Visualizações de página do mês passado

sábado, 18 de dezembro de 2010

Cerimônia de diplomação da presidenta Dilma Vana Rousseff

 
"Pela vontade do povo brasileiro, expressa nas urnas em 31 de outubro de 2010, a candidata pela Coligação Para o Brasil Seguir Mudando Dilma Vana Rousseff foi eleita presidente da República do Brasil.

Em testemunho desse fato, a Justiça Eleitoral expediu-lhe o presente diploma, que a habilita à investidura no cargo perante o Congresso Nacional em 1º de janeiro de 2011, nos termos da Constituição.
Brasília, 17 de dezembro de 2010, 189º da Independência e 122º da República
Ministro Ricardo Lewandowski
Presidente”

Foram diplomados no final da tarde de 17 de dezembro de 2010 a presidente eleita Dilma Rousseff e o vice-presidente eleito Michel Temer. A cerimônia de diplomação aconteceu no plenário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), onde ambos receberam o diploma que oficializa a eleição e atesta que Dilma e Temer estão aptos a tomar posse no próximo dia 01 de janeiro de 2011.
O documento foi entregue pelas mãos do presidente do TSE, o ministro Ricardo Lewandoswski, na presença de cerca de 100 pessoas que acompanhavam a cerimônia, já que o auditório tem capacidade apenas para 78 pessoas, tendo o cerimonial acrescentado mais 36 cadeiras ao local. Os demais convidados que se somam 250 ao total, assistiram a solenidade através de um telão instalado no auditório do Tribunal.
A presidente eleita Dilma Rousseff e o vice-presidente eleito Michel Temer foram diplomados nesta sexta-feira (17) durante cerimônia no plenário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A diplomação oficializa a eleição e atesta que ambos estão aptos a tomar posse no dia 1º.
Dilma e Temer receberam o diploma, documento que serve como o atestado, das mãos do presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski. Antes da entrega do documento, foi executado o Hino Nacional.
A solenidade é restrita a 250 convidados, entre autoridades, familiares e amigos. Desses, apenas cem têm lugar no plenário, porque a capacidade do local é para 78 pessoas. O cerimonial acrescentou 36 cadeiras no local. O restante dos convidados acompanha a solenidade do auditório do tribunal.
Após receber o diploma de presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff, afirmou em discurso que é uma “grande responsabilidade” suceder um presidente da “estatura” do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela prometeu ainda “honrar as mulheres, cuidar dos mais frágeis e governar para todos”. Disse ainda que vai trabalhar pela estabilidade econômica do país e defender a liberdade de imprensa.
Veja como será a Posse no dia 1º de Janeiro de 2011:

A cerimônia de posse de Dilma e de Michel Temer será no dia 1º, a partir das 14h. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, vai representar os Estados Unidos nas cerimônias de posse da presidente eleita, segundo informou nesta sexta-feira (17) o Itamaraty.
Também estarão presentes na posse pelo menos nove chefes de Estado, entre eles os presidentes de Colômbia, Juan Manuel Santos, Venezuela, Hugo Chávez, Peru, Alan García, Bolívia, Evo Morales, Uruguai, José Mujica, da Guatemala, Álvaro Colom, Chile, Sebástian Piñera, El Salvador, Maurício Funes, e da Guiné Conacri, Sékouba Konaté.

Foto: Agência Brasil
Ministro Ricardo Lewandowski, do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); o vice-presidente eleito, Michel Temer (PMDB) e a presidente eleita, Dilma Vana Rousseff (PT).
Íntegra do discurso da diplomação de Dilma Vana Rousseff
http://oglobo.globo.com/pais/mat/2010/12/17/dilma-elogia-lula-promete-estabilidade-economica-923316384.asp

15 comentários:

  1. Fiquei pra lá de emocionada, sobretudo por a presidenta destacou a sua condição de mulher. E foi delicadíssima com Lula ao dizer:
    "Sei da responsabilidade de suceder a um governante da estatura do Presidente Lula, dos imensos desafios que o nosso futuro comporta. Mas, se pensarmos o que cada um de nós pode fazer pelo Brasil, vamos descobrir uma força infinita -- a força da união. União para avançar, para crescer". Dilma Vana Rousseff (17.12.2010, no Discurso da Cerimônia de Diplomação).

    ResponderExcluir
  2. Gente, eu acho que Dona Lô, que avisou num post que viajaria dia 17 de dezembro, sem dizer para onde, foi à diplomação de Dilma. Vai ver que foi mesmo... Vai contar ou não Dona Lô?

    ResponderExcluir
  3. Disse Dona Lô:
    “Preciso fazer essa viagem. Estou me dando uma pausa. Preciso respirar um pouco da vida fora daqui após tantos festejos. Não posso achar que só há vida aqui. Quero viajar dia 17. Voltarei dia 27, dois dias antes de pegar a Belém-Brasília para assistir a posse de Dilma.”
    Chegaram pra catar caju, mas Dilma já assava as castanhas...

    Enfim, acho que Dona Lô foi à diplomação de Dilma, bem quietinha.

    ResponderExcluir
  4. Fátima, que tal postar a íntegra do discurso da Dilma. Ainda não o encontrei na internet, só frases, mas gostei muito da seguinte:
    "Recebo este diploma com alegria e disposição para empenhar todo o meu esforço, para honrar as mulheres, cuidar dos mais frágeis e governar para todos. Neste momento em que recebo o diploma mais alto da democracia, quero reparti-lo com cada brasileiro e cada brasileira, conto com todos e todas e todos podem contar comigo"

    ResponderExcluir
  5. Eh, eh, eu também acho que Dona Lô foi assistir a diplomação de Dilma. Numa boa!

    ResponderExcluir
  6. A peleja da mulher que enfrentou o diabo três vezes e virou presidenta
    Toni Couto


    Eu vou contar pra vocês
    Nesse cordel nordestino
    Um causo danado de bom
    Que mudou nosso destino

    É a história de uma mulher mineira
    Companheira, guerreira e guerrilheira
    Que enfrentou o diabo três vezes
    E se transformou na primeira:

    A primeira mulher presidente
    Da democracia brasileira

    Todos sabem que o maldito
    Aquele que vem lá de baixo
    É chamado de sete-peles
    E não é mesmo por acaso

    Pois ele é especialista
    Na arte da conquista
    De enganar até o mais danado


    A primeira vez que essa mulher
    Se deparou com o desviado
    Ele se dizia o justo
    E que livraria o mundo
    Da subversão e do pecado

    Trazia um chicote na mão
    Muito ódio no coração
    E estava sempre fardado


    Quem antes era o feitor
    Também padre inquisitor
    Dessa vez, era soldado
    Com a missão de carrasco


    E esse carrasco prendeu
    Torturou, abusou e bateu
    Mas a mulher não se abateu
    Calada, tudo suportou
    E depois do carrasco cansado
    Gritou injuriado: "Mas que diabo!"
    E enfim, a mulher libertou

    Passaram-se muitos anos
    Até que ela superou
    Aquele momento terrível
    Da vida, que ela passou
    Agora, recuperada

    Topara nova empreitada:
    Ao lado do amigo companheiro
    Mudar o Brasil inteiro
    E melhorar a vida
    De milhões de brasileiros


    Mas, o cramulhão não se contenta
    E eis que, de novo, ele atenta
    Veio bufando, lá de baixo
    Perseguir a pobre mulher
    Só que dessa vez, em forma de doença

    Com o câncer, ela, assustou
    Mas, corajosa, não se abalou
    E, como uma boa brasileira
    Chamou médico e enfermeira
    E comeu o pão que o diabo amassou

    Eita mulher danada!
    Não é que ela foi curada!
    Mal saiu do hospital
    Apeou a mula e disse: "Estou preparada"

    E ao lado dos companheiros
    Topou uma nova jornada
    Ser a primeira mulé
    Depois do tempo dos coroné
    A comandar a peãozada

    Mas, foi longa, a cavalgada
    Que foi ainda prorrogada
    E o sete-peles, na calada
    Se preparava para a última cartada
    Na pele de um homem educado
    Bem vestido e mal acompanhado
    O diabo se apresentara:

    "Agora não tem pra ninguém!
    Ela é que é do mal, eu sou do bem!"

    No segundo tempo, do jogo
    O povo, que não é bobo, nem nada
    Não acreditou nessa palhaçada
    E o golpe de misericórdia
    Nessa alma mal lavada
    Foi uma bolinha de papel
    Que, ou veio direto do céu
    Ou foi, por ele mesmo, amassada

    "Cá, cá, cá, cá, cá!"
    O povo deu foi risada!
    Ele achava que era fácil
    Enganar o brasileiro
    Com esse monte de mentira deslavada

    Na hora do pleito final
    No embate entre o bem e o mal
    Com ajuda do amigo companheiro
    E a força do povo brasileiro
    Agora não tem mais jeito
    Nossa heroina venceu
    E diabo inconformado
    Teve que engolir calado
    Pegou o elevador e desceu

    E agora, essa mulher, a mineira
    Guerrilheira, sim, companheira e guerreira
    Depois de ter enfrentado
    Por três vezes, o diabo
    É a primeira brasileira
    A comandar nosso estado!

    E por esse sertão afora
    Chegando no mundo inteiro
    Ecoa um grito de glória
    E um sentimento verdadeiro:

    "Esta aí, presidenta, a vitória
    Nossa parte, fizemos primeiro
    Agora salve a nação nordestina
    E viva o povo brasileiro!"

    (01/11/2010)

    ResponderExcluir
  7. POEMA PARA DILMA ROUSSEFF
    Pedro Tierra

    De onde vem essa mulher
    que bate à nossa porta 500 anos depois?
    Reconheço esse rosto estampado
    em pano e bandeiras e lhes digo:
    vem da madrugada que acendemos
    no coração da noite.

    De onde vem essa mulher
    que bate às portas do país dos patriarcas
    em nome dos que estavam famintos
    e agora têm pão e trabalho?
    Reconheço esse rosto e lhes digo:
    vem dos rios subterrâneos da esperança,
    que fecundaram o trigo e fermentaram o pão.

    De onde vem essa mulher
    que apedrejam, mas não se detém,
    protegida pelas mãos aflitas dos pobres
    que invadiram os espaços de mando?
    Reconheço esse rosto e lhes digo:
    vem do lado esquerdo do peito.
    Por minha boca de clamores e silêncios
    ecoe a voz da geração insubmissa
    para contar sob sol da praça
    aos que nasceram e aos que nascerão

    De onde vem essa mulher.
    Que rosto tem, que sonhos traz?
    Não me falte agora a palavra que retive
    ou que iludiu a fúria dos carrascos
    durante o tempo sombrio
    que nos coube combater.
    Filha do espanto e da indignação,
    filha da liberdade e da coragem,
    recortado o rosto e o riso como centelha:
    metal e flor, madeira e memória.
    No continente de esporas de prata
    e rebenque,
    o sonho dissolve a treva espessa,
    recolhe os cambaus, a brutalidade, o pelourinho,
    afasta a força que sufoca e silencia
    séculos de alcova, estupro e tirania
    e lança luz sobre o rosto dessa mulher
    que bate às portas do nosso coração.

    As mãos do metalúrgico,
    as mãos da multidão inumerável
    moldaram na doçura do barro
    e no metal oculto dos sonhos
    a vontade e a têmpera
    para disputar o país.
    Dilma se aparta da luz
    que esculpiu seu rosto
    ante os olhos da multidão
    para disputar o país,
    para governar o país.

    ResponderExcluir
  8. Maria Albertina de Sales18 de dezembro de 2010 17:50

    Só emoções profundas. Até chorei

    ResponderExcluir
  9. Oxe, claro que Dona Lô foi a diplomação de Dilma, ela num ia perder isso de jeito maneira. Dona Lõ, sua danadinha, tamo esperando sua vorta para contar tudo para nós, viu?

    ResponderExcluir
  10. Nunca imaginei que eu fosse ficar tão feliz com a eleição de Dilma. E Viva as mulheres brasileiras

    ResponderExcluir
  11. A diplomação de Dilma nos diz: sim , ela é a presidenta do Brasil. Pura emoção

    ResponderExcluir
  12. Concordo com Sanbahia: "Oxe, claro que Dona Lô foi a diplomação de Dilma, ela num ia perder isso de jeito maneira. Dona Lô, sua danadinha, tamo esperando sua vorta para contar tudo para nós, viu?".
    Eu acho mesmo que ela foi para a diplomação de Dilma!

    ResponderExcluir
  13. 20/12/2010 - 02h12
    Dilma deve alavancar candidatura feminina
    Por Redação PNUD Brasil

    Para analista da SPM, ascenção de mulher ao poder é importante para reforçar capacidade feminina em ocupar espaços com poder de decisão.

    A eleição de Dilma Rousseff à Presidência da República deve aumentar o número de candidaturas femininas nos próximos pleitos. É o que afirma José Roberto Frutuoso, analista da área de saúde e poder da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM). “Há uma relevância simbólica, pois as mulheres podem se ver com a possibilidade de ocupar postos que historicamente estavam limitados à presença masculina”, avalia.

    A presidente eleita recebeu na tarde desta sexta-feira (17) o diploma que a habilita a exercer o Executivo do país pelos próximos quatro anos. Em seu discurso, afirmou que a ascensão de uma mulher ao poder demonstra uma crescente maturidade da nossa democracia.

    "Esse fato rompe com os preconceitos, desafia os limites e enche de esperança um povo sofrido e de orgulho as mulheres brasileiras”, disse Dilma. "Recebo esse diploma com alegria e disposição para empenhar todo o meu esforço, para honrar as mulheres, cuidar dos mais frágeis e governar para todos", completou.

    (...)
    Apesar da eleição de Dilma, a aprovação da minirreforma eleitoral em 2009, que criou mecanismos de incentivo à participação política das mulheres, não foi capaz de alterar significativamente a proporção feminina no poder.

    (...)
    “O resultado das eleições demonstra que as medidas não foram bem cumpridas pelos partidos. Poucas legendas, por exemplo, conseguiram garantir ao menos 30% de candidaturas femininas. E, como resultado, a gente tem que na Câmara o número de mulheres permaneceu o mesmo, e no Senado melhorou muito pouco. Já nos estados, a quantidade de governadoras caiu para apenas duas”, revela.

    Site e ministérios

    Para tentar melhorar esse panorama, o Fórum Nacional de Instâncias de Mulheres de Partidos Políticos e do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher promoveu a criação do site Mais Mulheres no Poder, em 2008. Um dos objetivos da página é promover a campanha "Mais Mulheres no Poder: Eu assumo esse compromisso".

    A iniciativa é apoiada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, pelo Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem) e pelo PNUD, que encabeça o "Projeto de Promoção da Participação Igualitária, Plural e Multirracial das Mulheres nos Espaços de Decisão".

    Um dos setores de poder que devem ver um incremento na participação das mulheres na política são os ministérios. A expectativa é que as nomeações de Dilma contem com a maior proporção de mulheres da história, superado o primeiro mandato de Lula, quando as elas ocuparam cinco pastas: Benedita da Silva (Secretaria Especial da Assistência e Promoção Social), Dilma Rousseff (Ministério de Minas e Energia; Casa Civil), Emília Fernandes; Nilcéa Freire (Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres), Marina Silva (Ministério do Meio Ambiente) e Matilde Ribeiro (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial).

    “Ainda está tudo na base da especulação. Mas esperamos que aquelas que venham a ocupar as pastas que sempre foram destinadas aos homens tenham maior sensibilidade para a formulação e aplicação de políticas públicas que atinjam as mulheres mais diretamente”, diz Frutuoso.

    (Envolverde/PNUD Brasil)

    ResponderExcluir
  14. Apenas para parabenizá-la pelo blogue: é literatura política das boas

    ResponderExcluir