Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O voto consciente exige a análise do discurso da candidatura


O HORÁRIO ELEITORAL NUTRE AS CONVERSAS SOBRE AS ELEIÇÕES
Fátima Oliveira
Médica -
fatimaoliveira@ig.com @oliveirafatima_


Os programas de TV das candidaturas balizam o voto, inegavelmente. É senso comum que as campanhas só deslancham com o horário eleitoral em curso, que quase todo mundo acha uma chatura, mas fica de olho; não fosse assim, não dariam notícias nem comentariam as "ratadas" e as impropriedades de muitas candidaturas na TV.



 
O horário eleitoral nutre as conversas sobre as eleições, e são as conversas entre iguais as definidoras das escolhas entre sicrano ou beltrano na hora de votar. A propaganda televisiva é o que mais contribui para fazer a cabeça, embora, não custa relembrar, na hora de pedir o voto, alhos e bugalhos se misturam no bom-mocismo de um tanto que é preciso paciência e esperteza políticas para que o voto seja consciente, ou seja, resultado da convicção de que a candidatura é a melhor opção, depois de conhecer as propostas que apresenta, e se a sua história de vida avaliza o discurso que está fazendo.



[Prof. Gustavo Venturi (USP), Profa. Luciana Veiga (UFPR) Prof. Afonso Albuquerque (UFF)]

E quais seriam as razões que nos fariam sufragar um nome numa eleição? Luciana Fernandes Veiga, em sua brilhante tese de doutorado "Em busca de razões para o voto: o uso que o homem comum faz do horário eleitoral", cujo resumo é o que se segue, nos dá pistas de como vota o eleitor comum (renda, escolaridade e interesse pela política baixos): "A expansão do marketing político televisivo e a sua crescente influência no processo eleitoral têm despertado a atenção de cientistas políticos. Diante do processo de personalidade da política decorrente da exposição direta do candidato ao eleitor por meio da televisão, o meio acadêmico aponta para a necessidade de adequação dos modelos explicativos de decisão de voto existentes a esta nova realidade. Este trabalho tem por objetivo examinar como os eleitores processam as mensagens políticas divulgadas pelo horário gratuito de propaganda eleitoral e como as utilizam na decisão do voto.
O trabalho está baseado em uma investigação empírica realizada na ocasião da disputa presidencial de 1998, quando buscamos analisar o impacto persuasivo do horário eleitoral sobre o homem comum, este definido segundo critérios de baixa escolaridade, baixa renda e baixo interesse pela política. O trabalho valeu-se de pesquisas qualitativas, com entrevistas em profundidade e grupos de discussão, realizadas durante todo o período da disputa.
Como resultado, verificamos que o homem comum tem a capacidade de suprir a escassez de conhecimentos sobre o jogo político e o funcionamento do governo com a sua ideologia política, a soma de estoques de conhecimentos e de valores extraídos de seu cotidiano e de noções fragmentadas recebidas pela mídia e a conversação. Os resultados obtidos apontaram que, a partir de sua ideologia política, o eleitor raciocina sobre os candidatos, os programas de governo e os temas relevantes da campanha ao decidir o seu voto.
O horário eleitoral é visto como fonte importante de informação, na medida em que aumenta a exposição dos políticos na mídia e oferece informações mais assimiláveis. O eleitor seleciona e processa as mensagens veiculadas pelas propagandas com base em seu estoque de conhecimentos e de valores. O horário eleitoral oferece argumentos para o eleitor defender sua atitude sobre o voto nas conversas do dia a dia, onde, de acordo com os dados empíricos, as opiniões se cristalizam"
(Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2001).
Enfim, precisamos nos convencer de que o melhor cabo eleitoral é quem conversa no cotidiano com o eleitor.

Luciana Fernandes VeigaProfessora da Universidade Federal do Paraná – UFPR
Doutora em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro - IUPERJ
lucveiga@terra.com.br
Publicado no Jornal OTEMPO em 11.09.2012

4 comentários:

  1. Juliana Morel da Cunha11 de setembro de 2012 10:36

    Querida Dra. Fátima Oliveira, uma crônica perfeita para tempos de eleição

    ResponderExcluir
  2. Um artigo nota dez

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito, muito... E aprendi bastante também

    ResponderExcluir
  4. Fátima é muito engraçado porque eu pensava tal qual os resultados encontrados pela professora Luciana, mas não tinha certeza

    ResponderExcluir