Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 3 de abril de 2012

O Dia da Mentira nada tem a ver com sociopatas da política

DUKE
Não são doentes, apenas portam personalidades bandidas
Fátima Oliveira
Médica –
fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_

Escrevo a nossa conversa no 1º de abril, Dia da Mentira - que já mereceu um escrito meu, "1º de abril, toca o burro pro Anil", chiste popular usado nas escolas em São Luís (MA) no Dia da Mentira, - uma instituição mundial pancultural, comemorada a primeira vez no Brasil, segundo Mário Souto Maior, em 1º de abril de 1848, em Pernambuco, num jornaleco chamado "A Mentira", que estampava o falecimento do imperador dom Pedro II, cujo desmentido só circulou no dia seguinte.
O último número de "A Mentira" foi em 14.9.1849 e trazia uma convocatória aos seus credores para um acerto de contas no 1º de abril de 1850, em local inexistente em Recife (O TEMPO, 1º.4.2008).






Falo sobre o Dia da Mentira para não perder a oportunidade de demarcar a data galhofeira - pois ela não se refere à mentira enquanto outra coisa a não ser um chiste (do alemão witz = gracejo), tema de estudos de Freud, que dizia ser o chiste algo como uma "válvula de escape de nosso inconsciente, que o utiliza para dizer, em tom de brincadeira, aquilo que verdadeiramente pensa", pois "Freud acreditava que utilizar o humor e a ironia no dia a dia deixava o cotidiano mais leve, e a realidade, mais tolerável. E é isso que o chiste possibilita quando conecta arbitrariamente, através de uma associação verbal, duas ideias contrárias" (Daniela Guimarães).
A conjuntura política que vivenciamos é um momento sob o ritmo das "cachoeiradas", que não são chistes, mas mentiras deslavadas da política no campo do banditismo, que acompanhamos embasbacadamente, pois não são apenas surrealistas, mas duras e amargas de um tanto que desacorçoa o freguês. Fazer o que a não ser martelar nas denúncias, não é? Mas não nos enganemos, pois meu avô Braulino era incansável em fazer jorrar sua sabedoria sertaneja: "A política atrai lunáticos como o doce atrai as formigas...".

... lutar para que sejam indiciados e
condenados pelos crimes cometidos.
Nem mais, nem menos,
pois, uma vez sociopata,
sociopata até morrer.


E arrematava: "Essa gente sem juízo gosta de política. Não vê o Lequer (um esmoler sem juízo de Graça Aranha, MA), que, no tempo da política (leia: eleições), fica mais lunático ainda: rua acima, rua abaixo, repetindo o nome do candidato a prefeito dele e pedindo voto?". O meu pai velho não estava apenas coberto de razão, mas apoiado em bases científicas, mesmo sem saber, conforme já expus em "Sociopatia & poder", do qual farei repeteco de uma parte aqui.
"As sociopatias - grosso modo: personalidade antissocial - atingem de 1% a 3% da população. Mas, nos meios políticos, podem chegar a 6%. São pessoas ávidas por poder e buscam-no de qualquer jeito, em todos os lugares... Onde há corrupção, que é uma doença social, ela é feita por quem porta transtornos de personalidade de inegável caráter antissocial, ou narcísico ou 'boderlaine'".
Sociopatas não são doentes, portam personalidades bandidas que podem chegar ao banditismo, cuja única prevenção é ‘investir em educação, em atendimento à primeira infância, na aplicação das leis e em contenção’. É um imperativo ético de quem possui mãos limpas lutar para conter e expurgar sociopatas dos espaços de poder: entregando-os à Justiça sem dó, pois sociopatas são ‘intratáveis, incuráveis e irreversíveis’. Não há ex-sociopata" (O TEMPO, 15.5.2006).
O que dá alento de os sociopatas não serem considerados loucos pela psiquiatria, apenas possuírem personalidades bandidas, é que podem responder judicialmente por seus atos... Então, nos resta lutar para que sejam indiciados e condenados pelos crimes cometidos. Nem mais, nem menos, pois, uma vez sociopata, sociopata até morrer.

  Publicado no Jornal OTEMPO em 03.04.2012

4 comentários:

  1. O eleitor que insistentemente elege sociopatas não manifesta sua sociopatia também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fátima Oliveira3 de abril de 2012 13:57

      Oi Gerson, não é o que diz a ciência. Mas evidente que há eleitores/as sociopatas, já que a incidência de sociopatia fica em torno de 1 a 3% da população geral; e entre políticos é de 6%, em média.

      Excluir
  2. Helenice Freitas3 de abril de 2012 13:39

    Oi Fátima, muito bom e apropriado para o momento político também

    ResponderExcluir
  3. O texto é bom e oportuno

    ResponderExcluir