Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 23 de abril de 2013

Interdição racista: banheiros luxuosos não são para negros

Joaquim Barbosa: estrela de Trancoso  (Ministro Joaquim Barbosa)
ELE BATEU NA ESPOSA. LULA SOUBE E MANTEVE O NOME
 Fátima Oliveira
Médica – fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_ 


 


Depois que o dr. Joaquim Barbosa foi sagrado ministro do STF, não escrevi sobre ele. Reconheço seus méritos intelectuais, conquistados com sacrifícios impensáveis. No concernente à moralidade e à ética, ele não deveria estar lá. Os motivos, relatarei abaixo.
Na aventada imoralidade dos banheiros de luxo ("STF gasta R$ 90 mil em reforma para Joaquim Barbosa", Andreza Matais e Rubens Valente, FSP, 20.4.2012), vou defendê-lo. Entendo que a base do achincalhamento é de cunho racista. A mensagem subliminar é que é interditado a uma pessoa negra atender às suas necessidades fisiológicas em banheiros decentes - negros não devem sair do tempo do penico de latão (para a aristocracia, era de porcelana) -, já que dizem que "negro, quando não caga na entrada, caga na saída". Dispensa banheiro.


 


A mensagem
subliminar é que são interditados a uma pessoa negra
banheiros decentes -
negros não devem sair do penico
do latão

 
O governo federal mantém habitações funcionais. Posso discordar da regalia, mas ela é legal. Cuidar, com dinheiro público, para que não se deteriorem, é dever do governo. Quando a ministra Ellen Grace instalou uma hidromassagem, a mídia tentou dar faniquitos. Ela, tranquilamente, disse: "É claro que vou colocar uma banheira lá. E tem de ser paga com dinheiro público porque ela vai estar num apartamento público". Assunto encerrado. Era 2005, e a reforma do apartamento custou R$ 133 mil.
O estopim curto do ministro JB, sobre reforma similar e mais barata, sete anos depois, explodiu ao ser perguntado, por Felipe Recondo, do "Estadão". Perdendo a compostura, o chamou de "palhaço" e mandou que fosse chafurdar no lixo. O "Estadão" silenciou, mas a FSP, em 20.4.2013, estampou: "STF gasta R$ 90 mil em reforma para Joaquim Barbosa". Para JB? Ora, me compre um bode! O assunto caiu na web, e muita gente insuspeita caiu na armadilha racista. Contraditoriamente, os dois jornais elevaram JB à posição de Deus no julgamento do mensalão, mas ele ter direito de usar banheiros de luxo é inaceitável!
Na indicação de JB ao STF, eu e umas três feministas negras fomos contra nas "listas raciais". Primeiro, ele bateu na esposa, à época, funcionária do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, inclusive com registro de BO no DF. Lula soube e manteve o nome, argumentando que a ex-esposa enviara carta inocentando-o, com o mesmo teor dito à imprensa, que "apanhou de meia": "Na verdade, houve uma agressão mútua. Isso aconteceu num dia de ânimos acirrados. Somos amigos até hoje" ("Enfim, um negro chega lá", "Veja", 14.4.2003).
 

  Lula foi cúmplice, corroborando o dito pelo saudoso poeta negro Arnaldo Xavier: "O único espaço de cumplicidade efetiva existente entre o homem negro e o homem branco é o machismo". Exigíamos que JB declarasse arrependimento. Ele e Lula não deram a menor pelota pras ziquiziras das feministas!
 
 
  (Dr. Hédio Silva Jr).

O segundo motivo: sou testemunha dos ânimos violentos do ministro. Em Santiago do Chile, na Preparatória Latino-americana de Durban (2000), JB, por motivo fútil, partiu pra cima do hoje jurista e ex-secretário de Justiça do Estado de São Paulo Hédio Silva Jr. Quem foi pro sopapo foi JB, o outro se defendeu. Imaginem como fiquei tentando separá-los! Um espetáculo deprimente visto por várias negras brasileiras. Ali, soube que JB havia batido em sua mulher. Ali, selei a opinião do destempero dele, portanto, achei a sua indicação para o STF inadequada.
Não tenho motivos para louvá-lo, pois compactuar com violência de gênero e índole violenta fere meus princípios, mas ele tem a minha solidariedade contra o racismo, base da suposta denúncia dos banheiros de luxo.
 
jogos de decorar banheiros de luxo  Publicado no Jornal OTEMPO em 23.04.2013



Declaraçaõ de DurbanA III Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas foi realizada em setembro de 2001, em durban, na África do Sul e contou com mais de 16 mil participantes de 173 países. A conferência resultou em uma Declaração e um Plano de Ação que expressam o compromisso dos Estados na luta contra os temas abordados.

4 comentários:

  1. Fátima,na primeira leitura fiquei assustada quanto ao racismo a que se refere, na segunda entendi. Realmente, concordo. Também concordo que Lula foi leniente quanto ao fato de Joaquim Barbosa ter batido em sua mulher

    ResponderExcluir
  2. A reforma deve ser compatível com o imóvel. Imoral é a existêmcia de imóveis funcionais e de luxo, desde que foram feitos em mármore de Carrara e granito especial. Mas se existem, as reformas devem ser bancados pelo governo, que é dono. A gritaria da FSP é sim porque o morador é negro e não merece tanto segundo a ótica racista.

    Agora, dou meus parabéns a Fátima Oliveira por repetir que ele não deveria estar no STF. Lula deve esta as brasilieiras

    ResponderExcluir
  3. Pedro Costa Neves23 de abril de 2013 18:30

    Não entendi a denúncia como racista, mas lendo o artigo da Fátima tenho de dar a mão à palmtória. Há racismo na matéria da Folha, que não questiona a existência dos apartamentos funcionais para quem ganha o suficiente para ter uma casa ou pagar um aluguel

    ResponderExcluir
  4. Pode ser uma incursão racista da Folha de São Paulo, eu não duvido, mas parece mais uma forma de descartar a quem a grande mídia colocou como Deus castigador do PT

    ResponderExcluir