Visualizações de página do mês passado

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Dona Lô abrindo o verbo na festa da Padroeira da Chapada do Arapari


Fátima Oliveira


A Festa da Capela de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Maria, tirante a panelada que Dona Lô resolveu servir no domingo após o encerramento das rezas, transcorreu sem grandes novidades. E ela estava muito feliz porque vendeu a porcada de Natal bem vendida, dinheiro na lata; e a mulherada que é sócia dela na criação de porcos ficou montada na bufunfa. Sabe como é: gente com dinheiro folgado no bolso tem poder. E animação. Nada como dinheiro no bolso para animar gente.
Como de costume, houve a Novena e a Ladainha de Nossa Senhora, de 30 de novembro até o dia 8 de dezembro. Como manda a tradição da Chapada. No ano passado, 2010, foi para agradecer a eleição de Dilma. Só que agora em 2011, foi pela recuperação da saúde de Lula – sim, estamos gostando de Dilma, mas o povo aqui ainda é Deus no céu e Lula na Terra.


 FONTE: Blog Limpinho & Cheiroso



No dia 7, a Chapada do Arapari começou a encher de gente para o levantamento do mastro às seis horinhas, que ficou uma beleza – todo enfeitado de flores de papel crepom e quilômetros e quilômetros de fita de seda – poucas obras de arte se comparam em beleza; e o adro da capela todo enfeitadinho de bandeirolas de papel de seda tremulando ao vento... Dava gosto de ver...





Depois do levantamento do mastro teve início a procissão; na chegada da procissão, foi a vez da Novena e da Ladainha de Nossa Senhora; depois o grande leilão. E leilão de festa de santo é coisa bonita de se ver... Ao mesmo tempo, nas barraquinhas de comidas, a multidão se esbaldava.
Depois, os dois bailes tradicionais da véspera de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Maria: o social e do Cabaré de Lalá. Dizem que a animação foi a tônica nos dois.
Memélia ficou com seus “galpões de armadores de rede” entupidos de gente desde o dia seis à noite. Ficou montada na bufunfa mais ainda. Ali sabe ganhar seu dinheirinho.
Amanhecendo o dia, houve o toque da alvorada e muita música bonita tocada pela Orquestra de mestre André, que é imperdível. E o domingo foi acordando o povo. O certo é que lá pelas de nove dez horas horas a capela estava coalhadinha de gente. Não houve missa. Dona Lô e suas mulheres disseram que não precisava. Andam aborrecidas com essa gente que se chama de padre. Dizem que fé em Deus dispensa a presença de padre. Para quem não lembra, as mulheres da Chapada do Arapari ficaram “políticas” com os padres, desde a eleição de Dilma...





Sentada na calçada de sua casa Dona Lô apreciava a movimentação do povo rumo à capela. Estava descansando também da trabalheira do dia anterior. Pedro, marido de Estela, afilhada de Dona Lô, que chegara na noite do dia 7, a tempo de participar do levantamento do mastro, também estava sentado na calçada. E claro, tentou puxar prosa.
– Dona Lô, o que lhe parece esse negócio da Globo pra cima de Pimentel?
– Pedro, tome tento homem! Você sabe que não sou lá muito católica com Pimentel. Portanto vou me abster de tecer considerações sobre gente que, segundo a minha visão, pertence à categoria de vendilhão do templo. É isso que penso dele. Deu a prefeitura de Belo Horizonte para Aecinho, de mão beijada. Ou você pensa que Lacerda não é Aecinho? Vamos ver o que os amiguinhos dele vão dar de penada por ele agora. É fogo amigo e fogo inimigo entrando na cozinha da presidenta. Do que se sabe, ele é o único ministro amigo da presidenta, desde a juventude.



– ...
– E daí? Ministro é cargo de confiança da presidenta e você bem sabe que alguns nunca foram da confiança dela; entraram pro governo nessa coisa de “governo de coalizão”, o que deixa a presidenta à vontade para deixar sangrar até pedir as contas... Claro não é uma coisa boa, mas é uma estratégia. Não sei se a melhor, mas a que está sendo adotada com sucesso... Até porque essa oposição à Dilma é igual à barata tonta, não cria fatos políticos em si... Porque não faz política... Viu a foto de Dilma sendo interrogada? Aquilo ali pegou bem demaaaaaaais. Reforça a autoridade moral da presidenta, assim como uma parte do seu DNA... Aquilo é DNA da mais absoluta pureza! Vou mandar fazer uma foto daquela em tamanho natural para colocar em minha sala. Juro!
– É esperar pra ver o que sai dessa fritura. Há perigo porque Pimentel é um ministro que a presidenta pessoalmente bancou a “recuperação da imagem dele”, abalada no período da campanha dela, que ele coordenava, está lembrado? Não fosse aquilo ele seria um ministro maior. De outra grandeza... De certeza. E dou por encerrada a conversa que não vou deixar Pimentel tirar o brilho da festa da minha padroeira. De jeito maneira! Está bem?
– Mas a Globo, jornal e TV, levantou a lebre da suspeita sobre ele. E se pegar como rastilho de pólvora?
– Ora Pedro, aura de suspeita é quase como essa coisa de anjo, acredite se quiser...
– Mas Dona Lô, em menos de um ano de governo já são seis ministros defenestrados e um na agulha... É muito senhora!



– ...
– Mas eu acho que está na hora, quase passando, dessa gente que assessora Dilma buscar um vínculo maior da presidenta com o povo. Está faltando. Aquela coisa de quando a presidenta vai a algum lugar o povo correr em massa para vê-la. Isso Dilma não tem! E precisa. É uma falta, uma incompetência dessa gente do entorno dela... Com um ano de governo já era pra ter criado essa aura... Na hora do aperto, e tal hora pode chegar da toada em que a coisa vai, a quem a presidenta vai recorrer? Sem povo um governo não é nada! É preciso trabalhar para transformar quem votou em Dilma em defesor dela! E quanto mais longe ficar das eleições, mais difícil será. Perdem oportunidade... Quase todo santo dia...
– Por exemplo?
– Viu o lançamento das políticas de atenção a viciados em crack? Coisa mais fria! Só falam que vão investir tantos e tantos milhões... Bem, falaram em 4 bilhões. Tá também no site www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack. A rede de cuidados prevista, Conte com a Gente, tem de ser mesmo a cara da presidenta. Tem de ser, depois que ela disse indignada a um certo ministro, numa reunião ministerial: “Você sabia que os CAPs-AD (Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas) fecham às 18h? Você chega para o drogado e fala: 'Drogado, são 18h. Tchau, drogado, volta amanhã!'"
– ...
– Bem, nas novas medidas anunciadas ontem, “Crack, é possível vencer”, as ações estão estruturadas em três eixos: cuidado, autoridade e prevenção; e os Caps vão ficar abertos 24 horas, todos os dias. Ainda são poucos, mas a meta é ter 175 caps-ad, até 2014, com capacidade para até 400 pessoas/mês...

 
– ...
– Ora, que precisa de dinheiro precisa, mas nenhuma palavra de consolo às mães sobreviventes do crack e outras drogas? Juro que tem de escangalhar é assim: se seu filho ou sua filha vitimado pelo crack está sem tratamento, escreva pra presidenta... Falo mãe porque cuidar de doente é coisa de mãe mesmo, ainda, infelizmente.
– ...
– Dilma pode garantir a todas as mães tratamento certo pr@ viciad@? Tantas quantas vezes for necessário? Pode sim! Há esperança maior? Acabar com a solidão, a vergonha, a falta de apoio e o descaso de quem luta para salvar um familiar do mundo das drogas... Claro que garantir cura é impossível, mas tratamento é alcançável. O que acontece hoje é que não se consegue tratar com dignidade uma pessoa viciada em drogas às expensas do poder público. É fato. O acesso ainda é baixo e a atenção, discutível.



– Mas Dona Lô, a senhora está sugerindo populismo é?
– Chame do que quiser Pedro, mas tratamento de drogadização bate fundo é em coração de mãe, ou não sabia? Essa política tem que ser a Dilma entrando no coração de cada mãe que sofre... Deu pra entender o que estou querendo dizer? Também é uma forma de a presidenta saber se o dinheirão aplicado está chegando onde tem de chegar. Só isso e mais nada!
– ...
– Enquanto isso, o quarto poder vai achando que vai derrubando ministro ao seu bel-prazer. Estão enganados! Não vejo assim. E chega né Pedro? Vamos ver se Gracinha e Maria Helena estão precisando de ajuda lá dentro. Acho que sim porque ainda não montaram a distribuição da panelada aqui fora... E a reza está quase acabando, pois já são 11:00, hora em que o povo da roça gosta de comer...
– O que deu na senhora de fazer essa panelada pra todo mundo hoje? Não é costume fazer almoço coletivo para a festa da padroeira. Aliás, é a primeira vez...
– Isso é arranco de dinheiro no bolso, meu filho! Ficamos com os cofos e cofos cheios de dinheiro com a venda da porcada de Natal. É gastar um tiquinho, né? Você viu que mandei até fazer umas canecas e uns pratos de plástico com um retratinho de Lula e neles escrito “Força Lula!”? É a panelada de Dona Lô estilizada para relembrar ao povo que é preciso pedir a Deus por Lula. Não propriamente relembrar, apenas reforçar as rezas. Nada mais. Ô Cesinha? Venha cá menino, que demora é essa de montar as mesas aqui fora?
– ...
Eis que chega Cesinha esbaforido, junto com Zé Vaqueiro adjutorando: “Calma Dona Lô, num instantinho tudo ficará pronto. Uma mesa para distribuir o arroz, o pirão e a farinha; e outra para distribuir a panelada”.
– Pois avie logo, menino! Nada de desorganização...
– Viiiiiixe Maria, acho que só vou querer comer panelada na outra festa do ano vindouro porque ainda nem comi ainda mas já estou com arrelia. É panelada demais senhora! Dá pra mais de mil pessoas!
– Sim, Cesinha! Foi feita mesmo nessa base de mil pessoas. Desmanchamos em panelada: 100 Kg de bucho; 100 Kg de tripa; 100 Kg de nervo de boi; 100 Kg de mocotó... Conforme mãe Zefinha, na receita de Donana, minha mãe, é 1 Kg de cada coisa para uma panelada pra dez pessoas!
– ...
– É comida muita, pra fartar e não faltar! Ou você não sabe que estamos mexendo com essa comida faz três dias seguidos? Ali é resultado do trabalho de dez mulheres, que nos últimos três dias não arredaram o pé daqui de casa, meu filho! Estou um bagaço porque temperei tudo e dei o acerto de sal em tudo! Você me conhece muito e sabe que quando recebo só recebo bem. Ah, os “teréns” já estão chegando... Pedro, você não vai filmar essa festança, não? Pois cuide! Deixe esses ministros caintes chegarem ao ponto de manga podre, caindo pelo conjunto da obra, pra lá e vá buscar a filmadora, sô!



Chapada do Arapari, 08 de dezembro de 2011


  Festa da Padroeira 2010



PANELADA MARANHENSE
Ingredientes:*
01 Kg de Bucho
01 Kg de Tripa
01 Kg de Nervo de boi

01 Kg de Mocotó
04 Cebolas picadas
Óleo de soja
Pimenta do reino

Cheiro verde a gosto
Corante
Sal
 Modo de fazer:
O primeiro passo é limpar muito bem as vísceras. Depois corte-as em pequenos pedaços, coloque tudo numa panela e deixe escaldar, com pouca água, em fogo brando, durante uma hora. Em seguida, os temperos são colocados um a um. A panelada deve continuar no fogo no mínimo por três horas, um segredo para apurar o sabor!
O PIRÃO
Com 2/3 do caldo que resultar da panelada, coa-se e leva-se ao lume para fazer o pirão, papa feita soltando a farinha de mandioca, aos poucos, no caldo fervente, o ponto do pirão é de papa mole.
Obs.:  ingredientes de uma receita para 10 pessoas.
* Em algumas regiões coloca-se toucinho salgado ou fresco, bacon, linguiça e paio defumados.

8 comentários:

  1. Fátima, adorei. Sobretudo gostei dos puxões de orelha de Dona Lô

    ResponderExcluir
  2. Muito criativo. Bem político. Vou reler para opinar melhor

    ResponderExcluir
  3. Uma peça literária e de polìtica contemporânea valiosa

    ResponderExcluir
  4. Valmir Santiago Ferro10 de dezembro de 2011 10:09

    Fátima Dona Lô é especial. Saca muito de política. É uma assessora da presidenta de primeira grandeza. Gostaria de saber se a presidenta já teve a felicidade de ler a dona Lô

    ResponderExcluir
  5. Dona Lô tá sapecando eheheheheh

    ResponderExcluir
  6. Dona Lô coberta de razão: Aécio Nees botando lenha na fogueira de Pimentel, na maior

    ResponderExcluir
  7. Dona Lô, quanta satisfação! Já estava com saudade de "tu", visse? Hum...essa conversa sobre o Pimentel não lhe agradou, não. Sabe de uma coisa? Eu quero é provar dessa panelada que "num" sou besta.

    ResponderExcluir
  8. Marcos Paulo Alencar18 de dezembro de 2011 21:15

    Joãosinho Trinta é um patrimônio cultural nacional. Morereu e será enterrado em seu torrão natal. Era o seu desejo.
    Acho estranho que alguns sites estejam dizendo que o velório dele é o de um ilustre desconhecido, pelo fato de que o apelo popular, a presença do povo é pequena. A presença mais constante é de autoridades. Esquecem-se que ele faleceu aos 78 anos e estava fora do Maranhão há quase sessenta anos.

    ResponderExcluir