Visualizações de página do mês passado

domingo, 24 de julho de 2011

Denise Paiva: Itamar Franco e a indignação contra a miséria

Denise Paiva e o presidente Itamar Franco, no lançamento do livro  "Era uma outra História: Política Social do Governo Itamar Franco: 1992-1994" (Editora UFJF), 1º de julho de 2009, no Museu de Arte Murilo Mendes/UFRJ, Juiz de Fora – MG.

Em outubro de 1992, ainda na interinidade, Itamar manifestou publicamente sua indignação: "Que modernidade é esta que produz tanta fome e tanta miséria?". Este contraponto inaugurou uma força sinérgica que integrou a confiança e a colaboração do novo governo com os setores populares e progressistas da sociedade brasileira, em especial com o Movimento pela Ética na Política.
Ficheiro:Rio Paraibuna Paulista.jpgRio Paraibuna, Juiz de Fora -MG
TRAJETÓRIA: Como foi a vida do homem que deixou Juiz de Fora para se tornar presidente
Juiz de Fora-MG
Na essência, esta manifestação do presidente liberou energias e identidades onde se reconhece o DNA do movimento de combate à fome e a miséria, que se deflagrou no país em 1993, por convocação e apoio incondicional do governo.
Movimento gerador de um modelo inédito de integração e responsabilidade compartilhada entre o governo e sociedade, Betinho foi símbolo e ícone desta inédita e saudosa mobilização cívica de amplitude nacional pelo impeachment da fome, arquitetada pela engenharia política de Itamar.

" Itamar manifestou publicamente sua indignação: Que modernidade é esta que produz tanta fome e tanta miséria? "






Itamar teve a sabedoria e humildade de ouvir e incorporar sugestões vindas de fora do governo, e construir no âmbito governamental propostas com consistência técnica capazes de ganhar o respeito e adesão da sociedade. Ainda em outubro de 1992 reuniu-se com a Frente Nacional de Prefeitos, coordenada pela prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, e acatou um conjunto de sugestões, dentre as quais a retomada e descentralização da merenda escolar e a administração dos estoques de alimentos, alvos de desvios, desperdício e corrupção.
Foi histórica, em 11 de janeiro de 1993, a reunião do presidente com os ministros da área social - Walter Barelli no Ministério do Trabalho, Antonio Brito na Previdência, Jamil Haddad na Saúde, Mauricio Correa na Justiça e Murilio Hingel na Educação - onde pela primeira vez foram convocados presidentes do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal para se engajarem na política social.

"Itamar teve a sabedoria e humildade de ouvir e incorporar sugestões vindas de fora do governo "






O combate à fome torna-se eixo prioritário e articulador com participação do Partido dos Trabalhadores. Lula junto e mediado pelos senadores Pedro Simon e Eduardo Suplicy, ainda em janeiro de 1993, sobe a rampa do planalto pela primeira vez.
Lula entrega um documento elaborado pelo governo paralelo do PT em 1992. Este documento trazia diretrizes e ações, das quais muitas já vinham sendo planejadas e implementadas, mas tinha a novidade que era a criação do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), símbolo maior da política social do governo Itamar.
Grupo de trabalho com representantes do governo e da sociedade formataram o Plano de Combate à Fome e a Miséria com a participação de todos ministérios e agregaram ao mesmo o "Mapa da Fome", elaborado pelo Ipea. O Brasil tomou conhecimento que 32 milhões de brasileiros passavam fome.
O Consea, instalado em 13 de maio de 1993, foi presidido durante todo o tempo por Dom Mauro Morelli, bispo de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Com uma visão religiosa libertária e comprometida com as lutas populares deu uma contribuição inestimável a todo esse processo ao lado de Dom Luciano Mendes de Almeida, presidente da CNBB, conselheiro do Consea e uns dos grandes articuladores da Ação da Cidadania junto com Betinho.
Em 24 de junho de 1993, Itamar cede o horário privativo ao Presidente da República e dá vez e voz à sociedade pela primeira e única vez na história do Brasil. Mais uma vez, uma mudança de paradigma quebra a liturgia do poder. Betinho e Dom Mauro, em rede oficial de rádio e TV, convocam os brasileiros a participarem da Ação da Cidadania Contra a Fome a Miséria e pela Vida, naquele dia formalizada. Milhares de comitês, milhares de militantes, inspirados e movidos por um gigante da sociedade, com o corpo fragilizado pelo vírus do HIV, Herbert de Souza.
Natal sem Fome, Lei Orgânica da Assistência Social, Erradicação do Trabalho Infantil, Genéricos, Plano Real, Reforma Agrária, foram tantas as realizações e conquistas que me fizeram escrever "Era Outra História". Para me ajudar convidei pessoas que não só fizeram esta história, mas se uniram e ainda estão unidas numa mesma dimensão do agir e de pensar por um tempo onde o econômico seja um meio e não um fim como acreditava e ensinava o presidente Itamar.

* Denise Paiva - Assistente Social e ex-assessora de Itamar como prefeito, senador Constituinte e presidente da República. (14.07.2011)
LEIA +:O legado de Itamar Franco

FONTE:Tá lubrinando – escritos da Chapada do Arapari

Indicação de leituras:
(Editora UFJF)

"Pelas moedas de ouro da amizade", Itamar por Denise - Fátima Oliveira
 DUKE

12 comentários:

  1. Débora Cardoso Magalhães24 de julho de 2011 13:51

    Uaaaaaaaaaaau, Valeu Denise! Maravilha que você e Fátima Oliveira bateram o maior papão. Adorei teu artigo e ele valioso porque voc~e é testemunha ocular da historia de Itamar Franco presidente.

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, gostei muitísimo do seu artigo. Espero que você escreva mais sobre o presidente Itamar Franco.

    ResponderExcluir
  3. Maria Aparecida Damasceno24 de julho de 2011 18:43

    Parabéns Denise!

    ResponderExcluir
  4. Então a Denise Paiva existe e apareceu?
    Gostei muito de seu artigo.

    ResponderExcluir
  5. Cara Denise Paiva, repito aqui comentário que fiz no artigo da Dra. Fátima Oliveira, "Pelas moedas de ouro da amizade", Itamar por Denise":
    "Parabéns. Itamar foi um presidente nota dez"

    ResponderExcluir
  6. Gabriela Damasceno Correia24 de julho de 2011 23:52

    Olá Denise, dia 14 de julho escrevi um comentário no artigo da Fátima Oliveira sobre o presidente Itamar. como o Waldir Pimenta, vou repeti-lo aqui:

    "Eu nunca havia ouvido falar em Denise Paiva. Talvez por ser muito jovem (19 anos). Mas fiquei encantada com ela e gostaria que ela escrevesse sobre a face Itamar-amigo. Tenho enorme admiração por ele, pelo papel que teve de acolhimento da juventude em seu governo."

    ResponderExcluir
  7. Josemar Barros Trindade25 de julho de 2011 09:40

    Denise teu artigo, como o de Fátima Oliveira, faz justiça a um homem público inatacável.

    ResponderExcluir
  8. Maria Letícia Nunes25 de julho de 2011 19:09

    Fiquei muito feliz ao ler seu artigo porque eu sempre tive um carinho enorme pelo presidente Itamar Franco. Acho que a grande mídia insiste em não reconhecer o papel dele enquanto presidente. Mas o MST disse muito bem naquela carta quando ele morreu. Foi claro, foi o único presidente até agora que considerou a reforma agrária um caso de política e não de polícia, na prática. Porque Lula e Dilma até agora só ficam no discurso. O MST que o diga.

    ResponderExcluir
  9. Denise Paiva e Fátima Oliveira fiquei encantada com ambas. Devem ser mulheres de fibra. Guerreiras e, sobretudo, GENTE

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Denise!

    ResponderExcluir
  11. Oi Denise, a Fátima fez uma proposta, - em "Pelas moedas de ouro da amizade", Itamar por Denise - lembra?
    Ela disse: Denise: falta um livro para o povo conhecer mais quem ousou ser um aldeão tolstoiano - "Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia" -, falando: "O poeta Fernando Pessoa dizia que ‘o Tejo é bonito, porém mais belo é o rio que passa na aldeia da gente’. Eu prefiro o rio Paraibuna ao lago Paranoá".
    E aí, o que vc nos diz?

    ResponderExcluir
  12. Confesso que o presidente Itamar Franco pra mim não fedia e nem cheirava, no aspecto de achá-lo isso ou aquilo, apenas sempre soube que era um homem honrado; que não era um ladrão, como muitos ex-presidentes. E ser honesto, que é obrigação dos políticos, mas é uma qualidade bem rara, era amarca que eu tinha dele. Só me interesei por ele, enquanto personagem política depois que morreu. E digo foi um dos grande shomens públicos do nosso país. É preciso buscar formas do Brasil reverenciar sua memória como político, como homem e como amigo.

    ResponderExcluir