Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O sonho da Sibéria maranhense, nas barrancas do Tocantins

 DUKE
O movimento para a divisão do Maranhão em dois Estados
Fátima Oliveira
Médica – fatimaoliveira@ig.com @oliveirafatima_



O sonho pelo Maranhão do Sul remonta à República dos Pastos Bons, proclamada em várias ocasiões, tendo até carta constitucional e bandeira, cujo marco é 1817, conforme Carlota Carvalho em "O Sertão: Subsídios para a História e a Geografia do Brasil" (1924).
É uma luta herdeira também da ideia do Estado dos Pastos Bons (1900), de Leão Leda (Leão Tolstoi de Arruda Leda): "Um Estado livre e independente que englobasse o território de Boa Vista do Tocantins (Tocantinápolis), antigo norte de Goiás, até Pastos Bons, no Maranhão", segundo Mário Ribeiro Martins, em "Tolstoi e o Padre João (Quem foi Leão Leda?)".

O Sertão: subsídios para a história e a geografia do Brasil (Ética Editora)

O Maranhão do Sul engloba 49 dos 217 municípios maranhenses, 1,1 milhão de habitantes e concentra 25% do PIB - gusa, grãos, celulose, couro, gesso e o maior rebanho bovino do Estado -; é uma saga separatista que incorpora o ideário do juiz de paz de Grajaú, Militão Bandeira Barros, participante da Balaiada (1838-1841) - revolta popular decorrente da insatisfação do interior, da gente do sertão preterida em favor do litoral - e que relançou o Manifesto da República dos Pastos Bons, pela separação do Sul do Maranhão.
A construção da Belém-Brasília arrancou Imperatriz do marasmo imposto pelo desprezo do Palácio dos Leões. Em 2001, foi instalado o Comitê Pró-Criação do Maranhão do Sul. Um projeto do novo Estado, do deputado Sebastião Madeira (PSDB-MA), atual prefeito de Imperatriz, foi apresentado na Câmara dos Deputados. Falam que, em 2007, o Senado aprovou um plebiscito.

 Prefeito Sebastião Madeira (PSDB)


 Deputado Ribamar Alves (PSB-MA)


Em movimento, a Frente Parlamentar pelo Maranhão do Sul, a bordo do projeto de Decreto Legislativo nº 231/2011, do deputado Ribamar Alves (PSB-MA), pela realização do plebiscito, tramitando desde 6 de junho passado.


A cidade incrustada
nas barrancas do Tocantins chegou
ao que é sem dever homenagem
ao Palácio dos Leões.
“São Luís, só subtrai, nunca soma.”


  Para Edmilson Sanches - vereador e candidato a prefeito de Imperatriz em 2012, pelo PCdoB, organizador da "Enciclopédia de Imperatriz" (2002) e intelectual de proa do Maranhão do Sul, Imperatriz, e, por tabela, a região Tocantina, - "era considerada a 'Sibéria Maranhense' pelo que havia de distância e de atraso em relação à capital do Estado e, até, a outras cidades. Nessa época, dizem, a rarefação populacional só era alterada pela chegada de funcionários públicos, que para cá eram transferidos geralmente como forma de punição ou em atendimento a interesses políticos contrariados. A transformação de mal-assombrada corrutela em bem-amado polo de desenvolvimento começou na década de 60".

 (Bernardo Sayão)
 (JK e Bernardo Sayão)

Açailândia1
[ Açailândia-MA, surgida de um acampamento da Rodobrás, onde morreu Bernardo Sayão (janeiro de 1959)]



A minha família materna está em Imperatriz desde 1973. Para o meu avô, onde "corre dinheiro" é o lugar de o pobre "escapar", seja pegando no "pesado" ou na "pena" (caneta-tinteiro). A construção da Belém-Brasília, a estrada de JK pra onça passar, transformou a Sibéria maranhense num Eldorado. Por ser um lugar bom pra ganhar a vida, "forasteiros", de todos os cantos do Brasil e de vários países, lá se estabeleceram, transformando aquele rincão num caldeirão cultural, onde a cultura maranhense é pouco presente.

 (Imperatriz-MA, Praça de Fátima, 1973)




A cidade incrustada nas barrancas do Tocantins chegou ao que é sem dever homenagem ao Palácio dos Leões, daí o sentimento generalizado de extorsão: "São Luís só subtrai, nunca soma. Fica no venha a nós e ao vosso reino nada!". A pergunta que nunca me fiz é se sou a favor ou contra a criação do Maranhão do Sul. Jamais fui contra, pois é uma aspiração legítima, além do que nenhum ocupante do Palácio dos Leões, exceto Jackson Lago, que era pró Maranhão do Sul, diante do sentimento separatista, moveu uma palha pela integração.
 

Publicado no Jornal OTEMPO em 13.12.2011

6 comentários:

  1. Não tenho opinião ainda. Mas é uma longa historia de lutas. Deve ter seus motivos

    ResponderExcluir
  2. Gilberto Bandeira Ramos13 de dezembro de 2011 18:32

    Essa historia de Maranhão do Sul é de certo modo complicada. Do que sei são os estrangeiros, que a autora chamou de forasteiros que desejam se livrar do Maranhão. De ingratos que são, pois é a terra que os acolheu e aqui prosperaram

    ResponderExcluir
  3. Quem quer o Maranhão do Sul é uma elite ingrata, que chegou a Imperatriz e encheu as burras de dinheiro, na terra que os tornou prósperos, e agora se acahm donos do lugar

    ResponderExcluir
  4. José Arimatéa (de Porto Franco-MA)13 de dezembro de 2011 21:50

    Parabenizo a Dra. Fátima Oliveira pela grandeza do artigo dela, que honra a Região Tocantina e Imperatriz. Temos motivos historicos para querermos o Maranhão do Sul. E seremos um Estado de muita riqueza, sem o palácio dos Leões a beber o nosso suor e sangue

    ResponderExcluir
  5. É uma maranhense que bebeu água do Tocantins. Não nega fogo

    ResponderExcluir
  6. Fátima é com muito gosto que leio seus textos.Fico até querendo mais...sabia? Um cheiro.

    ResponderExcluir