Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O belo da riqueza dos dialetos do português brasileiro

  [DUKE]
O modo de falar é diverso e deve ser respeitado!
Fátima Oliveira
Médica - fatimaoliveira@ig.com.br  @oliveirafatima_

Não faz muito tempo, em São Luís, capital do Maranhão, telefonei para uma amiga. O filho dela atendeu. "Diga à sua mãe que foi Fátima Oliveira, colega dela, quem telefonou. Desejo falar com ela antes de voltar para Belo Horizonte". Conforme o prometido, telefonei no mesmo dia e ela atendeu. Repetiu as palavras do filho: "Mãe, ligou uma amiga sua. Esqueci o nome, mas ela não é daqui, pois, tem uma fala estranha".

Belo Horizonte-MG


[Rua Conde de Linhares (A minha rua em Beagá!) Maria Teresa]

Aquilo martela, até hoje, em meu juízo. Após um quarto de século em Beagá, com uma passagem de quatro anos por Sampa, acostumei-me à pergunta "Você é de onde?", mal abro a boca; logo, fiquei assustada de ser ouvida como uma "fala estranha" no meu Estado, o Maranhão! O ocorrido levou-me a estudar os dialetos do português falado no Brasil - variantes da língua, o tal sotaque, e não um modo de falar errado e execrável, pois se a grafia culta da língua é una, o modo de falar é diverso e deve ser respeitado!
O "pt-BR" - código de língua para o português brasileiro -, embora de grafia culta una, é um conjunto de variantes de modos de falar no Brasil desde 17 de agosto de 1758, quando o marquês de Pombal decretou o português como a língua oficial do Brasil e proibiu a utilização da língua geral, grosso modo, a "língua de contato" entre diferentes tribos indígenas e delas com os portugueses. Isto é, "uma língua franca entre contatos indígenas" que exerceu influências marcantes sobre a língua portuguesa europeia.
"A língua geral possuía duas variantes: a língua geral paulista: originária da língua dos ameríndios Tupi de São Vicente e do alto rio Tietê, que passou a ser falada pelos bandeirantes no século XVII. Dessa forma, ouve-se tal idioma em locais em que esses ameríndios jamais estiveram, influenciando o modo de falar dos brasileiros. O Nheengatu (ie’engatú = língua boa): uma língua tupi-guarani falada no Brasil e em países limítrofes - é uma língua de comércio, desenvolvida ou compilada pelos jesuítas portugueses nos séculos XVII e XVIII, fundamentada no vocabulário e na pronúncia tupinambá e que tem como referência a gramática da língua portuguesa, com vocabulário enriquecido com palavras do português e do castelhano".

O português brasileiro,
embora de grafia culta e una,
é um conjunto de modos de falar
desde quando Pombal decretou o português
como língua oficial


 (Igreja Católica, povoado Serra do Arapari-Senador La Rocque-MA)

Imperatriz-MA
Imperatriz (Igreja Santa Tereza D'Ávila - Imperatriz-MA)
(Imperatriz-MA, anos 1960)
 Imperatriz

A minha "fala estranha" faz com que eu seja estrangeira em todos os lugares, pois falo alguma coisa em que ninguém se reconhece - um problema de identidade linguística monumental do ponto de vista pessoal! Na Serra do Arapari, lá pras bandas do Barro Azul, atual Fazenda Santa Rita de Cássia - que já foi Imperatriz, depois João Lisboa e agora é Senador La Rocque -, que o povo chama de a Fazenda do Padre, sempre que chego lá o problema se avoluma de tal modo que nos primeiros dias preciso andar com o Tio Luís, o vaqueiro, tendo-o a tiracolo como tradutor, caso contrário, é arriscado fazer negócios errados, simplesmente por questões linguísticas!

João Lisboa-MA
ENTRADA DA CIDADE DE JOÃO LISBÔA-MA (Entrada de João Lisboa-MA, vindo de Imperatriz-MA, Foto de Nando Cunha)
  (Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, João Lisboa, MA)
IGREJA NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO  -  JOÃO LISBÔA-MA (Interior da Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Foto de Nando Cunha)
Igreja Assembleia de Deus em João Lisboa Maranhão. Abril/2011. (Igreja Assembleia de Deus, João Lisboa-MA. Foto de Nando Cunha)

Senador La Rocque-MA



Após uma semana, nada mais soa estranho e passamos a entender, e até a incorporar, os "hem-hem", "pucardiquê", "prumodiquê" etc. e tal, que compõem o linguajar sertanejo maranhense... Não é raro ter vontade de cavar um buraco no chão e nele entrar quando alguém indaga: "Ô Luís, o que mesmo a doutora quis dizer?".
O Biel tão logo se mudou pra lá, certo dia, irritadíssimo por não entender o que falara o frentista de onde paramos para abastecer o carro, disse-me: "Eu não entendo o que esse povo fala, mãe! Como morar aqui?". Usei toda a minha autoridade de mãe sertaneja: "‘Prestenção’, porque esse povo é o seu! E também não terá outro povo para trabalhar pra você, não!".
 [Graça Aranha-MA (ver: A dona Lô que aparece em meus escritos da Chapada do Arapari)]

Publicado no Jornal OTEMPO em 25.10.2011

LEIA + Comentários também em:
GELEDÉS LIMA COELHO
VIOMUNDO: Fátima Oliveira: A riqueza do “pt-BR” deve ser respeitada

14 comentários:

  1. Texto arretado! Nota mil

    ResponderExcluir
  2. Sempre fico emocionado quando leio sobre e de pessoas que não esquecem suas origens modestas, simples e populares.

    ResponderExcluir
  3. Maria do Socorro Feitosa Lima25 de outubro de 2011 13:23

    Mulher tu és uma sertaneja arretada, desavergonhada, aliás cultua as origens

    ResponderExcluir
  4. Fátima, que adorável a tua crônica!

    ResponderExcluir
  5. Putz, matou a pau!!!

    ResponderExcluir
  6. Mito 5 : O lugar onde melhor se fala português é o Maranhão

    Com o aumento da demanda internacional por algodão para atender a indústria têxtil inglesa e à redução da produção norte americana por causa da Guerra de Independência nos Estados Unidos, formou-se um cenário ideal para a produção algodoeira no Maranhão no século XVIII. Nesse período considerado a fase de ouro da economia maranhense, São Luís passou a viver uma efervescência cultural. A cidade, que se relacionava mais com as cidades européias do que com outras cidades brasileiras, foi a primeira a receber uma companhia italiana de ópera. Possuía calçamento e iluminação como poucas do país. As últimas novidades da literatura francesa eram recebidas semanalmente. É nessa fase que São Luís passa a ser conhecida por "Atenas Brasileira". A denominação decorre do número de escritores locais que exerceram papel importante nos movimentos literários brasileiros a partir do romantismo. Surgiu, assim, a imagem do Maranhão como o estado que fala o melhor português do país. A primeira gramática do Brasil foi escrita e editada na cidade por Sotero dos Reis . Mesmo nos dias atuais a cidade ainda tem uma grande vocação natural para a literatura e poesia. O que acontece com o português do Maranhão em relação ao português do resto do país é o mesmo que acontece com o português do Brasil e o de Portugal: não existe variedade mais pura, correta, mais bonita. Toda variedade lingüística é resultado de um processo histórico próprio, com suas vicissitudes e peripécias particulares. Se o português de São Luis no Maranhão conservou o pronome "tu" é porque nessa região aconteceu forte imigração de açorianos, cujo dialeto específico influenciou na variedade dessa região.

    http://preconceitolinguisticobrasil.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. O veio que Fátima Oliveira pegou para falar sobre o preconceito linguístico foi muito bom. Parabéns

    ResponderExcluir
  8. Fátima esses preconceitos contra o modo de falar de algumas regiões são terríveis. odeio quando alguém, crente que está abafando, repete o que falo com imitação.

    ResponderExcluir
  9. Maria das Graças Ferreira27 de outubro de 2011 20:49

    Nota dez! Temos de ser incansáveis na denúncia do preconceito linguistico

    ResponderExcluir
  10. Fátima, acabei de ver no Vermelho um comentário deplorável de uma conterrânea sua chamada Lígia, de Barra do Corda, dizendo que seu texto é esnobe. Nunca vi tanta quebração de porcelana, coitada!

    ResponderExcluir
  11. Pra quem quiser ler o comentário da Ligia e sabe ro que é analfabetismo funcional, ela mostrou o diploma:
    http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=4333&id_coluna=20

    ResponderExcluir
  12. Vixe que texto gostoso de ler...grata pela oportunidade Fátima!
    Um cheiro carinhoso.

    ResponderExcluir
  13. Clara Arruda Leite29 de outubro de 2011 13:43

    Fátima, parabéns. Como disse a Sanbahia, é gostoso de ler

    ResponderExcluir