Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 13 de agosto de 2013

É hora de olhos de bem-te-vi e ouvidos de boi manhoso

Médico virou para-raios de governos irresponsáveis
Fátima Oliveira
Médica -
fatimaoliveira@ig.com @oliveirafatima_
 
São tantas coisas na política nacional que é difícil eleger um assunto. Então, vamos à bricolagem. Na atual avalanche, o “quente” é o propinoduto tucano, empacando até trens de última geração e espalhando penas pra todo lado. Sem espantos! Tucanos depenados nada sabem. É esperar os finalmente para o veredito. O procurador geral da República, Roberto Gurgel, indicou a cassação da governadora do Maranhão (Quem viver verá. Ou não!). É um espanto a postura do STF de dois pesos e duas medidas para cassar parlamentares: ora diz que, quando cassa mandato, é procedimento terminativo, ora a finalização cabe ao Congresso Nacional. Não há neurônio que suporte.
 
 


 

 O plebiscito, com seu DNA romano, continua na ordem do dia. Sem ele a reforma política vira miragem, e nós, o povo, continuaremos no sal... Há o Mais Médicos, prenhe de boas intenções e vícios de origem, de diversas ordens e dimensões, em especial a bondade com que Dilma riscou do seu caderno as leis trabalhistas. No Brasil, ninguém em pleno uso de suas faculdades mentais é contra a universalidade do SUS; o resto é firula, futrica e peso na consciência de quem poderia ter feito a coisa certa, mas, por onipotência afrodisíaca do poder, errou a mão! Puro mangue. Política é a arte do diálogo. Vale para entidades médicas e governo.
 
 
Thumb Daniel Callahan.jpg  (Daniel Callahan)
 

Em que pese a megalomania monumental do Ministério da Saúde ter chamado para si responsabilidades de municípios e Estados, a gestão da política de saúde, fica a pergunta: “pucardiquê”? Nem às deusas confesso. Cabe citar o bioeticista Daniel Callahan: “Se é fácil compreender que a saúde é um bem precioso e que uma população saudável constitui uma necessidade social e econômica, é difícil encontrar meios para aplicar uma política sanitária eficaz quando os recursos são escassos. Não existem dúvidas de que a saúde é um objetivo desejável, mas nem todo mundo está disposto a pagar para que se outorgue a prioridade devida”. (Salud Mundial, Ano 49, No. 5 set.-out./1996). Releia. Relembre sempre.


   Divulgação( "Carro de Boi", de Rui de Paula)


No Brasil, ninguém
em pleno uso
de suas faculdades
mentais é contra
a universalidade

do SUS; o resto é
firula, futrica


Há obrigações constitucionais para as três esferas de governo, e quem acredita em educação popular em saúde levou anos para vincar na consciência do povo, que difusamente introjetou, as competências de cada uma na atenção à saúde. O desserviço está feito, e o novo culpado, eternizado – e não se chama governo, atende pelo nome de médico, que virou bode expiatório e para-raios de governos irresponsáveis. Pero, agora que Inês é morta, é hora de “... Coração atrevido/Pernas de curioso/ Olhos de bem-te-vi/E ouvidos de boi manhoso...” (“Cavalo Bravo”, Renato Teixeira).
 
 

  Resta a quem teve a profissão vilipendiada aprender a arte de ser Mágico de Oz: atender desejos, sabendo que, “em casa em que falta pão, todo mundo briga e ninguém tem razão”. O que implica expor o mundo real da assistência médica para grandes massas populares, a desigualdade na atenção à saúde e reafirmar os referenciais básicos da eticidade dos serviços de saúde: o acesso universal; a compreensão do ser humano como unidade biopsiquicossocial; a equidade, compreendendo que, “se para algumas pessoas uma aspirina resolve suas doenças, outras necessitam de transplantes de órgãos”; e a qualidade da atenção compatível com a dignidade humana, sobretudo denunciando e repudiando como as mulheres são (des)tratadas nos serviços de saúde e como tais serviços (mal)tratam os negros, explicitando, que em qualquer lugar do nosso país, o primeiro exame para dor de barriga e dor de “estambo” ainda é o parasitológico de fezes, e não a endoscopia!



 PUBLICADO EM 13.08.13
FONTE: O TEMPO

7 comentários:

  1. Maria Eugênia Lima13 de agosto de 2013 09:15

    Uaaaaaaaaaau, uma crônica de mestra! Matou a pu com esse É hora de olhos de bem-te-vi e ouvidos de boi manhoso

    ResponderExcluir
  2. Matou a pau. É isso mesmo

    ResponderExcluir
  3. Espalhou penas pra todo lado. É esperar as reações raivosas

    ResponderExcluir
  4. Fátima foi uma bricolagem geral e bem na veia

    ResponderExcluir
  5. ---------- Mensagem encaminhada ----------
    De: Gildázio Garcia Vitor
    Data: 15 de agosto de 2013 12:01
    Assunto: Crônica do jornal O Tempo
    Para: "fatimaoliveira@ig.com.br"


    Há um bom tempo que não leio algo tão Graciliano Ramos como a crônica de ontem. Parabéns!

    Gildázio Garcia Vitor

    ResponderExcluir
  6. Boa demais a tua bricolagem de temas. Goste até demais da conta. E a puxadinha de orelha nas entidades médicas e no governo foi ótima

    ResponderExcluir
  7. Fátima, estou totalmente concordante com tuas bricolagens e as análises delas. Valeu, amiga!

    ResponderExcluir