Visualizações de página do mês passado

segunda-feira, 2 de julho de 2012

A festa de São João na ilha de São Luís é ópera de rua

  Duke 

Um auto brasileiro genuíno, sem similar em Portugal e África
Fátima Oliveira
Médica –
fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_



Parafraseando o saudoso artista maranhense Joãosinho Trinta, que disse que "Carnaval é ópera de rua", ouso afirmar que o São João na ilha de São Luís é ópera de rua cheia de encanto e magia. Há mais de 20 anos, eu não ia ao Maranhão nas festas juninas. A maior felicidade foi ouvir Clarinha dizer: "Quero ver boi, vovó!". E vimos muitos, cada um mais belo que o outro. É uma mineirinha que virou boieira. Sem falar que a turma dela do maternal dançou o "requebradinho". Em São Luís, há um arraial junino completo em cada escola.







É contagiante a alegria dos batalhões de bumba meu boi e seus inebriantes sotaques - de orquestra, de matraca, de zabumba, de batida costa de mão... Para Américo Pellegrini Filho, folclorista da USP, "é um dos folguedos mais representativos da cultura brasileira, pois reúne traços de três grandes ramos da formação do nosso povo: europeu, indígena e afro-negro".


 Dona Lô pontua que "bumba meu boi é coisa complexa, não apenas pelo sincretismo e pelas relações de poder que desvela", e que, no "Auto do Boi de Catirina e Pai Francisco", há mais do que supõe a nossa vã filosofia, pois "boi tem ciência. E é complexa... É uma ópera popular reveladora do inconformismo e da insubordinação. É toda uma cultura de resistência, proibida, durante um século, de se apresentar em ‘redutos de brancos’, o centro da cidade, e só chegava até o areal do ‘Caminho Grande’, hoje bairro do João Paulo".







 (Boi de Nina Rodrigues, 2010)


Melissa Alecrim, em "Bumba Meu Boi é Pura Cintilância", relembra que é uma ópera popular surgida no século XVI tipificada como um bailado popular dramático; um auto genuinamente brasileiro, sem similar em Portugal e África, em que se mesclam teatro, dança, música e circo; o "couro do boi" é ricamente bordado, de brilho incomum e beleza deslumbrantes, com brincantes de vestes cintilantes: brilhos, sedas, canutilhos, miçangas, paetês, purpurina, plumas, fitas e fitas...


( Festa de São Marçal, 2012)
( Basílica de São José de Ribamar)
  (Lava-bois, 2011)


E destaca que brincar boi não é apenas apresentá-lo no São João. Tradicionalmente, o boi passa por um ciclo de vida: ensaios, batismo, apresentações públicas e a morte. Teoricamente, em 30 de junho, dia de são Marçal, os festejos juninos são encerrados, há 85 anos, com a concentração de bois de matraca no João Paulo, porém, na semana seguinte há o lava-bois no balneário de São José de Ribamar, a 30 km da capital, surgido nos anos de 1950, festança que encerra o ciclo junino maranhense e abre os festejos julinos!





Há outras danças no São João maranhense, como tambor de crioula, danças portuguesa, francesa, cigana, do coco, lelê, cacuriá e as quadrilhas puxadas em francês impecável, numa diversidade de ritmos e de vestuários que encanta. As bebidas e comidas da época e as típicas, como arroz de cuxá e torta de camarão, exibem a orgia alimentar dos arraiais da ilha...






Para Ney Vilela, mestre em comunicação midiática, em "Festas Juninas: Rituais pagãos", as festas do quarteto de santos de junho (santo Antônio, são João, são Pedro e são Marçal) são pagãs, e não cristãs, pois são anteriores ao cristianismo: no confronto do solstício do meio do ano, o catolicismo perdeu para o paganismo.





"Os gregos festejavam os solstícios com bebedeiras homéricas e orgias dionisíacas. Rituais como beber, comer, pular fogueiras e dançar quadrilhas são herdados da sabedoria pagã e da filosofia grega". Embora sinais de fé cristã, como a elevação do mastro do santo e até procissões, se façam presentes em algumas regiões, "os rituais dionisíacos, típicos da cultura pagã, predominam no imaginário social".


 Publicado no Jornal OTEMPO em 03.07.2012

3 comentários:

  1. Fáááááátima, fiquei deslumbrada! A crônica é convidativa para conhecer os festejos juninos de São Luís que, pelo que entendi são lindos e bem diferentes do que se tornou o São João no restante do Nordeste e Norte

    ResponderExcluir
  2. Sandra dos Reis Mota3 de julho de 2012 23:04

    Fátima, não sei se é verdade, mas soube que os bois hoje em dia não interpretam no palco a totalidade do auto do boi; a estoria do pai Francisco e Catirina, apenas dançam as toadas do boi. É verdade?

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou para São Luís ver os festejos juninos de lá. Encantei-me , Fátima!

    ResponderExcluir