...) "A ocupação da Seppir por Luíza Bairros significa um novo tempo?" FONTE: www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=13722 Publicado no Jornal OTEMPO em 14.12.2010

    De: Mariana Rodrigues
    Email: mariana.rodrigues1950@bol.com.br


    www.afropress.com/palavraDoLeitorLer.asp?id=2506

    O INFELIZ COMENTÁRIO DO Sr. ALEXANDRE:
    Comentário sobre a notícia "Nova ministra foi dirigente do MNU".

    E o MNU vai fazer congresso extraordinário com dinheiro da SEPPIR? Que tanta critica.

    De: Alexandre Braga
    Email: bragafilosofia@yahoo.com.br

    www.afropress.com/palavraDoLeitorLer.asp?id=2505

    ResponderExcluir
  6. Não pertenço a nenhum movimento, mas conheço Luíza Bairos e muito já ouvi falar da sua seriedade e competência. Como diria a Dona Lô: a mulher sabe o que faz, não tem nada de boba e nem de teleguiada. Adorei a frase que diz que Luíza Bairros e Dilma Rousseff podduem a dureza da rocha e a inquebrantável têmpera do bambu, o que já diz tudo, pois a flexibilidade do bambu é a responsável pela sua firmeza.

    ResponderExcluir
  7. Só emoção! E parabéns para nossa presidenta que hoje é o seu aniversário

    ResponderExcluir
  8. Ótimo Drª Fátima, não faço parte institucionalmente de do movimento negro, sou uma negra em movimento, militante na vida, nas atitudes, na profissão de educadora. Que muito tem a dedicar toda esta luta. Luiza, conheci em Salvador, sua militancia e como Gestora da SEPROMI. "APROVADA", com todas letras maisculas, como disse, não por nós e sim pela sua ilibada reputação. Creio que novos tempos teremos ou pelo menos novos caminhos a seguir e lutarmos.

    ResponderExcluir
  9. Fátima Oliveira, babeeeeeeeeeeeeeeei.
    E VIVA LUÍZA BAIRROS! E PARABÉNS PRA DILMA ROUSSEFF EN SEUS 63 ANOS DE PURA CORAGEM!!!!

    ResponderExcluir
  10. Maria das Graças Dourado14 de dezembro de 2010 19:55

    Fátima Oliveira, um encanto essa citação da inquebrantável têmpera do Bambu que vc diz que Luíza Bairros e Dilma Roussef possuem.
    Há um vídeo ótimo sobre o assunto. Quem quiser ver, acesse:
    SABEDORIA MILENAR COM A METÁFORA DAS LIÇÕES DO BAMBU CHINÊS
    www.esoterikha.com/coaching-pnl/video-com-metaforas-motivacionais-bambu-chines.php

    BAMBU CHINÊS


    Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada, absolutamente nada, por 4 anos – exceto o lento desabrochar de um diminuto broto, a partir do bulbo.

    Durante 4 anos, todo o crescimento é subterrâneo, numa maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra.

    Mas então, no quinto ano, o bambu chinês cresce, até atingir 24 metros".

    Covey escreveu: "Muitas coisas na vida (pessoal e profissional) são iguais ao bambu chinês."

    Você trabalha, investe tempo e esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento, e as vezes não se vê nada por semanas, meses ou mesmo anos. Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando e nutrindo, o "quinto ano" chegará e o crescimento e a mudança que se processam o deixarão espantado.

    O bambu chinês mostra que não podemos desistir fácil das coisas... Em nossos trabalhos, especialmente projetos que envolvem mudanças de comportamento, cultura e sensibilização para ações novas, devemos nos lembrar do bambu chinês para não desistirmos fácil frente às dificuldades que surgem e que são muitas...
    2007/05/14 enviada por WebMaster

    Autoria de Autor Desconhecido

    ResponderExcluir
  11. Sou apenas um negro interessado em que a vida dos negros mude e seja cada vez mais cidadã. Nunca fui a nenhuma reunião que tratasse de assuntos de racismo, mas tenho consciência dele. Sei o que ele é e o que faz conosco.
    É como vivo que desejo para todos os descendentes de escravos do Brasil. O artigo da Dra. Fátima Oliveira é tão cristalino, cheio de vida e de fé que parece que conheço a Dra. Luiza Bairros toda a vida. E passei a confiar nela, pois ela traduz um mundo de esperança no lugar que vai ocupar. Sei que será uma ministra negra e dos negros. Aposto nela.
    Estudando e dando muito duro, desde ser servente de pedreiro, desde criança antes de ser adolescente, consegui estudar e ajudar aos meus irmãos e minha mãe. Pai nunca soube quem é. Saímos de um beco fétido de uma favela, estudamos e dois dos meus quatro irmãos hoje são empresários bem sucedidos a troco de eengraxar sapatos e vender picolé para estudar. Somos famílias bem de vida. Três de nós tem curso superior e um é juiz. Mas comemos o pão que o diabo amassou até aqui. Somos uma família de classe média alta.

    ResponderExcluir
  12. O que mais me anima na indicação de Luiza Bairros, que não vou falar sobre a propriedade, que fátima já disse tudo, é que ela não é da cota do paulistério!

    ResponderExcluir
  13. Desejo a Dra. Luíza Bairros muita paz em sua gestão frente à SEPPIR. Pelo que tenho lido ela tem todas as qualidades para realizar muito do que precisamos

    ResponderExcluir
  14. Estou adorando esse blog com suas personagens maravilhosas. Não sou de movimento negro nenhum, mas acompanho. Gostaria de desejar muita saúde e felicidade a Luiza Bairros, pois sinto por onde leio sobre ela que é merecedora de confiança.
    Pelo que tenho ouvido ela terá muito trabalho pesado pela frente, mas quem disse que uma mulher dessas veio ao mundo a passeio para ter medo de trabalho e se deslumbrar com o charme de Brasília?

    ResponderExcluir
  15. Luíza, estou torcendo por você.
    A turma que se considera dona da Seppir está agindo nos bastidores e mandando ver na mentirada. Mas não há de ser nada. Dilma não é Lula que eles tinham acesso a qualquer hora e mandavam ver.
    A impressão que dá é que não querem a Seppir funcionando como um Ministério, mas como a cozinha da casa deles. Mas embora estejam espermeando, e buscando apoio em meio mundo para permenecerem na Seppir, acho que estão meio sem moral.

    ResponderExcluir
  16. Sem anúncio oficial de Dilma, disputa pela SEPPIR se mantém
    Por: Redação - Fonte: Afropress - 15/12/2010


    Brasília - O convite à socióloga Luiza Bairros para assumir a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) a partir de 1º de janeiro, ainda não foi formalizado pela Presidente eleita Dilma Rousseff e por isso a disputa pelo cargo continua, e a rigor só terminará quando ocorrer o anúncio oficial do nome, conforme tem ocorrido com os demais convidados para o novo Ministério.

    Por essa razão as principais lideranças negras da Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN), ligada ao PT, e da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO), ligada ao PC do B, continuam as articulações em defesa, respectivamente, dos nomes de Janete Pietá e Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho – ambos deputados federais por S. Paulo – e de Olívia Santana, vereadora do PC do B de Salvador, a preferida pelo Partido para assumir a SEPPIR.

    O próprio atual ministro Elói Ferreira de Araújo, que discretamente começou a se articular para permanecer, tem confidenciado a amigos que só se manifestará a respeito do nome escolhido, após o anúncio formal e oficial da Presidente eleita.

    É isso o que explica o fato de que, até agora, nem a própria socióloga Luiza Bairros falou, o mesmo ocorrendo com Elói, Vicentinho, Pietá, Olívia, e o ex-ministro Edson Santos, deputado federal reeleito pelo Rio, que tem evitado qualquer tipo de declaração, até mesmo em “off”.

    ”É provável, mas não é certo...”

    A impressão recolhida de mais de um interlocutor que esteve em Brasília ontem, terça, e nesta quarta-feira (15/12), é de que a confirmação de Luiza Bairros para a SEPPIR, “embora seja provável, ainda não é certa” e precisa ser formalizada pela Presidente, o que ainda não aconteceu.

    Sabe-se que, setores ligados a Secretaria de Combate ao Racismo do PT se reuniram esta semana pelo menos uma vez em Brasília em defesa de outros nomes. Para o PT paulista a ida para a SEPPIR, tanto de Vicentinho quanto de Pietá, serviria para abrir espaço à volta do deputado José Genoíno, um dos réus do processo do mensalão e 1º suplente da bancada petista, preservando-lhe a imunidade parlamentar.

    Também lideranças da UNEGRO e do PC do B se movimentam nos bastidores. Tem sido utilizado nas conversas e nessas reuniões, o papel do deputado federal Luiz Alberto, do PT da Bahia (foto), a quem Bairros é politicamente ligada e a quem substituiu à frente da Secretaria de Promoção da Igualdade da Bahia (SEPROMI), que se posicionou frontalmente contra o Estatuto da Igualdade Racial – Lei 12.228/2010 – cuja aprovação é considerada pelo Governo uma das marcas da “Era Lula”.

    Luiz Alberto chegou a escrever artigo dizendo ser o Estatuto defendido pela SEPPIR “um acordo contra a população negra”.

    ResponderExcluir
  17. Continuação:
    Sem anúncio oficial de Dilma, disputa pela SEPPIR se mantém
    Por: Redação - Fonte: Afropress - 15/12/2010

    Discrição

    Uma coisa, segundo mais de um analista ouvido por Afropress é certa: a Presidente eleita ainda não formalizou o convite a nova ministra e só quando o fizer a indicação será irreversível. A própria Luiza tem mantido extrema cautela e mantido com absoluta discrição os seus movimentos – inclusive, quando veio à S. Paulo para reuniões de trabalho, segundo sua assessoria.

    Nenhuma das lideranças do PT de S. Paulo consultadas soube onde e com quem esteve, nem muito menos a pauta das reuniões das quais participou no fim de semana.

    Também não é verdadeira, segundo analistas, a informação de que o convite teria sido apenas um “balão de ensaio”, surgido no âmbito da equipe de transição. Luiza teria de fato, se reunido na semana que passou com a Presidente, e daí surgiu a informação de que teria sido convidada pela própria à integrar o Ministério, informação que não foi até o momento oficializada.

    A impressão que transparece das conversas mantidas por Afropress – com exceção de lideranças da Bahia, que já dão como certa a nomeação - pode ser resumida numa frase dita por um interlocutor muito bem situado tanto na SEPPIR quanto na Esplanada: “pode ser, é até provável que seja mesmo, mas ainda não é”.

    É baseado nesse "ainda não é" que os grupos mantém os seus respectivos nomes em frenéticas articulações e reuniões de bastidores até que a Presidente eleita Dilma Rousseff, “bata o martelo”, o que deverá acontecer até o final desta semana.

    ResponderExcluir
  18. Uma bela notícia. Parabéns Luíza

    ResponderExcluir
  19. É isso aí: Segura Luíza!

    ResponderExcluir
  20. Fátima, parabenizo a nossa Presidente pela inteligente escolha. Provavelmente o Seppier será bem administrado por Luíza Bairros, Como você bem diz no seu texto:" Luíza tem o perfil de quem pode concretizar a carta de alforria da Seppir em benéficio do povo negro brasileiro!.

    ResponderExcluir
  21. Prezada Luíza Bairros, estou na mior torcida aguradando aflita a sua confirmação e que lá em seu ministério você seja muito feliz

    ResponderExcluir
  22. João Francisco Pereira Neres18 de dezembro de 2010 14:59

    Não conheço a professora doutora Luíza Bairros, mas confio nas opiniões da Dra. Fátima Oliveira, seguramente uma das articulistas mais respeitadas de Minas Gerais. Vai que é tua Luíza Bairros!

    ResponderExcluir
  23. Força a quem tem força para realizar independente das intempéries!
    Que tal incluir em seu blog a opção de receber suas atualizações por email?!
    ABBÇos carinhosos
    MarGGa Duval

    ResponderExcluir
  24. E AGORA JOSÈ?????!
    ....
    Nome de Luiza Bairros é confirmado por Dilma para a SEPPIR
    Fonte: Afropress - 21/12/2010

    Brasília - A Presidente eleita Dilma Rousseff formalizou a escolha da socióloga gaúcha radicada na Bahia, Luiza Helena Bairros para a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), pondo fim a especulações e a uma briga interna acirrada entre correntes de negros do PT e do PC do B, desde que o nome foi inicialmente cogitado.
    Com a indicação de Bairros, Dilma completa a cota de negros na Esplanada, reduzida de três ministros e uma secretaria com status de Ministério no início do primeiro Governo Lula, em 2003, para um ministro e duas secretarias – Orlando Silva, nos Esportes, e Ideli Salvati, na Pesca.
    Em 2003, logo após a criação da SEPPIR em março, entre os 34 ministérios na época – três eram ocupados por negros: Gilberto Gil, na Cultura, Marina Silva, no Meio Ambiente, e Orlando Silva, nos Esportes, além da SEPPIR para onde foi nomeada Matilde Ribeiro.
    Levando em conta ministérios e secretarias com status de, a participação de negros no Governo foi reduzida de 8% sob o primeiro Governo Lula, para pouco mais de 2% agora. No caso das Secretarias – que apesar de ter status de Ministério – dispõe de orçamentos reduzidos - de pouco mais de 2% para cerca de 5%.
    Disputa
    A disputa interna em torno da SEPPIR que passou por reuniões e articulações frenéticas envolvendo lideranças da Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN), corrente de negros ligados ao PT, e a UNEGRO (União de Negros pela Igualdade), corrente ligada ao PC do B, foi encerrada com uma Nota sucinta da Assessoria de Imprensa da Presidente: “"A presidenta eleita da República, Dilma Rousseff, convidou para sua equipe a atriz, cantora e compositora Ana de Hollanda, para o Ministério da Cultura; a economista Tereza Campello para a pasta do Desenvolvimento Social e a socióloga Luiza Helena de Bairros para a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial”.

    Até a divulgação da Nota, foram muitas as especulações e as resistências. A socióloga, atual Secretaria da Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), da Bahia, e que assume a SEPPIR com o aval do governador Jacques Wagner, embora ligada ao PT, foi dirigente nacional do Movimento Negro Unificado – de onde saiu por volta de 1.994 – e pertence ainda ao grupo político do deputado federal Luiz Alberto (PT/BA), o único parlamentar que se opôs abertamente contra o Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.228/2010), saudado pelo Governo como uma das conquistadas deixadas por Lula para a população negra brasileira.
    A ascenção de Bairros a SEPPIR rompe – pelo menos em tese – com a tradição mantida na Secretaria desde que foi criada, em março de 2003: ficar sob o controle de correntes organizadas de negros do PT e do PC do B – nas gestões da própria Matilde, do deputado federal do Rio, Edson Santos, e do atual ministro – que substitui Santos, desde abril – Elói Ferreira de Araújo.

    ResponderExcluir