Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 17 de maio de 2011

O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher vai calar?

Ministra Iriny Lopes, da Secretaria de Políticas para as Mulheres e presidenta do CNDM
Abdelmassih fugiu; todo mundo sabia o final da ópera
Fátima Oliveira
Médica -
fatimaoliveira@ig.com.br

O que pensa sobre Roger Abdelmassih o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM)? Como cidadã, quero saber. O CNDM vai ou não exigir do governo as medidas cabíveis para proteger mulheres e homens nos processos de fertilização in vitro (FIV) e as crianças nascidas por tais meios? Ou o CNDM age agora ou feche a suas portas para sempre.
Ficheiro:Map of Lebanon.png

O "rei da paternidade" fugiu. Mas quem era que achava que alguém, pelo que a mídia relata, desprovido de escrúpulos de qualquer ordem, configurando uma personalidade sociopata, condenado a quase 300 anos de cadeia, ia esperar ser preso tomando uma fresca, numa cadeira de balanço?
De mamando a caducando, todo mundo sabia o resumo e o final da ópera. Deve estar agora com sua consorte palitando os dentes à beira do Mediterrâneo, arrotando caviar. Por que permitiram que fugisse?


O fugitivo é matéria de capa da última revista "Época" (16.5.2011): "Exclusivo: A clínica do horror", com algumas chamadas que falam por si: "Pais descobriram que os bebês concebidos com a ajuda do fugitivo Roger Abdelmassih não eram seus filhos biológicos"; "O casal que recebeu R$ 600 mil para ficar em silêncio"; e "Um cientista que frequentava o laboratório denuncia manipulação genética...".



A matéria extrapola o que a imaginação é capaz de supor. Fiquei atônita, enojada, nauseada e... vomitei. Sou autora de um livro sobre o tema: "O ‘Estado da Arte’ da Reprodução Humana Assistida em 2002 e Clonagem e Manipulação Genética Humana: Mitos, Realidade, Perspectivas e Delírios", publicado pelo Ministério da Justiça e pelo CNDM em 2002, uma demonstração de que o tema àquela época preocupava o órgão e sua presidente, Solange Bentes Jurema. Depois de 2002, o CNDM nunca mais se interessou, pelo menos publicamente, pelo assunto.

Solange Bentes Jurema

Chegou a hora. A hora é agora! Não é de hoje que várias feministas escrevem sobre as angústias que nos causam as clínicas de reprodução humana no Brasil, discurso que não ecoa junto às autoridades nem mobiliza o CNDM!
Em "As novas tecnologias reprodutivas conceptivas a serviço da materialização de desejos sexistas, racistas e eugênicos?", citei o fugitivo: "Só para ilustrar, ouçamos o dr. Roger Abdelmassih, em entrevista à revista ‘Domingo’, do JB (‘O rei da paternidade’, 30.6.1996), sobre a rigorosa seleção de óvulos para que resultem em bebês belos. Quando indagado se existe algum tipo de seleção dos óvulos doados, Abdelmassih disse: ‘A seleção é feita entre óvulos doados por nossas pacientes. Por ano, são feitos aqui na clínica 600 ciclos de fertilizações, ou seja, 600 mulheres recebem embriões. A média é de 50 por mês. Nesse universo de pacientes, metade é de mulheres com menos de 30 anos. Dessas, 60% a 70% concordam em doar seus óvulos. A seleção é feita a partir desse universo. O estudo é feito não só a partir do fenótipo (conjunto de características da pessoa). Tenho de achar mulheres de fenótipo bonito’.
Como resposta à pergunta por que os óvulos das mulheres feias não são escolhidos, explicou: ‘Não é assim. Tenho que olhar as características de quem vai receber. Não sou nenhum juiz de beleza, mas há mulheres extraordinariamente feias que têm direito a viver e reproduzir. Mas não vou pedir para serem doadoras. A receptora sempre pergunta como são os óvulos. Não vou exigir nenhum padrão de beleza internacional. As doadoras são mulheres normais e com características semelhantes às de quem vai receber o óvulo, para evitar que as crianças tenham características diferentes das dos pais’". Chega, não?

Publicado no Jornal OTEMPO em 17.05.2011

+ Fátima Oliveira: 
Sobre Roger Abdelmassih:
 1. Sociopatas não são doentes, seus crimes devem ser punidos (25.08.2009)
 2. Sob os signos da vitória da condenação de Abdelmassih (30.11.2010)
 
. Sobre CFM e bebês de proveta:
 1. O bebê de proveta envolto ainda pelas neblinas de Siruiz (11.01.2011)

Leia comentários também em:
LIMA COELHO   e  VI O MUNDO 

Medicina (05.07.2004)
 A dádiva do 21
Rafaela, a garotinha do 21 que é a cara de Ana Paula Arósio, nasceu em 21 de junho de 2000 após uma luta de 7 anos de seus pais para engravidar
Gisele Vitória
foto
: Wellington Cerqueira


Rafaela com os pais Cláudia e Rogério.
No detalhe, com Ana Paula Arósio
Rafaela Belinello Romolo comple-
tou quatro anos segunda-feira 21. Sua mãe, a pedagoga Cláudia, até brinca que recorrerá à numerologia. A linda garotinha que faz o 21 da Embratel e é a cara da atriz Ana Paula Arósio é fruto de uma luta de sete anos de seus pais para ter um filho. Em 1999, Cláudia e o marido Rogério Romolo, supervisor de vendas da Tintas Coral, conseguiram engravidar após a primeira tentativa de fertilização in vitro com Roger Abdelmassih. “Temos loucura por ele”, diz Rogério. A fertilização não foi cobrada, exceto um remédio necessário para o tratamento. “Vendemos nosso Uno para comprá-lo”, conta Cláudia, que sofreu três abortos antes do tratamento.

Grávida de um mês, Cláudia teve descolamento de placenta e precisou ficar de cama quatro meses por recomendação médica. “Fiquei deitada mais três meses por minha conta. Queria a Rafaela de qualquer jeito”, conta. Sucesso nacional e com o rosto espalhado em out-doors, Rafaela tem um contrato de dois anos com a Embratel e vive sendo reconhecida nas ruas. “Outro dia brincaram com ela na rua. Rafaela levou numa boa e a ainda falou: ‘Faz um 21’.” Dias atrás, mãe e filha foram visitar a clínica, a convite do médico que ajudou a gerá-la. “Ele queria conhecê-la pessoalmente. Foi emocionante”, diz Cláudia.
Leia também: Doutor fertilidade

o Símbolo da Justiça e do Direito
20 de maio de 2011 às 17:41

Ministra pede punição de Roger Abdelmassih por manipular embriões e abuso sexual

por Conceição Lemes
Roger Abdelmassih, o “rei da paternidade”, está condenado a 278 anos de cadeia. Ele foi preso, mas graças a um habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ele foi solto e acabou fugindo do Brasil. Hoje é um foragido da Justiça.
No último final de semana, a revista Época publicou a reportagem “A clínica do horror”, que torna público outras monstruosidades daquele que já foi médico queridinho de 99,99% da mídia brasileira e das celebridades.
Como bem observa Fátima Oliveira no artigo O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM) vai calar?, algumas chamadas da matéria falam por si: “Pais descobriram que os bebês concebidos com a ajuda do fugitivo Roger Abdelmassih não eram seus filhos biológicos”; “O casal que recebeu R$ 600 mil para ficar em silêncio”; e “Um cientista que frequentava o laboratório denuncia manipulação genética…”.
No seu artigo, Fátima cobra uma posição do CNDM: “Como cidadã eu quero saber: O CNDM vai ou não exigir do governo as medidas cabíveis para proteger mulheres e homens nos processos de fertilização in vitro (FIV) e as crianças nascidas por tais meios?
Como jornalista e cidadã, eu também. Tanto que desde o início desta semana tento saber da ministra Iriny Lopes, da Secretaria de Política para as Mulheres (SPM), ligada à presidência da República, que medidas serão adotadas em relação ao caso.
Pois a assessoria de imprensa da ministra acaba de responder a esta repórter, informando que ela solicitou ao Ministério Público do Estado de São Paulo a “imediata e rigorosa punição do médico Roger Abdelmassih, acusado de praticar crimes de abuso sexual de mulheres e a manipulação indevida de material genético.”
Em outro documento, enviado ao Conselho Regional de São Paulo (Cremesp), a ministra “pediu a cassação definitiva do registro de Roger, em virtude da prática de crimes cometidos no exercício da profissão de medicina”.
A questão agora é prendê-lo. Mas como e onde?

Segue a íntegra da resposta da assessoria de imprensa da SPM
A ministra Iriny Lopes, Secretaria de Política para as Mulheres (SPM) encaminhou, nessa quinta-feira (19/05), um oficio ao Ministério Público de São Paulo solicitando a imediata e rigorosa punição do médico Roger Abdelmassih, acusado de praticar crimes de abuso sexual de mulheres e a manipulação indevida de material genético.
Em outro documento remetido ao Conselho Regional de Medicina Paulista, a ministra pediu a cassação definitiva do registro de Roger, em virtude da prática de crimes cometidos no exercício da profissão de medicina.
A SPM, que acompanha o caso desde de 2009, reitera nos documentos pedido para que o Poder Judiciário adote providências efetivas e que o acusado seja responsabilizado pelos crimes praticados.
Nesse sentido, a SPM, que têm por compromisso desenvolver políticas públicas de enfrentamento à violência e discriminação contra as mulheres, vem somar-se ao clamor da sociedade brasileira e dos movimentos feministas e de mulheres para que a justiça seja plena e os direitos humanos das mulheres sejam garantidos.
<><><> <><> <><><>  <><> <><><> <><><><> <>

23 de maio de 2011 às 14:01

Roger Abdelmassih é cassado definitivamente

por Conceição Lemes

Em agosto de 2010, Roger Abdelmassih teve o registro de médico cassado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), em decorrência de abuso sexual praticado contra pacientes. Ele recorreu. Não obteve êxito. No dia 20 de maio, o Conselho Federal de Medicina (CFM) homologou a decisão do Cremesp. Roger Abdelmassih está cassado definitivamente.
A decisão refere-se a apenas um dos 51 processos contra Roger no Cremesp. Supondo que o CFM não tivesse homolagado essa primeira decisão, ainda existiriam outros 50 processos.
Curiosidade: O CFM homologou a cassação apenas no dia 20 de maio. No dia 19, a ministra Iriny Lopes, da Secretaria de Políticas de Mulheres, enviou nota ao MP-SP, pedindo a punição rigorosa dele por manipulação de embriões e abuso sexual, e ao Cremesp,requerendo a cassação definitiva.
O x da questão é localizar e prender o foragido. Roger esteve preso mas foi solto graças a habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Circulam informações de que ele estaria no Líbano.

Leia aqui o artigo de Fátima Oliveira cobrando posição do Conselho Nacional dos Direitos da Mulheres sobre as práticas de abuso sexual e manipulação de material genético por Roger Abdelmassih: Até quando o CNDM vai se calar?

25 comentários:

  1. Rosilda Borges Lameiras17 de maio de 2011 08:04

    Alguém pode me dizer pra que serve esse Conselho Nacional dos Direitos da Mulher? Pensei até que tivesse acabado, de tão apagado que está. Mas realmente ainda não acabou. Consultei o site www.sepm.gov.br

    Conselho Nacional dos Direitos da Mulher - CNDM

    O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM) foi criado em 1985, vinculado ao Ministério da Justiça, para promover políticas que visassem eliminar a discriminação contra a mulher e assegurar sua participação nas atividades políticas, econômicas e culturais do país.

    De 1985 a 2010, teve suas funções e atribuições bastante alteradas. Em 2003, passou a integrar a estrutura da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres da Presidência da República, contando em sua composição com representantes da sociedade civil e do governo, o que amplia o processo de controle social sobre as políticas públicas para as mulheres.

    É também atribuição do CNDM apoiar a Secretaria na articulação com instituições da administração pública federal e com a sociedade civil.
    http://www.sepm.gov.br/conselho

    ResponderExcluir
  2. Há quinze anos Roger Abdelmassih estupra mulheres com a ajuda dos médicos
    28/agosto/2009 11:23

    Não fosse a omissão dos colegas, ele poderia estar na cadeia há muito tempo

    . Para uma reportagem no Domingo Espetacular, da Record, entrevistei mulheres estupradas por Roger Abdelmassih.

    . Todas elas bateram na porta do Conselho Regional de Medicina de São Paulo, o Cremesp, para denunciá-lo.

    . Eram recebidas não como vítimas, mas como quase-criminosas.

    . Uma delas mereceu a seguinte pergunta de uma médica a serviço do Cremesp: ele (o Dr Roger, o estuprador) ligou para a senhora no fixo ou no celular ?

    . Na comunidade dos médicos de São Paulo, muitos sabiam que o Dr Roger estuprava pacientes.

    . Uma entrevistada me contou que foi a outro médico e ao narrar os crimes do Dr Roger, foi recebida com uma reação de naturalidade e frieza.

    . Ora, todo mundo sabe disso, disse o novo médico.

    . Quer dizer, os médicos de São Paulo são responsáveis, pela omissão, por crimes que o Dr Roger cometeu, pelo menos, ao longo dos últimos quinze anos.

    . Há quinze anos, uma das vítimas, Vanuzia Leite Lopes, contou tudo ao Cremesp.

    . Outra paciente, que a Folha (*) – clique aqui para ir à pagina C1 – chamada de Cristina, foi ao Cremesp em 1998.

    . E o Dr Roger, impune, a estuprar mulheres dopadas e a atacar mulheres não dopadas.

    . Agora, com a casa arrombada, quando a opinião pública já sabia dos estupros, o Cremesp se sentiu na obrigação de suspender o direito de o Dr Roger continuar a estuprar.

    . O Ministério Público arrolou como testemunha – o crime está prescrito – uma jovem que, em Campinas, no início da carreira dele, em 1970, chegou com dores nos rins.

    . Ele era residente de Urologia.

    . Ele enfiou um tubo na vagina da jovem. Por que ?

    . Percebeu que ela era virgem.

    . E perguntou quanto ela queria para que ele pudesse deflorá-la.

    . O Ministério Público bem que poderia ter uma conversinha com o Cremesp.

    . O Cremesp está ali para ajudar os pacientes, ou acobertar crimes ? – pergunta elementar.

    . O Dr Roger fazia o que fazia porque contava com a impunidade.

    . Ele era o médico das estrelas, o médico “Caras”.

    . Segundo vítimas que entrevistei, não tinha nada de louco ou tarado.

    . Era um homem normal, dos nossos tempos (*): que gosta de dinheiro e mulheres.

    . Às mulheres constrangidas, ele dizia: você deve se sentir honrada por eu me interessar por você.

    . E se dizia enviado por Deus.

    . Assim que recebeu ordem de prisão, o Dr Roger correu para o banheiro: teve um desarranjo intestinal.

    . Foi preso no banheiro de seu gabinete, com as calças na mão.

    . A primeira reação que teve, ao entrar no carro da Polícia, foi dizer: “perdi a minha clínica”.

    . Era um empresário.

    . Bem sucedido.

    . Que contava com a omissão da sociedade.

    . Do Cremesp, por exemplo.

    Paulo Henrique Amorim
    http://www.conversaafiada.com.br/antigo/?p=17042

    ResponderExcluir
  3. Esperamos que a ministra da mulher, Iriny Lopes, seja sensível aos clamores para que se pronuncie e leve à presidenta Dilma Rousseff esta demanda: mais segurança para as mulheres, homens e crianças na Reprodução Humana Assistida

    ResponderExcluir
  4. O referido senhor causou uma grande mal aos profisisonais sérios da área

    ResponderExcluir
  5. É um filme de terror. Só que aconteceu mesmo

    ResponderExcluir
  6. Depois dessa chamada bem no gogó, o esperado é que fale. É triste que o CNDM precise de chamada para se pronunciar num caso tão escabroso como esse

    ResponderExcluir
  7. Um maranhense P da Vida17 de maio de 2011 12:54

    Estou cansada de tanta impunidade. Olhem o que o Sarney acabou de nos tirar do bolso:

    Sarney gasta R$ 23 mil com jantar e Casa paga conta
    Após valor ser revelado, senador anunciou que pretende reembolsar os cofres públicos pela despesa
    7/05/2011 10:44

    Casa diz que Sarney já planejava reembolsar os valores
    Diretoria administrativa do Senado empresta metade dos servidores

    O Senado pagou R$ 23,9 mil por um jantar na residência oficial do presidente da Casa, José Sarney (PMDB), em homenagem ao ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), César Asfor Rocha. Após a conta ter sido revelada ontem pela organização não governamental (ONG) Contas Abertas, Sarney decidiu ressarcir a Casa.

    Como a legislação obriga licitação para compras e prestação de serviços acima de R$ 8 mil, os empenhos pagos pelo Senado foram divididos em buffet, bebidas e decoração. Os valores de R$ 7.990, R$ 7.944 e R$ 8 mil foram pagos a três empresas diferentes. Duas delas, porém, têm o mesmo telefone e endereço.

    Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação informou que Sarney já havia tomado a decisão de ressarcir a Casa na semana passada ao ser informado dos valores gastos para a recepção. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/sarney+gasta+r+23+mil+com+jantar+e+casa+paga+conta/n1596960127199.html

    ResponderExcluir
  8. Antes de escrever o comentário procurei na internet e não encontrei alguma fala da atual ministra da mulher ou mesmo de conselheiras do CNDM sobre o assunto e nada! Fiquei tristee
    revoltada.

    Para não dizer que não encontrei nada no Site da SMP há uma nota datada de 25 de agosto de 2009 sobre o assunto. Depois, mais nada!!!!
    Quer dizer a ministra era Nilcéia Freire e as conselheiras eram outras!!!

    SPM se solidariza com as mulheres que denunciaram o médico Roger Abdelmassih e espera rigorosa punição

    Data: 25/08/2009


    A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) e Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM) se solidarizam com as dezenas de mulheres brasileiras que romperam o silêncio ao denunciar os crimes de abuso sexual cometidos pelo médico Roger Abdelmassih. Este é um caso emblemático de violação de direitos das mulheres e, por esse motivo, acreditamos na seriedade das investigações policiais e na Justiça para garantir a rigorosa punição do agressor.

    Por ser um crime cometido por um médico no exercício da profissão, confiamos nas providências a serem tomadas pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) e pelo Conselho Federal de Medicina quanto à cassação do registro profissional do médico Roger Abdelmassih.

    Nesse sentido, a SPM e o CNDM, que têm por compromisso desenvolver políticas públicas de enfrentamento à violência e discriminação contra as mulheres, vêm somar-se ao clamor da sociedade brasileira e dos movimentos feministas e de mulheres para que a justiça seja plena e os direitos humanos das mulheres sejam garantidos.


    comunicação Social SPM

    http://www.sepm.gov.br/noticias/ultimas_noticias/2009/08/not_spm_solidaria_mulher/?searchterm=Roger Abdelmassih

    ResponderExcluir
  9. Denúncia perfeita de uma omissão do CNDM e da ministra da mulher

    ResponderExcluir
  10. Ana Helena Fraga17 de maio de 2011 18:28

    Fáááááátima, muito bem!

    ResponderExcluir
  11. Bernadete Siqueira17 de maio de 2011 20:06

    Como mulher só tenho a me orgulhar da sua lucidez e coragem. Ah, eu sou apaixonada por Dona Lô!

    ResponderExcluir
  12. O que mais me deixou chocadas na matéria da Época foi dizerem que há tráfico de óvulos, de embriões. Manipulação genética também é chocante.
    Pensemos bem sobre essa parte da matéria da Época assinada por Cristiane Segatto:
    "Que preço estamos dispostos a pagar?"
    "Hoje, além de ter sido condenado por crimes de estupro e abuso sexual, ele também poderia ser acusado de estelionato (ao enganar seus pacientes), de tentativa de aborto e de praticar técnicas que ferem as resoluções do CFM. É importante lembrar que sempre fez isso publicamente. Oferecia aos casais a opção de escolher o sexo do bebê. Deu entrevista na TV e apareceu em reportagens na imprensa declarando que fazia isso. É acusado também de fazer manipulação genética, por oferecer a suas clientes uma técnica conhecida como rejuvenescimento de óvulos, em que o citoplasma do óvulo de uma mulher mais jovem é injetado no óvulo de uma paciente mais velha. Depois da fecundação, a técnica pode gerar um embrião com patrimônio genético do pai e de suas mães. Ele anunciou, orgulhoso, esse método em diferentes órgãos de imprensa e no site da clínica. A técnica só passou a ser considerada crime em 2005, com a aprovação da Lei de Biossegurança. Antes disso, Abdelmassih era só um “marqueteiro” que fazia os concorrentes morrer de inveja ou de vergonha. Nunca foi punido. Simplesmente porque as práticas que anunciava não configuravam crime.

    Ele é acusado também de praticar eugenia, porque teria oferecido a casais a possibilidade de escolher características físicas do bebê, como cor de olhos ou cabelos. É possível que isso tenha sido mesmo ofertado, mas aí o caso assume ares de charlatanismo. No mundo todo, as clínicas de reprodução ainda não dispõem de uma técnica capaz de produzir a cor dos olhos e dos cabelos de um embrião. Essas características são determinadas por vários genes, espalhados por diversos cromossomos".
    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI233363-15230,00-QUE+PRECO+ESTAMOS+DISPOSTOS+A+PAGAR.html

    ResponderExcluir
  13. Josimar Amaral Jorge17 de maio de 2011 22:17

    Dra. Fátima Oliveira, já perdi tudo o que eu tinha correndo atrás do sonho de um filho, mas não consegui. O que mais encontrei nesse meio de beb~e d eproveta foi médicos sem escrúpulos. Minha vida de tudo por um filho daria uma história de terror. Quero, sobretudo, parabenizá-la pela sua coragem e luta. Continue para que outras pessoas não sejam obrigadas a sofrer o qe eu e minha esposa sofremos. Temos um filho adotivo que é nossa alegria hoje, mas até chegarmos à conclusão de que poderáimos adotar passamos mais de uma década de via-sacra nas mãos de muitos bandidos.

    ResponderExcluir
  14. Sópara dizer que eu também fiquei muito impessionada depois de ler as matérias da Época. Acho também que um órgão como o Conselho Nacional das Mulheres não pdoe se omitir como se omitiu até agora, colcoando em seu site uma nota de solidariedade ainda em 2009. E depois não mais s epronunciou. Esse Conselho precisa pressionar o Ministério da Saúde para fazer uma lei que impeça as monstruosidades dessas clínicas sem ética, sem amor ao ser humano.

    ResponderExcluir
  15. Não compreendo muito dessas coisas de lei; do que pode e do que não pode em medicina, mas sei que as pessoas não podem ser prejudicadas e se há no governo um Conselho que defende os direitos da mulher, no caso do Rei da Paternidade esse Conselho ficou em falta para com os direitos das mulheres.

    ResponderExcluir
  16. Vilma Borges Pereira18 de maio de 2011 22:23

    O caso do Rei da Paternidade é exemplar de que é preciso regras, leis e ficalização nos bebês de proveta. É preciso banir essa gente sem escrúpulos que só pensa em ganhar dinheiro de modo desonesto. Todo meu apoio nessa luta porque fico tremendo só em pensar que há quem trafique óvulos e embriões e faça essa miséria toda que estamos tendo notícias que acontecia nessa clínica paulista. É um filme de terror

    ResponderExcluir
  17. Comentário que escrevi no VERMELHO:

    •Sobre a omissão do governo
    18/05/2011 9h17

    O artigo é muito claro. Determina responsabilidade muito claras também, às quais o ministério da saúde não pode se furtar. O Brasil necessita ter uma norma técnica para essas clínicas e uma lei dura e protetora no campo da reprodução assistida. Para nos livrar de bandidos, traficantes de embriões e de óvulos. Estou chocada que a ministra a mulher, já com cinco meses no cargo, não tenha se inteirado da situação e não tenha se pronunciado a respeito e nem feito gestões para que aquele senhor condenado fosse preso. O caso é de horror mesmo. Resta ao Ministro da Saúde e a ministra da mulhere dar apoio às famílias, no sentido de oferecer gratutitamente aquelas que assim o desejarem os eames de DNA para aferir maternidade e paternidade. Nem mais e nem menos.

    Matilde Franca
    Campinas - SP

    ResponderExcluir
  18. Não há limites para a maldade humana. O que muitas dessas clínicas fazem com essas mulheres é demais. E pior, elas pagam para serem maltratadas e nem percebem. É mesmo o TUDo por um filho carne de minha carne e sangue do meu sangue

    ResponderExcluir
  19. Estou totalmente de acordo com tudo o que a senhora escreveu. E mais, quando a ministra da mulher e o Conselho da Mulher vão falar? Precisa, não é?
    Me dá um ódio de pensar que esse sujeito está lá no Líbano, na beira do mar mediterrâneo, que se eu pudesse voaria até lá para prendê-lo.

    ResponderExcluir
  20. Trecho da reportagem
    "A fábrica da vida

    Desejados por pais aflitos, bebês são produzidos em laboratórios, pressionando os limites da ciência. São o símbolo da maior aventura humana
    .....
    SÍMBOLOS DE UMA REVOLUÇÃO
    Louise, na Inglaterra, e Anna Paula, no Brasil, inauguraram a geração proveta

    O nascimento da inglesinha Louise Brown, na madrugada de 25 de julho de 1978, causou alvoroço no Hospital Geral de Oldham, perto de Manchester. O que até então parecia ficção científica acabava de se tornar realidade: nascia o primeiro bebê de proveta do mundo. Com um bloqueio nas trompas, sua mãe, Leslie Brown, só conseguiu engravidar quando encontrou o embriologista Robert Edwards e o ginecologista Patrick Steptoe.

    No dia 7 de outubro de 1984, nascia no Brasil Anna Paula Caldeira. Sua mãe, Ilza Maria, tinha quatro filhos e não podia mais engravidar. Ao casar pela segunda vez, ela e o marido, o médico João Antônio, decidiram ter outro filho e procuraram o ginecologista Milton Nakamura, pioneiro da fertilização in vitro no Brasil, que morreu em 1997, ao desabar de uma sacada. Concebida em São Paulo, Anna Paula vive em São José dos Pinhais (PR). "Meu nascimento deu esperança para as mulheres que haviam perdido a esperança de engravidar", diz, orgulhosa.

    http://epoca.globo.com/edic/19980720/capa1.htm

    ResponderExcluir
  21. UM ROSTO CONTRA ABDELMASSIH
    20:12, 22/08/2009
    Paulo Moreira Leite
    Geral Tags: estupro, Medicina

    Como tantas pessoas, acompanho as denúncias contra Roger Abdelmassih, o médico que enfrenta 56 denúncias por estrupro e assédio sexual. Conheci o médico, há dois anos. Fiz uma longa entrevista com ele, visitei sua clínica e cheguei a ouví-lo falar, várias vezes, de suas convicções religiosas. As denúncias contra Abdelmassih são casos tão graves e escabrosos. No início, eu não conseguia acreditar no que lia nos jornais e ouvia na TV. Acho que é humano: certos comportamentos e atitudes são tão monstruosas, tão fora do padrão que consideramos dignos da condição humana, que demoramos a aceitar como reais. É mais confortável imaginar que são ocorrências imaginárias ou mesmo reações psicóticas. De certo modo, acredito, é uma forma de defender nossa sanidade, duvidar de fatos tão inaceitáveis que parecem loucura. Aprendi que toda pessoa é inocente até que se prove o contrário. Detesto pré-julgamentos. Mas confesso que está cada vez mais difícil duvidar das denúncias. Num belo trabalho de jornalismo, a revsita Época apresenta, hoje, o depoimento de uma vítima de Abdelmassih — com nome, rosto e uma história que tem repetido junto às autoridades desde 1994.

    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI89283-15228,00-EU+NAO+SOU+UMA+VITIMA+SEM+ROSTO.html

    ResponderExcluir
  22. Fátima de Deus que homem é esse? Não tenho estômago para aguentar tamanha monstruosidade.
    Credo em cruz, maranhense! O que Dona Lô acha disso tudo?
    Um cheiro.

    ResponderExcluir
  23. Fabrícia Costa Jacinto23 de maio de 2011 07:20

    O artigo nos fala de uma problema mais do que sério, que é o abuso de poder de uma médico que usa a sua posição de confiança da clientela para abusar dela em todos os sentidos e de modo criminoso. Como uma mulher tem coragem para acompanhar um criminoso desse tipo?

    ResponderExcluir
  24. Boms aber dos dois desdobramentos após seu artigo: a ministra da mulher tomou algumas medidadas e uma delas se concretizou: a cassação definitiva do registro de Roger Abdelmassih.

    ResponderExcluir
  25. Esse cara temd e ser preso. O que ele fez é monstruoso.
    Como é mostruoso que o governo tenha deixado ele fugir.

    ResponderExcluir