Visualizações de página do mês passado

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

No Governo Dilma as mulheres estão reclamando de barriga cheia?!


Fátima Oliveira

Estela e Gracinha tomavam uma fresca na calçada enquanto conversavam sobre os festejos de Natal da Chapada do Arapari. Na frente da casa, as meninas brincavam de roda e os meninos de “aventura”, que nada mais era do que brincar de esconde-esconde.
– Lembra Estela como tu gostavas de brincar era com os meninos?
– ...
– Donana sempre que precisava ir lá dentro de casa, recomendava: “Olho em Estela, pucardiquê se descuidar ela larga a roda e vai brincar com os meninos...”
Estela gargalhou que se engasgou. E Pedro, o marido dela, também rindo, falou: “Ah, era Dona Estela? Eu nunca soube disso. Quer dizer que..."
– Nada! Absolutamente nada Pedro. Apenas que eu achava de uma mesmice entediante todo dia brincar de roda, comportadamente. As brincadeiras dos meninos eram mais atraentes. Com uma semana aqui eu não aguentava mais cantar “Terezinha de Jesus”... “O cravo brigou com a rosa”... Mas hoje em dia menino também brinca de roda! Naquele tempo, não!



Arte em feltro e lã cardada natural
http://feltroela.blogspot.com/
 
Nisso chega Cesinha esbaforido...
“Que foi menino, viu ‘visage’, e foi?” Indagou sua mãe Gracinha. Ele calado estava, calado ficou. Pedro insistiu: “Desembucha correio da má notícia, como diz Dona Lô”.
– Nada, não! Vocês sabem a lista todinha das mulheres que vão pra posse de Dilma em Brasília no ônibus de Dona Lô? Sabiam que na hora do sorteio, Dona Nem, a professora, deu uma “sapituca”, que caiu durinha no chão e a saia ficou levantada?
– Hem-hem... Conta mais, conta mais Cesinha...
– Ora mãe, só isso!
– Só isso o quê menino “malino”? Toda vida malinando no que não deve... Quem te mandou ir à casa de Memélia, bem na hora em que as mulheres estavam resolvendo quem vai viajar? Me diiiiiiiiga?!
Estela, que não conseguia segurar o riso, saiu em defesa de Cesinha: “Ô Gracinha, lembra que você pediu pra ele ir lá em Memélia buscar folha de malva-do-reino para fazer o lambedor que Dindinha pediu pra levar na viagem?



– Viiiiiixe, foi mesmo, mulher! Esqueci Mas isso foi cedo da tarde. E só agora à noite esse moleque me aparece... E aí Cesinha, mais alguma lorota?
– Bem, hem-hem. Dona Lô e Mãe Zefinha não entraram pra sorteio nenhum. Quer dizer, as duas estavam com a viagem garantida. Outra garantida, aí completam três, quer dizer, garantidonas, foi “Gracinha, que Dona Lô precisa de um adjutório na viagem. Melhor levar Gracinha que está acostumada com as manias dela”...
– O quê? Disseram assim mesmo Júlio César?
– Foi o que ouvi, viu Estela! Posso ter ouvido errado, né? Mas é certo que Gracinha foi a terceira escolhida...
Pedro, se lavando de rir: “E aí Gracinha, você queria ir? Ganhou a viagem como dama de companhia de Dona Lô. Você né mole não, hein?! E o quê mais Cesinha? Lasca aí o lance de Dona Nem dando “sapituca”?
– Rapaz, foi feio, viu? Até fechei meus olhos... Aquilo é uma maluca. Não suportou ficar de fora. Todas as mulheres disseram que ela se arrependeu tarde demais. Votou em Serra nos dois turnos. Agora, na hora de viajar no bem bom, vem dizer que agora ela é Dilma? Não colou de jeito maneira. A mais danada contra ela foi Mãe Zefinha, que até levantou “ligerim”, “ligeirim” daquela cadeira dela e foi bem “pertim”, quase com o dedo nas ventas, da professora e disse: “Traíra, traíra, traíra! Xô traíra!”
– ...
– Aí entrou a turma do “deixa-disso” puxando Mãe Zefinha e pedindo calma, quando Dona Nem “pá-pum”, caiuuuuuuuuuuuuuu!
– Valei-me! Se fosse uma das mulheres mais velhas daqui, de certeza estaria sem calcinha! Cê sabe né Estela que antigamente, há uns cinquenta anos, as mulheres só vestiam calcinha pra sair... Em casa, não precisava... Continue Cesinha!
– Enfim, resolveram não fazer sorteio. Levantaram quantas casas criavam porcos e galinhas de meia. Deu um total de quarenta. E fizeram o seguinte: cada casa escolheu a mulher representante dela. Aí deu quarenta e três passagens, contando com Mãe Zefinha, Dona Lô e minha mãe Gracinha, que nem sei se vai, se vai querer ir e me deixar aqui sozinho, tantos dias, né?
– “Quêquisso” Júlio César, virou bebê agora, e fooooi?
– Nada, não mãe! É que eu pensei...
– Pois todo penso é torto. Fique frio, porque eu não vou perder essa viagem por nada no mundo, está me ouvindo? Quero ver Dilma receber a faixa presidencial de Lula! 
Nisso toca o celular de Estela, que diz agoniada: “Pááááára aí Cesinha. É Dindinha! Deixe eu falar com ela depois cê continua, tá?”
– “Bença” Dindinha! Tudo bem por aí? Chegamos hoje. Pedro decidiu ser o Papai Noel da meninada e comprou brinquedo para todas as crianças daqui. Ah, sim, pela primeira vez deixou a “canhenguice” de lado e meteu a mão no bolso, sem dó! Sim, até eu fiquei espantada... Pedro, ela está agradecendo.
– Diga que depois quero falar com ela. Preciso saber o que ela achou do ministério de Dilma...

– Hem-hem... Hem-hem. Chegamos cedo. Já conversei com todas as mulheres. Tudo no jeito! As bebidas e a sobremesa por conta da casa. Gracinha já organizou tudo. Faremos aqui dez perus assados no forno e o restante, quer dizer, arroz, farofa e uma salada, todo mundo trás de suas casas, como sempre foi – de acordo com o número de pessoas que vierem de cada casa pro almoço.
– Estela, diga pra ela que Memélia ganhou um cabrito, que vai fazer no “bafo” pra trazer também pro almoço.
– Ouviu o quê Gracinha disse? Está bem! Ótimo, não preciso repetir! As mulheres se dividiram entre si e trarão cinco leitoas, assim de uns dez quilos cada. Acho que dá, não? Se sobrar a gente divide quando terminar o almoço. Sim, teremos mais ou menos cem a cento e vinte pessoas em nosso almoço comunitário de Natal. No ano passado deu cento e cinquenta? Olhe tem comida demais. Dá pra quem chegar. Fique fria... Agora espere que Pedro vai falar...
– E aí Dona Lô, como vai? Pronta pra enfrentar a Belém-Brasília de buzão? Já vi que por Dilma a senhora faz qualquer coisa! E aí, que tal o ministério? Poucas mulheres? “Quêquisso”, Dona Lô? Nove mulheres em trinta e sete, é muita coisa, senhora! E nós, quer dizer o PMDB, ainda perdemos o Ministério da Saúde... Achou foi bom? A senhora conhece o Alexandre Padilha? De onde Dona Lô pra ficar assim toda, toda, hein? Só de ouvir dizer? Ah, deu pra emprenhar pelo ouvido também?



Ana de Hollanda
 – ...
– Poucas? Não gostou? Queria paridade de gênero? Aí não dava, senhora!
– ...
– Ou então queria um ministério só de mulheres? Assim também não, minha linda! Vocês querem é tomar conta de tudo, é? Calma... Muita calma. Saíram ganhando. Veja bem... Tão no lucro... Estão reclamando de barriga cheia! Dilma empurrou muito! Dá quase 30%, na cota de mulheres candidatas, né não? Reclamando por que de negra só tem a Luíza Bairros?

– ...
– Ela, a Luíza Bairros, é a única negra em todo o ministério? Dilma ficou mal na fita com os negros? Acha que Dilma aí meteu o pé no jacá? Poderia ter colocado mais o pé na senzala? Acha mesmo que precisava? Ô Dona Lô, é ministério, não é frente minha amiga, mesmo sendo um governo de coalizão! A culpa é da agenda do racismo oculto? Que diacho é isso, senhora? A senhora né fácil não, viu Dona Lô? É difícil demais lhe agradar, senhora! O seu nível de exigência é alto demais! Dilma está é frita com uma amiga assim que nem você!


Helena Chagas
 

Maria do Rosário
 – ...
– Machista meu PMDB porque não indicou nenhuma mulher pra ministra? Discordo! Só tivemos seis vagas, alías cinco, porque uma não conta. Sim, aquele! A Dilma o escolheu, não foi o partido! O PCdoB também? Mas como, se era só um ministério? Não deixou? O PSB, o PDT, o PR e o PP também são machistas? Você tá demais hoje, viu Dona Lô! Como que o partido que só tem uma vaga e escolheu homem para ocupá-la é machista? Poderia algum deles ter feito o “agá” e escolhido uma mulher? Sei não! (E colocando a mão no fone, disse: “Estela, ela é o cão! Está dizendo partido por partido quem é o ministro escolhido!”).


Luíza Bairros
 – Ah, então a senhora está satisfeita com as mulheres? Entendi! Embora sejam só nove, vão dizer a que vieram e mudar a cara do governo e o jeito de governar? Entendi! Sim, Estela conhece a Luíza Bairros. São colegas de profissão. Ambas são sociólogas. Estelinha tomou o maior porre quando saiu a confirmação da Luíza. A senhora também?! Estela, ela quer saber se você conhece a Iriny Lopes? Nããão? Nunca viu? Ouviu Dona Lô? Ela está dizendo que as Mulheres do PT garantem...
Iriny Lopes

Izabela Teixeira
 – ...
– Então, tá! Vamos conferir: Mulheres do Ministério da Dilma – PT: Miriam Belchior (Planejamento); Ideli Salvatti (Pesca); Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos - SDH); Luiza Bairros (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Seppir); Tereza Campelo (Desenvolvimento Social); e Iriny Lopes (Secretaria de Políticas para as Mulheres - SPM). As sem filiação partidária, são: Helena Chagas (Comunicação Social); Izabella Teixeira (Meio Ambiente); e Ana de Hollanda (Cultura). PMDB, PR, PDT, PP, PCdoB, PSB: nenhuma!


Chapada do Arapari, 23 de dezembro de 2010

Ideli Salvatti
 

Miriam Belchior



Tereza Campelo
Luiza Bairros: "Foi uma surpresa! Ainda temos um caminho longo" http://atarde.com.br/videos/index.jsf?id=5665016

Ministério da Dilma:
PT
1. Guido Mantega (Fazenda)
2. Alozio Mercadante (Ciência e Tecnologia)
3. Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral)
4. José Eduardo Cardozo (Justiça)
5. Antonio Palocci (Casa Civil)
6. Paulo Bernardo (Comunicações)
7. Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio)
8. Miriam Belchior (Planejamento)
9. Ideli Salvatti (Pesca)
10. Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos - SDH Direitos Humanos)
11. Fernando Haddad (Educação)
12. Alexandre Padilha (Saúde)
13. Luiza Bairros (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Seppir)
14. Tereza Campelo (Desenvolvimento Social)
15. Luiz Sérgio (Secretaria de Relações Institucionais)
16. Iriny Lopes (Secretaria de Políticas para as Mulheres - SPM)
17. Afonso Florence (Desenvolvimento Agrário)
PMDB
1. Wagner Rossi (Agricultura)
2. Pedro Novais (Turismo)
3. Garibaldi Alves (Previdência)
4. Edson Lobão (Minas e Energia)
5. Moreira Franco (Secretaria de Assuntos Estratégicos)
6. Nelson Jobim (Defesa) - Cota pessoal
PR
1. Alfredo Nascimento (Transportes)
PDT
1. Carlos Lupi (Trabalho)
PP
1. Mário Negromonte (Cidades)
PCdoB
1. Orlando Silva (Esporte)
PSB
1. Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional)
2. Leônidas Cristiano (Portos)
Sem filiação partidária
1. Alexandre Tombini (Banco Central)
2. Helena Chagas (Comunicação Social)
3. Antonio Patriota (Relações Exteriores)
4. Izabella Teixeira (Meio Ambiente)
5. Ana de Hollanda (Cultura)
6. Luís Inácio Lucena Adams (Advocacia-Geral da União)
7. Jorge Hage (Controladoria-Geral da União)
8. José Elito Carvalho Siqueira (Gabinete da Segurança Institucional).

[roda+Orlando+Teruz.jpg] 

15 comentários:

  1. Maravilha! Adorei. Está tudo bem explicadinho. Mas Dona Lô tem razão, avançou muito o número de mulheres no primeiro escalão, mas ainda somos
    poucas! Poderia ter sido um Ministério paritário...

    ResponderExcluir
  2. Maria Hercília Miranda24 de dezembro de 2010 01:20

    Excelente. Grandiosa dona Lô! Gostei de ver que voc~e não tem papas na língua. Claro que a presidenta foi bem colocando nove ministras, mas poderia ter ido além. Desejo-lhe um governo de grandes conquistas

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvida que arrasou esse post. Dona Lô, minha filha, por onde anda você? Gostei da forma como as mulheres da Chapada doArapari resolveram escolher quem vai pra Brasília.

    ResponderExcluir
  4. Beleza pura. De acordo com os argumentos de Dona Lô

    ResponderExcluir
  5. Dona Lô é muito perspicaz. Achei de muita categoria as ponderações que ela fez sobre a pouca presença de negros no ministério da Dilma. No mais, viva Dilma Rousseff!

    ResponderExcluir
  6. QUEM SÂO OS MINISTRO DE DILMA
    Redação Época

    Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento
    Wagner Rossi – PMDB
    O ex-deputado federal Wagner Rossi assumiu o ministério em março de 2010, sob acusação de lotear cargos técnicos da Companhia Nacional de Abastecimento entre aliados políticos. Ligado ao vice-presidente eleito, Michel Temer, Rossi foi reconduzido ao posto por Dilma.

    Ministério das Cidades
    Mário Negromonte - PP
    Deputado Federal na Bahia por quatro mandatos. Antes, foi do PMDB (1986-1988), do PSDB (1988-2001) e do PPB (2001-2003).

    Ministério da Ciência e Tecnologia
    Alozio Mercadante – PT
    Um dos principais nomes do PT, o senador Aloizio Mercadante deixou de concorrer à reeleição para atender a um pedido do presidente Lula: disputar o governo de São Paulo, Estado onde o PSDB é muito forte.

    Ministério das Comunicações
    Paulo Bernardo - PT
    Amigo pessoal de Dilma Rousseff, Bernardo passou cinco anos no comando do Ministério do Planejamento. Homem de confiança de Dilma, ele assume uma pasta que deve tratar de assuntos sensíveis, como a regulamentação da comunicação eletrônica, o Plano Nacional da Banda Larga e a reestruturação dos Correios.

    Ministério da Cultura
    Ana de Hollanda
    Filha do historiador Sérgio Buarque de Holanda e irmã do compositor e escritor Chico Buarque, a cantora Ana de Hollanda é secretária de Cultura do Município de Osasco (SP) e diretora do Centro de Música da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Dilma queria uma mulher na Cultura.

    Ministério da Defesa
    Nelson Jobim - PMDB
    Jobim é mais um integrante do governo Lula que segue no cargo com Dilma presidente.

    Ministério do Desenvolvimento Agrário
    Afonso Florence - PT
    Florence foi eleito deputado federal pela Bahia depois de deixar a secretaria estadual de Desenvolvimento no governo de Jacques Wagner.

    Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
    Fernando Pimentel - PT
    Pimentel foi o primeiro prefeito de Belo Horizonte eleito no primeiro turno, em 2004. Na capital mineira, teve uma gestão de sucesso e ficou conhecido pela proximidade com Aécio Neves (PSDB), então governador.
    ... Político muito próximo de Dilma, deve ser um dos ministros que desfruta de mais confiança da presidente eleita.

    ResponderExcluir
  7. QUEM SÂO OS MINISTRO DE DILMA
    Redação Época

    Desenvolvimento Social e Combate à Fome
    Tereza Campello - PT
    A economista Tereza Campelo conhece Dilma Rousseff desde os anos 80 e trabalhou com ela na Casa Civil, onde atua hoje em dia como subchefe de Articulação e Monitoramento.

    Ministério da Educação
    Fernando Haddad – PT
    Haddad é um dos ministros mais antigos do governo Lula. Ele assumiu a pasta da Educação em 2005, no lugar de Tarso Genro, que deixara o posto para presidir o PT em meio ao escândalo do mensalão.

    Ministério do Esporte
    Orlando Silva - PC do B
    Assumiu a pasta em 2006, quando Agnelo Queiroz deixou o ministério. Sua permanência no governo Dilma é uma surpresa, pois parecia certo que Dilma escolheria uma mulher do PCdoB para a pasta.

    Ministério da Fazenda
    Guido Mantega - PT
    Guido Mantega era presidente do BNDES quando foi convocado por Lula para assumir a Fazenda em 2006, depois da saída de Palocci da pasta. Mantega teve uma atuação elogiada durante a crise e foi convidado por Dilma para permanecer no cargo diante do momento conturbado que o a economia mundial pode viver em 2011.

    Ministério da Integração Nacional
    Luiz Fernando Bezerra Coelho – PSB
    Atual secretário de Desenvolvimento Econômico do governo de Pernambuco, Bezerra Coelho chega ao ministério com o aval do governador Eduardo Campos (PSB Formado em administração, Bezerra Coelho já foi eleito prefeito de Petrolina (PE) três vezes.

    Ministério da Justiça
    José Eduardo Cardozo - PT
    Eleito deputado federal por São Paulo em 2002 e 2006, Cardozo desistiu de concorrer à reeleição em 2010 alegando estar saturado da “promiscuidade do sistema eleitoral”.

    Ministério do Meio Ambiente
    Izabella Teixeira
    Bióloga, Izabella Teixeira é funcionária de carreira do Ibama desde 1984.

    Ministério de Minas e Energia
    Edison Lobão – PMDB
    Edison Lobão (MA) assumiu a pasta em janeiro de 2008, na condição de indicado pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Reeleito para o Senado em 2010, Lobão conseguiu ser reconduzido ao posto no governo Dilma.

    Ministério da Pesca e Aquicultura
    Ideli Salvatti - PT
    A senadora Ideli Salvatti foi a candidata do PT ao governo de Santa Catarina, mas não teve sucesso nas eleições. Integrante da chamada “tropa de choque” do governo nos mandatos de Lula, ela foi premiada com uma vaga no ministério de Dilma.

    Ministério do Planejamento
    Miriam Belchior - PT
    Integrante da equipe de transição de Lula em 2002, Miriam atuou como assessora do presidente até 2004, quando recebeu convite de José Dirceu para atuar na Casa Civil. Com Dilma presidente, seguirá comandando o programa, que passará para o âmbito do Planejamento.

    ResponderExcluir
  8. QUEM SÂO OS MINISTRO DE DILMA
    Redação Época

    Ministério da Previdência Social
    Garibaldi Alves Filho – PMDB
    Depois de ser convidado por Dilma, Garibaldi Alves não conseguiu esconder sua frustração com a pasta, que “não é muito” do seu “agrado”. Ainda assim, ele disse estar pronto para o “desafio”.

    Ministério das Relações Exteriores
    Antônio Patriota
    Atualmente secretário-geral do Itamaraty, Patriota é um homem próximo do atual ministro, Celso Amorim, mas sua promoção pode significar uma leve mudança de rumos na política exterior do país. Dilma já mostrou, por exemplo, que deve ter uma postura diferente diante do Irã. Patriota foi embaixador nos Estados Unidos e pode melhorar o diálogo com Washington.

    Ministério da Saúde
    Alexandre Padilha - PT
    Desde janeiro de 2007, Padilha atua como ministro das Relações Institucionais de Lula. Formado em Medicina, ele foi um dos primeiros ministeriáveis cujo nome surgiu nas conversas sobre a pasta da Saúde, mas sua indicação dependia da escolha de seu substituto.

    Ministério do Trabalho e Emprego
    Carlos Lupi – PDT
    Lupi entrou no governo Lula em 2007, para preencher a cota do PDT no ministério. Em 2008, atendendo recomendação da Comissão de Ética Pública, se licenciou da presidência do partido.

    Ministério dos Transportes
    Alfredo Nascimento - PR
    Ex-prefeito de Manaus e ex-governador do Amazonas, Alfredo Nascimento foi ministro dos Transportes no governo Lula, mas deixou o cargo para disputar novamente o governo estadual, eleição na qual foi derrotado. Agora foi reconduzido ao cargo, na cota do PR no governo.
    Ministério dos Transportes.

    Ministério do Turismo
    Pedro Novais – PMDB
    O deputado Pedro Novais (MA) é um antigo membro do chamado “baixo clero” da Câmara, formado por deputados de pouca expressão. Ligado a José Sarney (PMDB-AP), é mais um que faz parte da “cota” do presidente do Senado no governo Dilma.

    Advocacia-Geral da União
    Luís Inácio Lucena Adams
    Funcionário concursado da Procuradoria Nacional da Fazenda, Adams teve cargos no Ministério do Planejamento e em 2009 foi nomeado chefe da AGU em substituição a José Antonio Dias Toffoli. Foi cogitado para uma vaga no Supremo Tribunal Federal, mas permanecerá na AGU com Dilma.

    Banco Central
    Alexandre Tombini
    Tombini é funcionário de carreira do governo e ocupa atualmente a diretoria de Normas do Banco Central. Ele foi escolhido porque seria menos conservador que Henrique Meirelles na condução da política de taxa de juros e por ser mais aberto ao diálogo com a equipe do Ministério da Fazenda.

    Casa Civil
    Antonio Palocci - PT
    Ex-prefeito de Ribeirão Preto (PT), Palocci era uma das estrelas do primeiro mandato de Lula, mas deixou o governo em 2006 acusado de mandar quebrar ilegalmente o sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa. Eleito deputado federal em 2006, Palocci foi cotado como candidato ao governo de São Paulo em 2010, mas acabou sendo um dos coordenadores da campanha de Dilma.

    Controladoria-Geral da União
    Jorge Hage
    Na carreira política, Hage foi prefeito de Salvador (1975-77), deputado estadual e deputado federal pela Bahia. Nos anos 1990, se tornou magistrado concursado em Brasília até que, em 2003, assumiu a secretaria-geral da CGU. Em junho de 2006, virou o titular da controladoria, e vai seguir no cargo com Dilma.

    Defensoria Pública da União
    José Rômulo Plácido Sales
    A Defensoria Pública da União tem status de ministério, mas o atual ocupante do cargo, José Rômulo Plácido Sales, não foi indicado por Dilma. Ele assumiu o posto em junho de 2009, nomeado por Lula, e seu mandato acaba em 2011. Depois, Dilma decidirá se mantém Sales no cargo ou se troca o titular do posto.

    ResponderExcluir
  9. QUEM SÂO OS MINISTRO DE DILMA
    Redação Época

    Secretaria-geral da Presidência
    Gilberto Carvalho - PT
    Principal assessor de Lula, Carvalho atuou como chefe de gabinete da Presidência no atual governo. Com Dilma, ele será deslocado para a secretaria-geral, órgão que cuida do diálogo do governo com os movimentos sociais e religiosos

    Gabinete de Segurança Institucional
    José Elito Carvalho Siqueira
    General do Exército, Siqueira deixa o cargo de chefe de Preparo e Emprego do Ministério da Defesa para assumir o GSI, uma tentativa de aproximar o gabinete do Ministério da Defesa. Entre janeiro de 2006 e janeiro de 2007, Siqueira foi o comandante da Minustah, a Força de Paz da ONU no Haiti.

    Secretaria de Assuntos Estratégicos
    Moreira Franco – PMDB
    Ex-governador do Rio, Moreira Franco é outro aliado de Michel Temer e participou da coordenação de campanha de Dilma. A secretaria terá funções como coordenar o Plano Nacional de Saneamento e Reaproveitamento de Resíduos Sólidos e o conselho que reúne integrantes da sociedade civil interessados em dialogar com o governo.

    Secretaria de Comunicação Social
    Helena Chagas
    Ex-jornalista do jornal O Globo e do SBT, Helena Chagas atuou na implantação e reestruturação do jornalismo em órgãos públicos como a TV Brasil, a Agência Brasil e a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e coordenou a comunicação da campanha de Dilma. Ela substituirá Franklin Martins, que teve um atuação polêmica.

    Secretaria de Relações Institucionais
    Luiz Sérgio – PT
    Metalúrgico como Lula, Luiz Sérgio é presidente do PT do Rio e ganhou destaque nos últimos anos como relator da CPMI dos Cartões Corporativos. Está na Câmara desde 1999, quando assumiu o primeiro de três mandatos consecutivos.

    Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres
    Iriny Lopes – PT
    Eleita em outubro para seu terceiro mandato na Câmara, a deputada federal Iriny Lopes, integrante da Comitiva Nacional do PT e filiada ao diretório do Espírito Santo, já atuou na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara e foi integrante do Conselho de Ética da Casa.

    Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial
    Luiza Bairros - PT
    Luiza Bairros chega ao governo com a experiência de ter sido, desde 2008, secretária de Promoção da Igualdade da Bahia. Ela é socióloga e ativista dos movimentos negro e de defesa dos direitos da mulher.

    Secretaria Especial dos Direitos Humanos
    Maria do Rosário - PT
    A política gaúcha atuou em comissões parlamentares ligadas aos Direitos Humanos nas esferas municipal, estadual e federal. Durante o governo Lula, se destacou como relatora da CPI da Pedofilia. Ela é professora e tem mestrado na área de direitos humanos.

    Secretaria Especial de Portos
    Leônidas de Menezes Cristino - PSB
    Eleito prefeito de Sobral (CE) em 2004 e reeleito em 2008, Cristino vai deixar a prefeitura em meio ao segundo mandato para assumir o ministério. Apadrinhado de Ciro Gomes (PSB), foi secretário estadual de Transportes do Ceará na gestão de Ciro.

    ResponderExcluir
  10. Fátima, estou gostando muito do Tá lubrinando.
    Aproveito para parabenizar todas as ministras. Elas farão a diferença no Governo Dilma

    ResponderExcluir
  11. Muita sorte mulherada!

    ResponderExcluir
  12. Unegro reafirma apoio a Dilma e elogia escolha de Luiza Bairros
    A União de Negros pela Igualdade (Unegro) divulgou nota reafirmando o apoio e a confiança da entidade no futuro governo da presidente eleita Dilma Rousseff. A entidade diz que "apesar de ainda persistir um quadro social desfavorável para a população negra, o Brasil está encontrando o caminho para a promoção da igualdade racial". Na nota, a Unegro também elogia a escolha da socióloga Luiza Helena de Bairros para comandar a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR).
    ...
    Por fim, parabenizamos a escolha de Luiza Bairros para titular da SEPPIR, verificamos nela legitimidade e mérito para liderar um processo de aprofundamento e implantação objetiva das políticas de igualdade racial. Na qualidade de força social comprometida com a igualdade racial e com o combate ao racismo, trabalharemos para o fortalecimento, estabilidade e sucesso da SEPPIR, pois acreditamos que seja um importante instrumento e tem dado contribuições para emancipação da população negra do julgo do racismo.

    UNIÃO DE NEGROS PELA IGUALDADE
    http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=144368&id_secao=8

    ResponderExcluir
  13. Dona Lô, com tua sabedoria tu devia ter sido convidada para o ministério de Dilma. Eu assinava embaixo.
    Um cheiro e num esqueça déu pra posse de Dilma...hum, sei não, depois de tanta briga?To achando que perdi meu lugar no ônibus, affe!

    ResponderExcluir
  14. ---------- Mensagem encaminhada ----------
    De: nilcea freire
    Data: 22 de dezembro de 2010 11:52

    Queridas companheiras,

    Na noite de ontem recebi um telefonema da nossa Presidenta Dilma
    Rousseff através do qual me confirmava a escolha da Deputada Iriny
    Lopes para ocupar a pasta da SPM.

    Convivi com a Deputada Iriny neste período e sei de seu compromisso
    com a defesa dos direitos humanos e de cidadania de cada brasileiro e
    brasileira. Iriny, foi uma das relatoras da Lei Maria da Penha e
    portanto tem todas as credenciais para, partindo do patamar no qual
    nos encontramos, consolidar , aprofundar e fazer avançar as conquistas
    das mulheres obtidas no governo Lula.

    Como tive a oportunidade de dizer mais de uma vez, foi uma enorme
    honra ter participado durante sete anos do Governo do Presidente Lula
    e modestamente ter dado minha contribuição à concretização deste sonho
    acalentado por todas nós durante tanto tempo, eleger a primeira mulher
    Presidenta do Brasil.

    Dilma, como disse em seu primeiro discurso está honrando as mulheres.
    Fez um grande esforço para ampliar a participação feminina em seu
    ministério, a despeito da resistência dos partidos em indicarem nomes
    de mulheres.

    Estaremos juntas com ela dando o suporte que for necessário para que
    seu governo tenha pleno êxito.
    Estamos deixando uma SPM organizada , azeitada e com um orçamento
    aprovado para 2011 que será o maior desde 2003, alcançamos os três
    dígitos através das emendas de parlamentares e de comissões.

    À companheira Iriny desejamos muita sorte e muita força para
    prosseguir nesta estrada apenas recém-aberta.

    Às companheiras que nos acompanharam nesta caminhada nossa gratidão
    pela convivência solidária, autônoma e respeitosa.

    Á muitas quero pessoalmente agradecer as manifestações de carinho e
    apoio público à minha gestão.

    "O presente é tão grande, não nos afastemos
    Não nos afastemos muito, vamos juntas de mãos dadas" (Drummond)

    Um grande e fraterno abraço,
    Feliz 2011,
    Nilcéa Freire

    ResponderExcluir
  15. Júlio Martins Pena25 de janeiro de 2011 09:44

    Eu acho que a presidenta se esforçou para ter mais mulheres em posições de destaque do governo, mas os partidos não ajudaram. O mesmo aconteceu com os negros.

    ResponderExcluir