Visualizações de página do mês passado

domingo, 26 de dezembro de 2010

O trancelim da Burrinha do meu amo do Reisado pra Dilma Rousseff


Casamento de Rafael Covolo e Paula Araújo Rousseff, filha da então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff e Carlos Araújo (Porto Alegre, 18.04.2008)
   Fátima Oliveira



“A burrinha do meu amo
Come tudo que lhe dão
Só não come carne fresca
Sexta-feira da paixão”.

Burrinha do meu amo
 – Ô Gracinha, Tudo bem por aí, minha rosa? Como foi o café dos reiseiros? E o almoço de Natal? Quero saber tudinho, tim-tim por tim-tim... Depois que contar, chame Estela, está bem?
– Quer saber primeiramente o quê?
– Como foi ontem à noite o encerramento da Novena de Natal de Dona Celestina... Fiquei com pena de não estar aí. Acho as novenas dela muito bonitas, sempre. É noveneira das boas, especial. Já está velhinha, tem de ensinar para outras mulheres essas novenas!



– Ah, essa bem aí não sei contar tanto, não. Cheguei já quase no finzinho da novena. Mas terminou todo mundo satisfeito que só pinto no lixo, então “devera” de ter sido boa. Mas Dona Lô, a senhora perdeu a burrinha do meu amo, “tava” uma coisa de bonita, senhora. Só vendo!
– Ah, e foi? Pucardiquê “tava” essa lindeza toda?
– Sabia que a burrinha do meu amo esse ano foi Cesinha?
– Não diga Gracinha! Como eu não fiquei sabendo? Ah, moleque astucioso! É um cagado de sorte. Conseguir entrar pro Reisado de Seu Zé Preto não é pra qualquer, não!



– Pucardiquê ele não sabia que a senhora estaria de viagem e queria lhe fazer uma surpresa, mulher! O “bichim” ficou foi triste quando soube que a senhora não estaria presente. “Tadim” dele Dona Lô! O "bichim" ficou pra lá de “brocoxô”, “tronchinho” “mermo”, mulher!
–...
– O quê mais Gracinha?

[DSCN1114.JPG]

– O reisado teve de tudo, desde as cantorias bonitas e penosas:
“Ô de casa, ô de fora
Ô de casa, ô de fora...”
Aposto que num tem reiseiro mais competente do que Seu Zé Preto. Tudo dele é bonito demais, “inté” os caretas, que ô bichos que acho medonhos! Tá sabendo que Seu Zé Preto dedicou a tiração de reis desse ano para nossa presidenta Dilma Rousseff? Pois foi! Viiiiiiiiiiiiiiiixe Maria, “os povo” "tão " tudinho doidinho por Dilma. Coisa de impressionar!


– É, da toada que vai, Dilma não vai virar só rainha não, vai virar é santa mesmo no imaginário popular! Ahahahahahhahaha...
– Ah, antes da mesa de café – ora café. Café é modo de dizer – claro que teve a mesona de café com bolo de tudo quanto foi tipo, uns bolos cacetes da “mió” espécie – guardei uns pra vosmicê – suco também, à folote. E o banquete da madrugada dos reiseiros, o de costume: galinha ao molho pardo com arroz e salada que, como de costume, ninguém comeu. Sobrou todinha. E olhe que fiz pouca! Eles avançam mesmo é na galinha com arroz – viiiiiiiiiiiixe que povo que come, minha mãe santíssima! Parece que "tão" na Seca de XV!
– Por isso que quando termina a tiração de reis os cabras estão gordos que é uma beleza, parecendo porco no chiqueiro de tão gordos, pois daqui até o dia 6 de janeiro são treze dias só de comilança no amanhecer do dia, né não? Nem sei como aguentam tanta farra. Dançam a noite toda, comem que nem sultões e dormem o dia todo!
– E aí, tem mais Gracinha?
– Ah, tem novidade: fui sorteada para ir pra posse de Dilma. Tô toda inchada e explodindo de felicidade.
– Hem-hem, que beleza, minha filha! E como foi esse sorteio?
– Ao bem da verdade, não foi sorteio. Coisa de astúcia de Memélia, que ali de “lesa” num tem nada. Garantiram a senhora, Mãe Zefinha e eu. Aí então, cada casa, são quarenta, da criação de porco e de galinha escolheu sua representante.
– Então ocuparam 43 vagas. Se são 45 lugares no ônibus, sobraram dois. E então, o que vão fazer com as que sobraram?
– Vão dar de presente pra duas meninas que vão fazer 15 anos. Lelena de Cotinha que completa 15 anos dia 30 de dezembro; e Gorete, de Dona Sassá, que o aniversário é no dia 1º. de janeiro. Ideia delas lá. Ficou bom, não ficou?
– Oh, se ficou! Mais alguma novidade boa?
– O almoço de Natal foi tudo na ordem! Do “mermo” jeitim de como sempre foi. Muita gente, muita comida. Todo mundo alegre e satisfeito. Nenhum bêbado. Sobrou comida. Guardei o seu quarto de leitoa e uma coxa do peru na geladeira. "Tão" aqui lhe esperando. Chega que dia?
– Amanhã, Gracinha. Até à hora do almoço estarei em casa. Pode preparar meu pedaço de leitoa e de peru que vou comê-los amanhã no almoço. Certo?
– E Dona Lô, já descobriu a cor do vestido de Dilma?
– Fala da roupa da posse? “Pucardiquê” quer saber?
– Ah, eu quero vestir um vestido da mesma cor, oxente! Vou é nos trinques, toda chique, feito gente e não “malamanhada”, num é Dona Lô? Dilma merece!



– Ahahahahahaha... “Paridinha” por Dilma também, né? “Arriada” até os quatros pneus!
– Passe pra Estela, por favor. Até amanhã Gracinha! Dê um beijo em Cesinha.
Estela que estava ao lado de Gracinha rindo, ao atender Dona Lô, sapecou: “A ‘bença’ Dindinha! Eita danação de par de jarro, hein Dindinha? Todo mundo aqui só quer saber da cor do vestido de Dilma. Dizem que vão vestir uma roupa da mesma cor. Li que a estilista gaúcha Luísa Stadtlander, que fez a roupa dela pro casamento da filha e do dia da diplomação, está fazendo a roupa que Dilma vai usar na posse e que a cor é pérola. Sabia?
–...

– Hem-hem, Cesinha ficou uma burrinha do meu amo divina! E dançou o trancelim como gente grande! Pena a senhora não ter visto. Só hoje entendi que trancelim é a dança da burrinha do meu amo. E olhe que nasci vendo reisado. Todo ano vejo. A senhora sabe por que só homem brinca reisado? Até hoje tenho medo dos caretas do reisado, sabia?
–...
– Queria ter visto? Pois vai ver: Pedro gravou todo o trancelim da burrinha do meu amo. Na há o que pague ter visto Cesinha de burrinha do meu amo! É impagável! Coisa boa, né Dindinha ele estar estudando e se ligar nessas coisas da cultura popular, né mesmo? Não desgrudar das origens. Ah, Gracinha lhe contou do “saracotico” que aquela remelenta da serrista da Dona Nem fez? Foi um espetáculo Dindinha! Cesinha viu e vai lhe contar “direitim”.

Folia de Reis, de origem portuguesa: no Brasil a comemoração está ligada ao Natal. Foto: Rosane Volpatto

 

Chapada do Arapari, 26 de dezembro de 2010

Veja as roupas escolhidas por Dilma, da época de ministra aos eventos da Transição

http://exame.abril.com.br/economia/politica/album-de-fotos/as-roupas-escolhidas-por-dilma
 
[DSCN1106.JPG]O Reisado foi introduzido no Brasil-Colônia pelos portugueses no século XIX. É um espetáculo popular das festas de Natal e Reis, cuja ribalta é a praça pública, a rua, mas as vezes pode ser apresentado em residências.
Folia de Reis, ou Reisado, ou ainda Terno-de reis, constitui um dos mais originais folguedos folclóricos. É uma folia conhecida em Em todos os estados do Nordeste do Brasil, mais Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Guanabara. No interior, é uma dança do período natalino em comemoração ao nascimento do Menino Jesus e em homenagem aos Reis Magos: Gaspar, Melchior e Baltazar, que levaram ouro, incenso e mira, que representam as três dimensões de Cristo (realeza, divindade e humanidade).
Esta festa tem sua origem primária na Festa do Sol Invencível, comemorada pelos romanos e depois adotada pelos egípcios. A festa romana era comemorada em 25 de dezembro (calendário gregoriano) e a egípcia em 6 de janeiro. No século III, ficou estabelecido que dia 25 de dezembro se festejaria o nascimento de Cristo e 6 de janeiro, dia dos Reis.
A característica principal do reisado está no uso de muitos adereços, trajes com cores quentes e chapéus ricamente enfeitados com fitas coloridas e espelhinhos.

FONTE: http://sites.google.com/site/taxilunar2/reisado

[DSCN1161.JPG]

BOLO CACETE

Ingredientes:
1 litro de polvilho
1/2 litro de óleo quente
1/2 dúzia de ovos
Sal a gosto
Erva doce, a gosto

Modo de fazer:
Escalde o polvilho com óleo quente.
Misture bem e acrescente o sal, os ovos e amasse. Molde com as mãos em formato de cacetinhos.
Leve ao forno quente.
Bolo cacete

16 comentários:

  1. Valei-me meu São José de Ribamar! Tudo lindo, mas esse bolo cacete está de dar água na boca meu Deusisnho do céu! Eu acho que vou pra Brasília pra posse de Dilma na Comitiva de Dona Lô

    ResponderExcluir
  2. Élida Pacheco Rocha26 de dezembro de 2010 13:47

    Parabéns pela ideia do bloue. Os episódios são muito criativos e a leitura deles uma delícia

    ResponderExcluir
  3. Nazdrave! (saúde!) Fátima Oliveira e Dilma Rousseff!

    ResponderExcluir
  4. Maria Aparecida Damasceno26 de dezembro de 2010 14:45

    DANÇA DO TRANCELIM

    A coreografia da dança da burrinha é uma das mais belas do reisado. Uma vez trazida ao centro, três dos caboclos a recebem dos pastorinhos e de imediato, sobre o comando do mestre, iniciam a dança do trancelim. O trancelim é uma dança em que a burrinha e os dois caboclos se alternam indo e voltando de um lado a outro do recinto, ela em pé e eles um pouco agachados, na velocidade e na sétima música, passando um pelo outro, bem pertinho (vide fotos e vídeo). É aplaudido e ao mesmo tempo provoca risos da platéia, que muitas vezes participa também cantando. Pela intensidade do ritmo e da dança, os caboclos, os homens acima de 80 anos, demoram pouco tempo na dança, saindo do cenário cobertos de suor. É impressionante a resistência e a capacidade deles no reisado como um todo e neste ato em particular.

    ABURRINHA NA FESTA DOS PAPANGUS DE CAPISTRANO*
    PROF. ARTUR
    http://professorartur.blogspot.com/2009/05/aburrinha-na-festa-dos-papangus-de.html

    ResponderExcluir
  5. DILMA VESTE BRANCO
    Foi o tailleur escolhido por ela
    Olívia Meireles
    oliviameireles.df@dabr.com.br
    Edição de domingo, 26 de dezembro de 2010

    A presidente eleita não recorreu a um consultor de estilo para definir a roupa do dia da posse

    A posse de Dilma Rousseff trouxe um novo debate à política brasileira: qual roupa a presidente eleita vai usar no dia primeiro? Muito se especula sobre o designer, a cor e o estilo. Dilma, entretanto, já encomendou o modelo. A bordo do Rolls Royce presidencial, a nova presidente do Brasil vai usar um tailleur branco off-white, uma variação da cor que a faz ter uma tonalidade de algo guardado. A peça foi escolhida pela própria Dilma, sem ajuda de um consultor de estilo. Ela optou pelo modelo exclusivo desenhado pela estilista gaúcha Luísa Standlander. O cabelo e a maquiagem serão feitos por Celso Kamura, responsável pela mudança do visual de Dilma no início da campanha.

    Na diplomação, o polêmico traje foi da estilista gaúcha que fará a roupa da posse.
    O modelo já está quase pronto e faltam apenas ajustes finais. Ontem, depois de desembarcar no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (RS), a presidente eleita foi direto para o ateliê da estilista, que fica no bairro Moinhos de Vento. No local, fez a prova do vestido e foi atendida com exclusividade pela costureira.

    Não é a primeira vez que Luísa Standlander cria uma roupa para a presidente eleita. Ela desenhou, em abril de 2008, o vestido que Dilma usou no casamento da filha, Paula, assim como o vestido da noiva. O polêmico tailleur que ela colocou na diplomação, ocorrida na semana passada, também tem a assinatura de Luísa. A estilista, que só costura sob medida, é conhecida em Porto Alegre por fazer vestidos de noiva e de festa. A clientela do ateliê inclui boa parte da alta sociedade da capital gaúcha. A família de Luísa ainda é dona da Office Collection, uma empresa gaúcha que fabrica uniformes para recepcionistas, garçons e empregadas domésticas. Ela é quem desenha as coleções.

    A cor do tailleur foi uma surpresa para quem acompanha o estilo da presidente eleita. As apostas eram que ela aparecesse com alguma peça vermelha, simbolizando a cor do PT. ´A nova presidente tem que ter em mente que agora ela é uma figura pública e tudo que ela veste passa uma mensagem`, analisa a consultora de modae professora da faculdade Santa Marcelina, Andréia Miron. Uma roupa vermelha, por exemplo, poderia sugerir uma segregação: agradar apenas aqueles que votaram nela. Cores neutras poderiam significar uma abertura maior ao diálogo e cumprir da promessa que ela fez no seu discurso de vitória: ´Governar para todos os brasileiros`.

    O nome de Luísa também foi surpreendente, acreditava-se que ela optaria por um designer conhecido. Como a primeira-dama Marisa Letícia que usou, na segunda posse de Lula, um vestido amarelo de Walter Rodrigues. Quanto aos sapatos não deve haver outra surpresa. Dilma provavelmente vai escolher algum modelo da nova coleção de alto-verão da sapataria brasiliense Agiafatto. Desde que se mudou para Brasília, ela é cliente fiel da marca. O pedido ainda não foi feito, mas a vendedora Auriente, que atende os pedidos da presidente, tem certeza de que a ligação vai chegar.

    http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/12/26/politica4_0.asp

    ResponderExcluir
  6. COM QUE ROUPA DILMA VAI À POSSE?
    Especialistas dizem que a faixa presidencial verde e amarela combinada com o vermelho do PT daria uma sensação de árvore de Natal
    Cacau Araújo, de EXAME.com

    Para especialistas, Dilma não deve usar vermelho na posse
    Brasília - A posse da presidente eleita Dilma Rousseff no dia 1º de janeiro tem gerado especulações acerca de um tema que antes não causava tantas expectativas: o figurino da futura presidente para receber a faixa presidencial.
    No hall de apostas, a cor pérola lidera entre a possível cor escolhida pela futura presidente. Para as personal stylists Cristina Zanetti e Fernanda Resende, da Oficina de Estilo, a escolha seria acertada. “Uma cor clara ajudaria a deixá-la mais feminina e a suavizar a ‘cara de brava’. Pérola cairia bem, pois é uma cor intensa. Já tons muito apagados poderiam deixá-la caricata. Além disso, é uma cor que ficaria bem com a faixa presidencial, o ‘acessório’ principal”, explica Fernanda.

    Para Fernanda e Cristina, tons escuros como preto ou azul-marinho fariam o look perder suavidade e feminilidade, e a cor símbolo do PT, o vermelho, não seria adequado. “Usar uma roupa vermelha com a faixa presidencial (que é verde e amarela) seria um risco de cair em uma combinação com cara de árvore de Natal.”

    Na dúvida entre um tailleur (conjunto de saia e paletó), um terno, que foi praticamente uniforme de Dilma na campanha, e um vestido, as personal stylists apostariam na terceira opção. “O mais comum seria ela usar um tailleur, que é equivalente ao terno pra mulher, mas ela daria um passo à frente se escolhesse um vestido”, especula Fernanda.

    Para as consultoras, um vestido é uma peça mais feminina, que carrega mais “brasilidade”, além de passar a ideia de praticidade. “É uma peça única, do tipo ‘colocou, está pronta’, além disso, o paletó passa uma imagem mais fechada, como um colete de proteção, dando a impressão de afastá-la do povo”, analisam as duas.

    http://exame.abril.com.br/economia/politica/noticias/com-que-roupa-dilma-vai-a-posse

    ResponderExcluir
  7. Daniela Vieira Bacelar26 de dezembro de 2010 17:47

    Gente, qanta animação para celebrar Dilma Rousseff!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Carlos Pereira Neves26 de dezembro de 2010 18:01

    26 de dezembro de 2010 às 14:39
    Marcos Coimbra: O Ministério Dilma
    por 26/12/2010

    por Marcos Coimbra*, no Correio Braziliense

    Por mais que a esperemos, é sempre surpreendente a má vontade de nossa “grande imprensa” para com o governo Dilma. No modo como os principais jornais de São Paulo e do Rio têm discutido o ministério, vê-se, com clareza, seu tamanho.

    A explicação para isso pode ser o ainda mal digerido desapontamento com o resultado da eleição, quando, mais uma vez, o eleitor mostrou que a cobertura da mídia tradicional tem pouco impacto nas suas decisões de voto. Ou, talvez, a frustração de constatar quão elevadas são as expectativas populares em relação ao próximo governo, contrariando os prognósticos das redações.

    As críticas ao ministério que foi anunciado na última semana estavam prontas, qualquer que fosse sua composição política, regional ou administrativa. Se Dilma chamasse vários colaboradores do atual governo, revelaria sua “submissão” a Lula, se fossem poucos, sua “traição”. Se houvesse muita gente de São Paulo, a “paulistização”, se não, que “dava o troco” ao estado, por ter perdido a eleição por lá. Se convidasse integrantes das diversas tendências que existem dentro do PT, que se curvava às lutas internas, se não, que alimentava os conflitos entre elas. E por aí vai.

    Para qualquer lado que andasse, Dilma “decepcionaria” quem não gosta dela, não achou bom que ela vencesse e não queria a continuidade do governo Lula. Ou seja, desagradaria aqueles que não compartilham os sentimentos da grande maioria do país, que torce por ela, está satisfeita com o resultado da eleição e quer a continuidade.

    Na contabilidade matematicamente perfeita da “taxa de continuísmo” do ministério, um jornal carioca foi rigoroso: exatos 43,2% dos novos integrantes do primeiro escalão ocuparam cargos no governo Lula (o que será que quer dizer 0,2% de um ministro?). E daí? Isso é pouco? Muito? O que haveria de indesejável, em si, em uma taxa de 43,2%?

    Note-se que, desses 16 ministros, apenas oito tinham esse status, sendo os restantes pessoas que ascenderam do segundo para o primeiro escalão. A rigor, marcariam um continuísmo menos extremado (se é isso que se cobra da presidente). Refazendo as contas: somente 21,6% dos ministros teriam a “cara de Lula”. O que, ao contrário, quer dizer que quase 80% não a têm tão nítida.

    Para uma candidata cuja proposta básica era continuar as políticas e os programas do atual governo, que surpresa (ou desilusão) poderia existir nos tais 43,2%? Se, por exemplo, ela chamasse o dobro de ministros de Lula, seria errado?

    Isso sem levar em consideração que Dilma não era, apenas, a representante abstrata da tese da continuidade, mas uma profissional que passou os últimos oito anos trabalhando com um grupo de pessoas. Imagina-se que tenha desenvolvido, para com muitas, laços de colaboração e amizade. Mantê-las em seus cargos ou promovê-las tem muito a ver com isso.

    No plano regional, a acusação é quanto ao excesso de ministros de São Paulo, nove entre 37, o que justificaria dizer que teremos um “paulistério”, conforme essa mesma imprensa. Se, no entanto, fizéssemos aquela aritmética, veríamos que são 24,3% os ministros paulistas, para um estado que tem 22% da população, se for esse o critério para aferir excessos e faltas de ministros por estados e regiões.

    Em sendo, teríamos, talvez, um peso desproporcionalmente positivo do Rio (com seis ministros nascidos no estado) e negativo de Minas (com apenas um). Há que lembrar, no entanto, que a coligação que elegeu a presidente fez o governador, os dois senadores e a maioria da bancada federal fluminense, o oposto do que aconteceu em Minas. O PMDB saiu alquebrado e o PT ainda mais dividido no estado, com uma única liderança com perspectiva sólida de futuro, o ex-prefeito Fernando Pimentel, que estará no ministério.

    Para os mineiros, um consolo, não pequeno: a presidente Dilma nasceu em Belo Horizonte. Os ministros são poucos, mas a chefe é de Minas Gerais.

    * Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

    ResponderExcluir
  9. 26/12/2010 - 19h34
    Dilma desfilará sozinha em carro aberto no dia da posse
    GABRIELA GUERREIRO
    DE BRASÍLIA

    No desfile em carro aberto no dia de sua posse na Presidência da República, Dilma Rousseff não terá a companhia de nenhum familiar. A presidente eleita comunicou ao cerimonial responsável pela posse que não pretende desfilar no Rolls-Royce presidencial acompanhada da mãe ou da filha. Tradicionalmente, o presidente desfila ao lado da esposa pela Esplanada dos Ministérios. Como Dilma não é casada, a petista preferiu estar sozinha nos minutos que antecedem sua posse no cargo.

    Em outro carro aberto, logo atrás de Dilma, o vice-presidente Michel Temer vai desfilar acompanhado da esposa. Todos ganharam sósias neste domingo, durante o ensaio-geral da posse realizado na Esplanada dos Ministérios.

    O cerimonial vai deixar à disposição dois carros fechados caso haja chuva na capital federal no dia da posse. Da Catedral, Dilma e Temer seguirão em desfile até o Congresso, onde serão oficialmente empossados.

    Em seguida, eles vão para o Palácio do Planalto --onde serão recebidos pelo presidente Lula. O petista vai passar a faixa presidencial no parlatório do Palácio, mas a cerimônia pode ser transferida para o interior do prédio se chover. Além de Lula, Dilma, Temer e as respectivas esposas, a presença do vice-presidente José Alencar é esperada pelo cerimonial --embora ele esteja internado em estado grave no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

    Dilma encerra os eventos da posse no Palácio do Itamaraty, onde será oferecido coquetel aos convidados presentes no evento. Até agora, 12 chefes de Estado já confirmaram presença na posse --a maioria de países da América do Sul. A expectativa do Ministério das Relações Exteriores é que 30 autoridades internacionais estejam presentes na posse, entre elas a Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton.

    No ensaio deste domingo, o imprevisto esteve em torno do Rolls-Royce --que demorou a pegar. Segundo o coronel Carlos José Penteado, do Comando do Planalto, os ensaios vão evitar imprevistos no dia da posse. "Todos os problemas serão levantados para não acontecerem no dia", afirmou.

    ESCOLTA

    No desfile em carro aberto pela Esplanada, Dilma será escoltada por seis mulheres agentes da Polícia Federal. A escolha foi da própria presidente eleita. "Agora temos uma presidente mulher e queremos fazer com que as mulheres estejam mais presentes", disse o coordenador do cerimonial do Itamaraty, Jorge Prata.
    Para evitar acidentes, os cavalos que vão acompanhar o cortejo presidencial ficarão afastados do carro. A expectativa do cerimonial é que 20 mil pessoas acompanhem as festividades.

    Prata sugeriu que Dilma deixe um segundo vestido guardado no Palácio para ser usado no coquetel --já que a petista vai enfrentar uma maratona de eventos antes de chegar ao prédio. "Eu não sei se ela vai seguir minha sugestão, mas é uma ideia", afirmou.

    Cerca de três mil pessoas vão trabalhar nos eventos da posse, entre seguranças, cerimonial e servidores. A PF deslocou 600 agentes para trabalhar no próximo sábado. Serão posicionados atiradores de elite ao longo da Esplanada para garantir a segurança de Dilma e Temer.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/851083-dilma-desfilara-sozinha-em-carro-aberto-no-dia-da-posse.shtml

    ResponderExcluir
  10. Uaaaaaau, grande Fátima Oliveira!!!!

    ResponderExcluir
  11. Lula descerá rampa ao som de 'Tema da Vitória'
    Escolha foi feita pelo regente da banda dos Dragões da Independência; agentes mulheres farão a segurança de Dilma
    26/12/2010 19:36

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva descerá a rampa do Palácio do Planalto pela última vez, ao se despedir do cargo, ao som do "Tema da Vitória", música tradicionalmente associada às vitórias brasileiras na Fórmula 1. Neste domingo, durante o ensaio geral da posse presidencial de Dilma Rousseff, em Brasília, o tema foi testado e aprovado pela banda dos Dragões da Independência, o regimento da guarda presidencial.

    A escolha foi feita pessoalmente pelo 1º tenente Almeida Machado, regente da banda dos Dragões. Ao ser perguntado se essa seria mesmo a música do presidente, o tenente respondeu com outra pergunta: "E tem música mais apropriada?". O ensaio geral realizado hoje envolveu pessoal das Forças Armadas, Polícia Federal (PF), Polícia Militar do Distrito Federal, Itamaraty, Palácio do Planalto e Congresso. Agentes da PF que farão a segurança do cortejo correram ao lado do Rolls Royce presidencial e do Cadillac que será usado pelo vice-presidente Michel Temer.

    Ao lado do carro que servirá Dilma também estavam 10 agentes mulheres da PF que irão fazer sua segurança, a pedido da presidente eleita. Em cima de alguns dos ministérios e em outros pontos, atiradores de elite acompanhavam o cortejo simulado.

    Todas as etapas da posse presidencial foram testadas, inclusive com as versões sol e dia de chuva. Juliana Rebelo, secretária de Relações Públicas do Senado, foi, mais uma vez, a dublê de Dilma, mas desta vez fez o trajeto apenas até o Congresso. A partir de lá, uma servidora do Planalto, Fátima Carmo, a substituiu.

    O dia, que começou com sol forte e teve chuva no final da tarde, permitiu ao cerimonial ter uma ideia de como poderá ser a posse. Houve revista da tropa em frente ao Congresso e também na chapelaria, a entrada que poderá ser usada por Dilma em caso de chuva. Também foi testada a salva de tiros de canhão. Apenas quatro, um por canhão, em vez dos 21 previstos para o dia da posse, mas foi o suficiente para assustar as pessoas que observavam a movimentação na Esplanada dos Ministérios.

    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/lula+descera+rampa+ao+som+de+tema+da+vitoria/n1237896913771.html

    ResponderExcluir
  12. Massa, muito massa. Estou acompanhando avidamente os preparativos da viagem

    ResponderExcluir
  13. Gente, eu quero ir pra Brasília também. Me coloquem seja no bagageiro do ônibus... Imgina ver Lula passar a faixa presidencial pra Dilma e depois desder a rampa para ir embora e os Dragões da Independência tocando o TEMA DA VITÓRIA! Já estou chorando só em pensar

    ResponderExcluir
  14. Achei uma coisa de linda esse episódio, sobretudo por essa figura mágica que vi na infância a Burrinha do meu amo.

    ResponderExcluir
  15. Vixe dona Lô ,finalmente "tu" tá de volta á Chapada. Ó mulher viajada, parece Lula. Olha,pelo que vejo não sobrou lugar no ônibus para que eu vá para a posse de Dilma. Acho que vou pedir emprestado o imponente Taj Mahal de Fátima Oliveira, visse?

    ResponderExcluir
  16. Sandra querida, estou de volta. Você viu que Memélia é "linha dura" e comandou o método da definição de quem iria para Brasília. O ônibus está lotado. Sugiro que arrume uma Comitiva de Mulheres aí em Ouro Branco. Dá tmpo. Nos encontraremos lá na Praça dos Três Poderes, depois do discurso da nossa presidenta

    ResponderExcluir