Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 29 de março de 2011

A vaquejada tradicional é diversão que não maltrata os animais


Exibição de vaqueiro e festa de fazendeiro, de ano em ano

Fátima Oliveira
Médica - fatimaoliveira@ig.com.br


Amo cavalgar, tanger boi pro curral, tocar boiada e aprecio vaquejada - prazeres da vida simples de cultura vaqueira, do tipo franguinho na panela: "Eu tenho um burrinho preto/ Bão de arado e bão de sela/ Pro leitinho das crianças/ A vaquinha cinderela/ Galinhada no terreiro/ Papagaio tagarela...".
Ao escrever sou inundada por uma explosão de saudade de quando a vaquejada era só brincadeira anual nos pátios das fazendas: exibição de vaqueiro e festa de fazendeiro.
A "pega de bezerro", ou "pega de boi", nos anos 1970, no meu sertão natal, virou vaquejada: um esporte, fora da apartação de gado, como atração nas exposições agropecuárias: imitando o rodeio, mimetizando o estilo country estadunidense e os clichês da filmografia western, com distorções que renegam a vaqueirice. Hoje é esporte rentável, que atrai multidões, mas de reputação polêmica, devido às acusações de maus-tratos a bois e cavalos.
Sem falar na confusão entre vaquejada e rodeio constante em lei - "Entende-se como prova de rodeios as montarias em bovinos e equinos, as vaquejadas e provas de laço, promovidas por entidades públicas ou privadas, além de outras atividades dessa prática esportiva" - que dividiu a atividade vaqueira tradicional em duas: peão de boiadeiro (trabalhador rural: empregado que cuida e treina cavalos e bois) e peão de rodeio (atleta profissional).
A "pega de bezerro" era no dia da apartação, prática da pecuária extensiva, antes da chegada do arame farpado (por volta de 1940, embora inventado em 1873, em Illinois, EUA). O vaqueiro ia "pegar o gado" que pastava solto nas capoeiras, onde gados de vários donos se misturavam. Uma labuta de dias e dias. O vaqueiro não era assalariado. Tinha parte na bezerrada que nascia entre uma apartação e outra, logo tinha "olho de dono", de amor aos bichos e não maltratava seus animais. Os vaqueiros das redondezas se juntavam para ajudar um colega de ofício a receber a parte que lhe tocava.
Após a "partilha", os vaqueiros brincavam de "pegar bezerro". Era uma celebração. Na pecuária extensiva, muitas vacas davam cria no mato, então a bezerrada era selvagem e de difícil captura, exigindo maestria do vaqueiro para enfrentar a caatinga, o cerrado, o carrasco ou a mata fechada, perseguindo e laçando a "bezerrama" para prendê-la no curral. Era uma epopeia! Muitos vaqueiros viravam lendas ambulantes do sertão, inspirando as vaquejadas como diversão: exibição de vaqueiro e festa de fazendeiro, de ano em ano, com comilança, violeiro e sanfoneiro.
O vaqueiro escolhia sua parte no "dois pra uma": dois machos e uma fêmea. Meu avô Braulino ferrava uma "garrota" pé-duro, hoje em extinção, para cada neto que nascia. Dizia que era uma "sementinha de gado". Meu ferro de gado era MF, de Maria de Fátima. Numa partilha, Dé, o vaqueiro, escolheu uma cria da minha vaca Margarida. Aprontei a maior choradeira. Neta mimada e no dizer de vovó, com ar de recriminação, "cheia de gostos" - e era! -, na porteira do curral só bebia leite mungido de minhas vacas.
De certeza uma menina puro entojo, como dizia a tia Lô. Resumo da ópera: o pai velho deu dois bezerros ao Dé pela minha bezerrinha.
Hoje registro uma promessa ao compadre Dé (sou madrinha de um filho seu) e ao pai velho, que, tementes a Deus, decerto estão aboiando e laçando bezerro no céu: volto aos circuitos das vaquejadas pelo resgate da vaqueirice, uma cultura que não maltrata animais, e pela preservação do gado pé-duro, um patrimônio genético do Brasil.

Publicado no Jornal OTEMPO em 29/03/2011
FONTE: www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=14707

Gado pé-duro

Tocando uma boiada de gado pé-duro

http://talubrinandoescritoschapadadoarapari.blogspot.com/2011/01/tocando-uma-boiada-de-gado-pe-duro.html







9 comentários:

  1. A vaquejada é uma brincadeira de derrubar o boi pelo rabo. Mas realmente está se tornando um jogo muito arriscado, mas que é bonito de se ver, isso é.

    ResponderExcluir
  2. A Vaquejada

    "Cerca de 20 mil pessoas por dia chegam a ir às vaquejadas do parque. Um número que mostra a qualidade das nossas festas: sempre cheias de alegria, qualidade e segurança. A vaquejada através da Lei Pelé na década de 90 modernizou-se e vem se modernizando cada vez mais, pois com a lei foi profissionalizada sendo reconhecida como esporte. A vaquejada que já é tradição há mais de 100 anos genuína do Brasil vem conquistando a cada ano mais e mais pessoas que gostam de assistir aos espetáculos que consiste em derrubar o boi num local demarcado por duas faixas distantes 10 metros uma da outra. Para "valer o boi", o boi deve cair mostrando as quatro patas, levantando-se então dentro deste limite para que assim os pontos tornem-se válidos.
    (...)
    No princípio a Vaquejada de Lagarto era um esporte praticado apenas por algumas pessoas, pessoas que transformaram o esporte em diversão; os prêmios eram simbólicos e a vontade de participar era que fazia a festa e trazia a alegria. O tempo foi passando e as premiações deixaram de ser simbólicas, tornaram-se valiosas o que proporcionou a festa ser conhecida não somente na região, mas em todo o território brasileiro. Na década de 80, "Zezé Rocha" acrescentou uma melhoria à festa aumentando os valores das premiações, isto veio a fortalecer o evento em caráter nacional.


    A vaquejada não é simplesmente um esporte ou parte da nossa história. A vaquejada é um pequeno momento no qual o vaqueiro com o coração disparado, fixa seu pensamento em apenas um objetivo: derrubar o boi. Disparando seu cavalo ele sente os milhares de olhos que o estão assistindo, pessoas vibrando, atentos, ansiosos, naquele momento ele é o astro principal e ele tem que dar o melhor de si, tem que mostrar seu valor. Assim, vaqueiro, cavalo e boi percorrem velozmente uma mesma direção, um desafio rápido onde um segundo pode diferenciar entre o solene "zero boi" ou o honroso: "Valeu boi!

    http://www.parquezezerocha.com.br/?pg=not%EDcia&id=619

    ResponderExcluir
  3. Dra. Fátima Oliveira, sua crônica é de beleza ímpar

    ResponderExcluir
  4. Alice Parreira Bezerra29 de março de 2011 22:58

    Aprendi a gostar de Vaquejada morando no Nordeste. Gosto de vaquejada, mas de rodeio, não. Apreciei muito o vocábulo VAQUEIRICE. Pois bem, é vaqueirice que está sumindo da vaquejada.

    ResponderExcluir
  5. Fátima, quando leio seus textos vivo cada palavra. Olhe, adorei a Margarida.
    Um cheiro.

    ResponderExcluir
  6. Apenas para parabenizar Fátima Oliveira pela peça literária de beleza impecável sobre a Vaquejada. Suas avaliações são profundas e corretas. De coração sertanejo nordestino

    ResponderExcluir
  7. Fátima achei a crôncia linda. Nunca vi uma vaquejada, mas fiquei interessada, pois entendi o sentido da festa de derrubar boi pelo rabo eheheheh

    ResponderExcluir
  8. Fiquei babando. Taí um texto que eu sinto inveja de não ter escrito

    ResponderExcluir
  9. Fernando dos Reis Lobato4 de abril de 2011 19:34

    Fátima, muito bonito o post. Parabéns minha conterrânea

    ResponderExcluir