Visualizações de página do mês passado

domingo, 20 de março de 2011

Declaração da presidenta Dilma Rousseff na recepção a Barack Obama

Dilma recebeu o presidente dos EUA por volta de 10h30 deste sábado
Dilma recebeu o presidente dos EUA por volta de 10h30 deste sábado

A presidenta Dilma Rousseff e o presidente dos EUA, Barack Obama, fizeram neste sábado a primeira declaração oficial após o encontro entre os dois chefes de governo, em Brasília. Veja abaixo a íntegra do depoimento da presidenta brasileira.


Excelentíssimo senhor Barack Obama, presidente dos Estados Unidos da América,
Senhoras e senhores integrantes das delegações dos Estados Unidos da América e do Brasil,
Senhoras e senhores jornalistas,
Senhoras e senhores,
Senhor presidente Obama,


A sua visita ao meu país me enche de alegria, desperta os melhores sentimentos de nosso povo e honra a histórica relação entre o Brasil e os Estados Unidos. Carrega também um forte valor simbólico.
Os povos de nossos países ergueram as duas maiores democracias das Américas. Ousaram também levar aos seus mais altos postos um afrodescendente e uma mulher, demonstrando que o alicerce da democracia permite o rompimento das maiores barreiras para a construção de sociedades mais generosas e harmônicas.
Aqui, senhor presidente Obama, sucedo a um homem do povo, meu querido companheiro Luiz Inácio Lula da Silva, com quem tive a honra de trabalhar. Seu legado mais nobre, Presidente, foi trazer à cena política e social milhões de homens e mulheres que viviam à margem dos mais elementares direitos de cidadania.
Dos nove chefes de Estado norte-americanos que visitaram oficialmente o Brasil, o senhor é aquele que encontra o nosso país em um momento mais vibrante.
A combinação de uma política econômica séria com fundamentos sólidos e uma estratégia consistente de inclusão fez do nosso país um dos mais dinâmicos mercados do mundo. Fortalecemos o conteúdo renovável da nossa matriz energética e avançamos em políticas ambientais protetoras de nossas importantes reservas florestais e de nossa rica biodiversidade.
Todo esse esforço, presidente Obama, criou milhões de empregos e dinamizou regiões inteiras antes marginalizadas do processo econômico. Permitiu ao Brasil superar, com êxito, a mais profunda crise econômica da história recente, mantendo, até os dias atuais, níveis recordes de geração de postos de trabalho.
Mas são ainda enormes os nossos desafios. Meu governo, neste momento, se concentra nas tarefas necessárias para aperfeiçoar nosso processo de crescimento e garantir um longo período de prosperidade para o nosso povo.
Meu compromisso essencial é com a construção de uma sociedade de renda média, assegurando oportunidades educacionais e profissionais para os trabalhadores e para a nossa imensa juventude, garantindo também um ambiente institucional que impulsione o empreendedorismo e favoreça o investimento produtivo.
O meu governo trabalhará com dedicação para superar as deficiências de infraestrutura, e não pouparemos esforços para consolidar nossa energia limpa, ativo fundamental do Brasil.
Enfim, daremos os passos necessários para alcançar nosso lugar entre as nações com desenvolvimento pleno, forte democracia e ampla justiça social.
É aqui, senhor presidente Obama, que enxergo as melhores oportunidades para o avanço das relações entre nossos países. Acompanho com atenção e a melhor expectativa seus enormes esforços para recuperar a vitalidade da economia americana.
Temos assim, como o mundo todo, uma única certeza: a de que o povo americano, sob a sua liderança, saberá encontrar os melhores caminhos para o futuro dessa grande nação.
A gentileza da sua visita, logo no início do meu governo, e o longo histórico de amizade entre nossos povos me permitem avançar sobre dois temas que considero centrais nas futuras parcerias que fizermos: a educação e a inovação.
Aproximar e avançar em nossas experiências educacionais, ampliando nosso intercâmbio e construindo progresso em todas as áreas do conhecimento é uma questão chave para o futuro dos nossos países.
Na pesquisa e inovação, os Estados Unidos alcançaram as mais extraordinárias conquistas nas últimas décadas, favorecendo a produtividade em diferentes setores econômicos. O Brasil, senhor presidente Obama, está na fronteira tecnológica em algumas importantes áreas, como a genética, a biotecnologia, as fontes renováveis de energia e a exploração do petróleo em águas profundas.
Combinar as nossas mais avançadas capacidades no campo da pesquisa e da inovação certamente trará os melhores frutos para as nossas sociedades. Tomo como exemplo o pré-sal, a mais recente fronteira alcançada pela tecnologia brasileira. Acreditamos que os enormes desafios de cada etapa da exploração dessas riquezas poderão reunir uma inédita conjunção do conhecimento acumulado pelos nossos melhores centros de pesquisa.
Mas, senhor Presidente, se queremos construir uma relação de maior profundidade é preciso também, com a mesma franqueza, tratar de nossas contradições.
Preocupam-me em especial os efeitos agudos decorrentes dos desequilíbrios econômicos gerados pela crise recente. Compreendemos o contexto do esforço empreendido por seu governo para a retomada da economia americana, algo tão importante para o mundo. Porém, todos sabem que medidas de grande vulto provocam mudanças importantes nas relações entre as moedas de todo o mundo. Este processo desgasta as boas práticas econômicas e empurra países para ações protecionistas e defensivas de toda natureza.
Somos um país que se esforça por sair de anos de baixo desenvolvimento, por isso buscamos relações comerciais mais justas e equilibradas. Para nós é fundamental que sejam rompidas as barreiras que se erguem contra nossos produtos – etanol, carne bovina, algodão, suco de laranja, aço, por exemplo. Para nós é fundamental que se alarguem as parcerias tecnológicas e educacionais, portadoras de futuro.
Preocupa-me igualmente a lentidão das reformas nas instituições multilaterais que ainda refletem um mundo antigo. Trabalhamos incansavelmente pela reforma na governança do Banco Mundial e do FMI. Isso foi feito pelos Estados Unidos e pelo Brasil, em conjunto com outros países. E saudamos o início das mudanças empreendidas nestas instituições, embora ainda que limitadas e tardias, quando olhada a crise econômica. Temos propugnado por uma reforma fundamental no desenho da governança global: a ampliação do Conselho de Segurança da ONU.
Aqui, senhor Presidente, não nos move o interesse menor da ocupação burocrática de espaços de representação. O que nos mobiliza é a certeza que um mundo mais multilateral produzirá benefícios para a paz e a harmonia entre os povos.
Mais ainda, senhor Presidente, nos interessa aprender com os nossos próprios erros. Foi preciso uma gravíssima crise econômica para mover o conservadorismo que bloqueava a reforma das instituições financeiras. No caso da reforma da ONU, temos a oportunidade de nos antecipar.
Este país, o Brasil, tem compromisso com a paz, com a democracia, com o consenso. Esse compromisso não é algo conjuntural, mas é integrante dos nossos valores: tolerância, diálogo, flexibilidade. É princípio inscrito na nossa Constituição, na nossa história, na própria natureza do povo brasileiro. Temos orgulho de viver em paz com os nossos dez vizinhos há mais de um século, agora.
Há uma semana, senhor Presidente, entrou em vigor o Tratado Constitutivo da Unasul, que deverá reforçar ainda mais a unidade no nosso continente. O Brasil está empenhado na consolidação de um entorno de paz, segurança, democracia, cooperação e crescimento com justiça social. Neste ambiente é que deve frutificar as relações entre o Brasil e os Estados Unidos.
Senhor Presidente, quero dizer-lhe que vejo com muito otimismo nosso futuro comum.
No passado, esse relacionamento esteve muitas vezes encoberto por uma retórica vazia, que eludia o que estava verdadeiramente em jogo entre nós, entre Estados Unidos e Brasil.
Uma aliança entre os nossos dois países – sobretudo se ela se pretende estratégica – é uma construção. Uma construção comum, aliás, como o senhor mesmo disse no seu pronunciamento sobre o Estado da Nação.
Mas ela tem de ser uma construção entre iguais, por mais distintos que sejam esses países em território, população, capacidade produtiva ou poderio militar.
Somos países de dimensões continentais, que trilham o caminho da democracia. Somos multiétnicos e em nossos territórios convivem distintas e ricas culturas.
Cada um, a sua maneira, temos o que um poeta brasileiro chamou de “sentimento do mundo”.
Sua presença no Brasil, senhor Presidente, será de enorme valia nessa construção que queremos juntos realizar.
Uma vez mais, presidente Obama, bem-vindo ao Brasil."



Obama, Dilma e Michelle Obama visitam a exposição Mulheres Artistas e Brasileiras, no Palácio do Planalto, e posam ao lado do quadro Abapuru, de Tarsila do Amaral
Obama, Dilma e Michelle Obama visitam a exposição Mulheres Artistas e Brasileiras, no Palácio do Planalto, e posam ao lado do quadro Abapuru, de Tarsila do Amaral

Presidente do EUA desembarca ao lado da mulher, Michelle, e das filhas Malia e Sasha
Presidente do EUA desembarca ao lado da mulher, Michelle, e das filhas Malia e Sasha
Dilma Rousseff e Barack Obama cumprimentam crianças que se emocionaram na cerimônia oficial


Dilma Rousseff e Barack Obama discursaram novamente antes do almoço e finalizaram com um brinde




6 comentários:

  1. Dilma com pose de estadista. Gostei!

    ResponderExcluir
  2. A altivez da presidenta Dilma só dá orgulho

    ResponderExcluir
  3. Ana Almeida de Lima20 de março de 2011 17:55

    Cada vez mais fico mais fã de Dilma Rousseff. belo discurso

    ResponderExcluir
  4. Sebastião Feitosa20 de março de 2011 18:44

    O discurso de Dilma botou o de Obama no chinelo

    ResponderExcluir
  5. O melhor discurso
    de Obama enalteceu a guerrilheira
    21/03/2011


    O Conversa Afiada seleciona trechos do melhor discurso de Obama no Brasil: o do Teatro Municipal, no Rio:

    No Brasil, vocês lutaram durante duas décadas, durante a ditadura, pelo mesmo direito de ser ouvido, pelo direito de ser libertado do medo. E, ainda assim, durante anos, a democracia e o desenvolvimento demoraram a se instalar. E milhões sofreram.

    Mas eu venho aqui hoje porque esses dias acabaram. O Brasil é uma democracia plena, um lugar onde as pessoas têm a liberdade de falar o que pensam e de escolher os seus líderes. Onde uma criança pobre de Pernambuco pode sair do chão de fábrica de cobre e chegar ao cargo mais alto do país.

    O progresso do povo brasileiro inspirou o mundo. Mais da metade dessa nação é hoje em dia considerada de classe média, milhões foram retirados da pobreza. Pela primeira vez, a esperança está voltando para o lugar onde o medo costumava reinar. Eu vi isso hoje quando visitei a Cidade de Deus.



    E esse país não é mais o país do futuro. As pessoas do Brasil têm que saber que o futuro chegou: é hoje, e é o momento de abraçá-lo. Nossos países nem sempre concordaram em tudo. E, assim como muitas nações, teremos diferentes opiniões no futuro. Mas estou aqui para dizer que o povo americano não apenas reconhece o sucesso do Brasil. Nós torcemos pelo sucesso do Brasil!



    Os milhões desse país que saíram da pobreza para a classe média não poderiam ter feito isso numa economia fechada, controlada pelo Estado. Vocês estão prosperando como um povo livre, com mercados abertos e um governo que responde a seus cidadãos. Vocês estão provando que a melhor maneira de atingir as metas de justiça social e inclusão social é através da democracia. A democracia é a maior parceira do progresso.



    Há décadas, justamente do lado de fora desse teatro, na Cinelândia, esse chamado por mudanças foi ouvido. Estudantes, artistas, políticos se uniram com faixas que diziam: “abaixo a ditadura, o povo no poder” . As aspirações democráticas só foram atingidas anos depois. Mas uma jovem que participou daquele movimento mudaria a História desse país para sempre.

    Filha de imigrantes, sua participação no movimento a levou à prisão. Foi torturada pelo próprio governo. Logo, ela sabe o que é viver sem o direito mais básico pelo qual tantos estão lutando hoje. Mas ela também sabe o que é perseverar, o que é superar, pois hoje essa mulher é a presidente desta nação, Dilma Rousseff.

    Esta guerrilheira que enfrentou a ditadura é a mesma que o Padim Pade Cerra descreveu no Clube da Aeronáutica, no Rio, numa reunião que ele fechou para a imprensa.
    Foi um Golpe frustrado.

    É a mesma guerrilheira que a Folha (*) tentou desconstruir com uma ficha policial falsa e a informação (falsa) de que ela pretendia sequestrar o Delfim Netto.

    Essa guerrilheira é um exemplo para brasileiros e, agora se vê, para americanos.

    Este Conversa Afiada espera que o Fernando Meirelles faça um “Cidade de Deus – II”, com a cidade pacificada.

    A embaixada frustrada do Obama poderia substituir a famosa sequência da galinha.

    Da mesma forma que espera o Padilha fazer um “Tropa de Elite – III” no Alemão.

    O Obama cuspiu os preconceitos contra a Dilma na cara da elite branca.

    Foi preciso ir ao Teatro Municipal (do Rio) para fazer isso.

    Antes tarde do que nunca.




    Em tempo: Obama percebeu o fenômeno da ascensão da Classe C, a nova classe média brasileira, obra do Nunca Dantes e da JK de saias. Como se sabe, o Fernando Henrique e o Cerra pensam que a Classe C fica entre a Primeira e a Executiva.


    Paulo Henrique Amorim
    www.conversaafiada.com.br/mundo/2011/03/21/o-melhor-discurso-de-obama-enalteceu-a-guerrilheira/

    ResponderExcluir
  6. A Dama de vermelho falou bonito. Eitá presidente retada.

    ResponderExcluir